Trabalho Completo ATPS História Da Pedagogia

ATPS História Da Pedagogia

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: simonesi 17 junho 2013

Palavras: 3288 | Páginas: 14

Introdução

Estudar sobre a educação escolar no Brasil nos incentivará a ter um olhar crítico na questão da educação cada processo de mudança a escola em ascensão acompanhando tal mudança e neste projeto concluímos isso.

“Somos feitos de tempo?”

Somos constituídos pela herança cultural dos nossos antepassados e por isso projetamos o futuro com suas mudanças. Conscientizar que o passado nos influencia faz com que estabelecemos mudanças precisas e realizações projetadas e as metas nos desperta para um caminho já percorrido, pois o tempo é feito de memória.

A memória histórica fica registrada o tempo tem suas mudanças e é com isso que a cada época tudo muda se transforma e renova e se refaz.

Cada geração assimila sua herança cultural com o passado que não está morto transforma o presente nos levando ao futuro com todas as suas expectativas.

O tempo ou o passado nele aqui difundido, ou seja, sua memória histórica deve ser preservada essa é a herança de uma geração a outra e diferencia em cada canto, ou seja, o fato de que a cada dia surge uma idéia nova um processo novo ou algo novo isso modifica a cada dia a história por isso e diferente em cada canto e em cada momento, como vimos a respeito de nossos antepassados e de outros.

O tempo tem suas mudanças ai está à mudança também do povo da cultura da organização em cada canto não e justificadamente iguais em cada lugar tem suas regras seus limites suas dificuldades e com o tempo que nossos antepassados tiveram houve grande influencia no nosso presente e nos faz refletir sobre o futuro.

É preciso repensar o futuro que está projetado nos erros e acertos do passado não só na nossa concepção de organização mais em âmbito geral em especial pensar no educacional para que ajam definições mais claras para outras gerações.

A ORIGEM DA EDUCAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL – A AÇÃO DOS JESUÍTAS COMO PARTE DO MOVIMENTO DA CONTRARREFORMA CATÓLICA.

A educação mantivera um papel importante na educação indígena escolar no Brasil. Jesuítas mantinham interesse na educação indígena com base na gramática dos gentios e algo que eles mantinham muito forte era a questão da religião.

Neste mesmo período do processo de alfabetização do índio havia outros mestres que ensinavam os meninos a ler e escrever e as meninas eles ensinavam cozinhar entre outros. Os Jesuítas tentavam integrar o índio a realidade deles mudando muito a sua cultura, no modo de vestir falar para serem inseridos na sociedade.

Por volta de 1500 à proposta da igreja católica de educar os índios perdurou essa foi uma missão da igreja católica. Eles se interessavam na fé dos índios. Os jesuítas trabalhavam com o propósito de inserir métodos para que os índios se adequassem a uma vida social. Esse período foi até 1544, pois após isso o Estado interveio e expulsa os jesuítas do comando de ensino e esse processo o Estado contrata professores assalariados para darem aulas, isso dificultou muito o processo aprendizagem visto que teve de iniciar tudo praticamente do zero e então reformularem o modo de ensinar.

Nasce o direito a liberdade ao ensino no período de 1824 á 1837 concedido a meninas mais em escolas elas são separadas dos meninos. As meninas aprendem através de professoras mais ainda com muita descriminação e exclusão os cursos são reservadas para os homens.

Houve vários períodos de mudanças até chegarmos à educação que está hoje diversificada e encontrada ainda em mudanças.

Educação em fase de reconstrução e evolução

A educação brasileira foi construída em base desordenada, vem tentando uma história de desenvolvimento no que temos e tendo ainda base na realidade européia sofremos com as mudanças ao longo do tempo esta linha cronológica abaixo explicará mais detalhadamente esses períodos.

Brasil Colônia

1500 Descobrimento do Brasil

Educação Tribal- baseada em uma educação difusa, crença em deuses

1549 a 1759 Período Jesuítico

Jesuítas se dedicaram à pregação da fé católica e ao trabalho com os índios catequizando.

Educação a serviço da igreja, ensinando aos indígenas a ler e escrever más com o próprio ensino mudando algumas tradições e costumes dos índios-

Surge o primeiro colégio na Bahia pelos portugueses.

1549 a 1759 Também neste período assistido pela história percebemos que os Jesuítas foram expulsos por Marquês de Pombal, a educação já estava bem estruturada e o processo se interrompeu então tivemos que iniciar a partir daí um trabalho que estava firmado em bases.

Houve filhos da elite colonial em regime de internato e Padres Anchieta e os livros à pena onde precisam escrever uma cópia à cada aluno a lição do dia seguinte.

Brasil Império

1824

As maiorias das meninas recebem educação de suas mães no mesmo período em que presenciam a vinda da Família Real, para atender as necessidades de sua estadia no Brasil, Amas de leite ensinam os filhos da família Real a ler.

1822 D. Pedro I proclama a Independência do Brasil,

Primeira Constituição Brasileira houve a instituição da Lei Magna que entre seus termos dizia que o ensino passava a ser gratuito a todos os cidadãos.

