Outras / EDUCAÇAO LUDICA

EDUCAÇAO LUDICA

Ensaios: EDUCAÇAO LUDICA
Buscar 155.000+ Trabalhos e Grátis Artigos

Enviado por:  dianabarreiros  25 abril 2013
Tags: 
Palavras: 3935   |   Páginas: 16
Visualizações: 204

UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP

CENTRO DE EDUCAÇAO A DISTANCIA

CURSO: PEDAGOGIA

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E DA PEDAGOGIA

Feira de Santana – Ba

2012

ANA PAULA COSTA VITORIA/ RA: 330154

BARBARA MATOS SANTANA/ RA: 307153

DIANA BARREIROS SANTANA/ RA: 327694

JEANE BARBOSA DE LIMA SANTANA/ RA: 330953

VERA LUCIA DOS SANTOS SANTANA OLIVEIRA/ RA: 330952

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E DA PEDAGOGIA:

DESAFIO DE APRENDIZAGEM

Feira de Santana – Ba

2012

MEMORIA DA EDUCAÇAO ESCOLAR NO BRASIL CONTEMPORANEO

Nas civilizações orientais a educação era tradicional: dividida em classes, opondo cultura e trabalho, organizada em escolas fechadas e separadas para a classe dirigente. O conhecimento da escrita era restrito a devido ao seu caráter esotérico As preocupações com educação apareceram nos livros sagrados, que ofereceram regras ideais de conduta e enquadramento das pessoas nos rígidos sistemas religiosos. Nesse período surgiu o dualismo escolar, que destina um tipo de ensino para o povo e outro para os filhos dos funcionários, ou seja, grande parte da comunidade foi excluída da escola e restringida à educação familiar informal.

As escolas funcionavam como templos e em algumas casas foram freqüentadas por pouco mais de vinte alunos. A aprendizagem se fazia por transcrições de hinos, livros sagrados, acompanhada de exortações morais e de coerções físicas. Ao lado da escrita, ensinava-se também aritmética, com sistemas de cálculo, complicados problemas de geometria associados à agrimensura, conhecimentos de botânica, zoologia, mineralogia e geografia.

A educação na Roma arcaica teve, sobretudo, caráter prático, familiar e civil, destinada a formar em particular o civis romanus, superior aos outros povos pela consciência do direito como fundamento da própria “romanidade”. Os civis romanus era, porém, formado antes de tudo em família pelo papel central do pai, mas também da

mãe, por sua vez menos submissa e menos marginal na vida da família em comparação com a Grécia. A mulher em Roma era valorizada como manter famílias, portanto reconhecida como sujeito educativo, que controlava a educação dos filhos, confiando-os a pedagogos e mestres. Diferente, entretanto, é o papel do pai, cuja auctoritas, destinada a formar o futuro cidadão, é colocada no centro da vida familiar e por ele exercida com dureza, abarcando cada aspecto da vida do filho (desde a moral até os estudos, as letras, a vida social).

No período medieval a educação era desenvolvida em estreita simbiose com a Igreja, com a fé cristã e com as instituições eclesiásticas que – enquanto acolhiam os oratores (os especialistas da palavra, os sapientes, os cultos, distintos dos bellatores e dos laboratores) – eram as únicas delegadas (com as corporações no plano profissional) a educar, a formar, a conformar.

Duas instituições educativas, em particular, sofreram uma profunda redefinição e reorga ...



Cadastre-se no TrabalhosGratuitos

Cadastre-se no TrabalhosGratuitos - buscar 155.000+ trabalhos e monografias