1827 Houve uma revolução na escola com a criação de colégios em vilas e cidades mais populosas

1828-1837 Fundação do colégio Pedro II, modelo para todo Brasil À mestra com carinho em escolas para garotas onde só professora lecionava. O imperador contrata professores e escolhe as refeições.

1874 Fundação de escolas laicas e particulares escola não cristãs, colégios femininos e protestantes. Aos poucos a educação migra para a iniciativa privada;

1ª República

1889-1929 A República proclamada adotou o modelo político americano baseado sistema presidencialista.

Aumento da presença feminina nos cursos de na formação de professores das Escolas Normais

1890

Nova constituição separa a Igreja do Estado

1895 Formação do 1º jardim de infância

1920 O aluno é visto como o centro das atenções e então apareceram mudanças como o modo de ensinar o aprender e educar.

2ª República

1932 Dá inicio o Período da Segunda República, que com a Revolução de 30 - Períodos

(1930-1936) por Anísio Teixeira; Período que o Brasil entrou no mundo capitalista de produção. A nova realidade brasileira passou a exigir uma mão de obra qualificada com uma realidade de que tinham de investir para se educar.

Foi criada a primeira universidade em 1934 em São Paulo com iniciativa do Governador Salles oliveira foi criada segundo as normas do Estatuto das Universidades.

1-A historia da escola centro educacional 106-Área especial-Recanto das Emas

O Brasil de 1994 sofreu algumas mudanças marcantes na história do país. Na política em 1994 ocorreram as eleições que deram vitória em primeiro turno e inicio ao governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC) que venceu do sindicalista petista Luis Inácio Lula da Silva (Lula). Foi em 94 que entrou em vigor o Plano Real que almejava a redução da inflação do país. Na época algumas determinações influenciaram na história atual da educação:

“O Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, Lei nº 8.069/90, no artigo 55, reforça os dispositivos legais supracitados ao determinar que “os pais ou responsáveis têm a obrigação de matricular seus filhos ou pupilos na rede regular de ensino”. Também nessa década, documentos como a Declaração Mundial de Educação para Todos (1990) e a Declaração de Salamanca (1994) passam a influenciar a formulação das políticas públicas da educação inclusiva. ”... “Em 1994, a Declaração de Salamanca proclama que as escolas regulares com orientação inclusiva constituem os meios mais eficazes de combater atitudes discriminatórias e que alunos com necessidades educacionais especiais devem ter acesso à escola regular, tendo como princípio orientador que as escolas deveriam acomodar todas as crianças independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas [sic] ou outras (BRASIL, 2006, p.330).”... (BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.)

(Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007.)

2. A corrente pedagógica à qual a escola se filia-

Escola aberta, escola integral, inclusão a informática, incentivo a leitura. Os projetos adotados pela escola em questão vão alicerçados ao corpo docente, discente, comunidade e monitores.

3. A estrutura da escola:

A escola possui uma estrutura planejada para alunos cadeirantes, com rampas espalhadas por toda escola e para alunos Especiais que têm dificuldade na fala, audição, visão, síndrome de down e outras necessidades que precisam de atendimento diferenciado. A escola é composta por vinte salas, uma biblioteca, uma sala de informática que agrega sessenta e cinco alunos existe mil e sete alunos no total e setenta e cinco funcionários no geral.

4. A vida fora da sala de aula:

Cantina Jardim

Pátio Biblioteca

Obs.: Fotos tiradas em câmera própria atuais.

5. Modelos de uniformes

Modelo de uniforme antigo Modelo de uniforme atual

6. Hino da escola:

Esse é o modelo atual. A escola adota como hino oficial o hino nacional brasileiro 1 , é cantado toda sexta-feira depois da chegada dos alunos auto-intitulada hora cívica.

Letra: Joaquim Osório Duque Estrada

Música: Francisco Manuel da silva

LETRA DO HINO NACIONAL BRASILEIRO I

Ouviram do ipiranga as margens plácidas

De um povo heróico o brado retumbante,

E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,,

Brilhou no céu da pátria nesse instante.

Se o penhor dessa igualdade

Conseguimos conquistar com braço forte,

Em teu seio, ó liberdade,

Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó pátria amada,

Idolatrada,

Salve! salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido

De amor e de esperança à terra desce,

Se em teu formoso céu, risonho e límpido,

A imagem do cruzeiro resplandece.

Gigante pela própria natureza,

És belo, és forte, impávido colosso,

E o teu futuro espelha essa grandeza.

Terra adorada,

Entre outras mil,

És tu,brasil,

Ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,

Pátria amada,

Brasil!

Deitado eternamente em berço esplêndido,

ao som do mar e à luz do céu profundo,

fulguras, ó brasil, florão da américa,

Iluminado ao sol do novo mundo!

Do que a terra mais garrida,

Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;

"Nossos bosques tem mais vida,"

"Nossa vida" no teu seio "mais amores".

Ó pátria amada,

Idolatrada,

Salve! salve!.

Brasil, de amor eterno seja símbolo

O lábaro que ostentas estrelado,

E diga o verde-louro dessa flâmula

-Paz no futuro e glória no passado.

Mas, se ergues da justiça a clava forte,

Verás que um filho teu não foge à luta,

Nem teme, quem te adora, a própria morte.

Terra adorada,

Entre outras mil,

És tu, brasil,

Ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil,

Pátria amada,

Brasil!

7. Acervo de material didático antigo

Ensino Fundamental de Nove Anos

Desde 2008, a oferta do Ensino Fundamental de nove anos está universalizada na Rede Pública de Ensino. Isto significa que, desde então, todas as crianças de seis anos de idade passaram a ser matriculadas no primeiro ano do Ensino Fundamental.

Por decisão do Conselho de Educação do Distrito Federal, a implantação do Ensino Fundamental de nove anos deve ser progressiva. Assim sendo, a cada ano letivo será agregada a oferta de mais um ano, até que em 2016 os alunos de Ensino Fundamental da rede pública vão se formar no sistema de nove anos.

Enturmação no Ensino Fundamental de Nove Anos em 2009

DRE 1° ano 2° ano 3° ano 4° ano 5° ano 6° ano 7° ano 8° ano 9° ano

Ceilândia 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013

Taguatinga 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014

Brazlândia 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Samambaia 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Guará 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Plano Piloto/Cruzeiro 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Gama 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Sobradinho 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Planaltina 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Núcleo Bandeirante 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Santa Maria 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Paranoá 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

São Sebastião 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Recanto das Emas 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Fonte: SEDF/SUBIP

A implantação do Ensino Fundamental de nove anos na rede pública do DF teve início em 2005, por meio do BIA – Bloco Inicial de Alfabetização, que acarretou a incorporação dos alunos do terceiro segmento da Educação Infantil ao Ensino Fundamental.

Inicialmente, o BIA foi implantado em escolas na DRE de Ceilândia. Por isso, em 2009, nesta Regional está sendo ofertado do 1° ao 5° ano do Ensino Fundamental de nove anos.

Posteriormente, o projeto foi ampliado para as DREs de Taguatinga, Brazlândia, Guará e Samambaia.

A convivência do Ensino Fundamental de nove e de oito anos não traz prejuízos aos estudantes, visto existir equivalência dos currículos adotados nos dois sistemas

8. Acervo de fotografias e/ou de notícias jornalísticas sobre a escola.

Encontros debatem a Educação Integral e o Currículo Escolar

Reunidas em São Sebastião, equipes abordam o ensino como fator de transformação

O Núcleo Pedagógico de São Sebastião está trabalhando em dois importantes encontros que acontecem nesta semana, com ênfase na Educação Integral e no Currículo Escolar como instrumentos de transformação social.

Professores de nove escolas estão reunidos nesta quarta-feira (31), na Chácara Antares para mostrar o saldo positivo das oficinas de Educação Integral realizadas em cada unidade de ensino, sob a orientação da Coordenação Intermediária de Educação.

Alguns dos relatos dos professores trazem métodos pedagógicos que utilizam recursos lúdicos, novas tecnologias e experiências extraclasses. São abordagens que acabaram por conquistar a atenção e participação dos alunos nas aulas e uma conseqüente alta no índice de rendimento escolar.

A Diretoria Regional de Ensino de São Sebastião recebe grupos da cidade, além de professores de Paranoá, Sobradinho e Planaltina para análise dos novos parâmetros do currículo escolar.

Obs.: não há registros individuais sobre notícias jornalísticas o que encontramos foi matéria relacionada com todas as escolas publicas do DF.

9. Acervo de fotografias de turmas de alunos.

Obs. Fotos atuais tiradas de câmera própria.

Bibliografia/Referências

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação e da pedagogia: geral e Brasil. São Paulo: Moderna, 2006.

GALZERANI, M. C. Bovério. Memória, História e Tempo: perspectivas teórico-metodológicas para a pesquisa em Ensino de História. Cadernos do CEOM, ano 21,

n. 28. Disponível em:

<http://apps.unochapeco.edu.br/revistas/index. php/rcc/article/viewFile/152/60>.

Acesso em: 24 set. 2012.

FOX, Mem. Guilherme Augusto Araújo Fernandes. São Paulo: Brinque Book, 1984.

NASCIMENTO, Maria Isabel Moura ET al. Instituições Escolares no Brasil Colonial e

Imperial. 2009. Disponível em:

<https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=explorer&chrome=true&srcid=0B7Ut

1sEOUW3UYjQ2NTUxYzctZTllZC00YmJiLTk2NWYtMzk0M2ZkNGY0MTlm&hl=e

n>. Acesso em: 24 set. 2012.

(Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007.)

(http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf)

Secretaria do Estado de educação do Distrito Federal 31 de agosto de 2011em notícias/2013

Fotos tiradas de câmera própria e fotos arquivo do próprio colégio.