Trabalho Completo Atps Analise De Investimentos

Atps Analise De Investimentos

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: Jeferson 03 dezembro 2011

Palavras: 1185 | Páginas: 5

...

fixadas;

• Aplicações pós-fixadas;

• Taxa Selic;

• CDI.

4.2. RENDA VARIÁVEL

A renda variável são investimentos nos quais pode haver perda do montante inicialmente investido além da perda de juro ou rendimentos. Assim, são aplicações mais arriscadas que as de renda fixa.

Para que tenhamos um melhor entendimento do que é um investimento, nada melhor do que simulando as devidas ferramentas disponíveis dentro de uma empresa que supostamente deu início em seu exercício fiscal e contábil.

A Empresa a ser montada chama-se CIB Canetas e Lápis Promocionais Ltda. Na qual seu ramo de atividade é especialmente voltado para papelarias, sendo nossos produtos de excelentíssima qualidade atendendo a demanda. Seu corpo societário integrado por (5) cinco sócios acionistas são:

 Augusto Bordon Junior;

 Daniel Aparecido da Silva;

 Vando Luiz dos Santos;

 Ana Paula Ferreira dos Santos

 Ricardo Felipe Campanone

Os produtos a serem confeccionados são Lápis e Canetas de natureza e caráter simples, mas, todavia de extrema relevância. Com Um capital de investimento inicial de R$ 1.000.000,00 e faturamento no primeiro mês de R$ 180.000,00.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ETAPA 01

WIKIPEDIA. Disponível em: Acesso em: 01 de mar de 2011

CLESIO HENRIQUE DA SILVA: Análise de Investimentos. Disponível em : Acesso em: 01 de mar de 2011

6. PLANILHA DE CALCULO DO EXCEL

fluxo de caixa.xls

7. INTERPRETAÇÃO DA PLANILHA ITEM 6.

7.1. PAYBACK

- Não leva em conta o valor do dinheiro no tempo;

- Não considera os riscos de cada projeto, que podem ser muito diferentes;

- Não considera os fluxos de caixa após o período de payback.

7.2. VPL

- Considera o valor do dinheiro no tempo, mediante o uso da TMA;

- Podem considerar diferentes riscos, ajustando a TMA de cada projeto*;

- Considera todos os fluxos de caixa, inclusive com determinação de período de tempo para a correta comparação em termos de custo de oportunidade.

VPL é uma análise que te dá o retorno em valor real.

7.3. TIR

- Considera o valor do dinheiro no tempo, mediante o uso da TMA;

- Pode considerar diferentes riscos, ajustando a TMA de cada projeto*;

- Considera todos os fluxos de caixa, inclusive com determinação de período de tempo para a correta comparação em termos de custo de oportunidade.

VPL é uma análise que te dá o retorno em percentual.

7.4. TMA

A Taxa Mínima de Atratividade deve representar o retorno mínimo exigido, em porcentagem, para o investidor concordar em realizar o projeto. Em geral, essa taxa representa o custo do dinheiro no tempo para esse investidor ou, ainda, o custo das oportunidades perdidas, o chamado “custo de oportunidades”, já que esses recursos poderiam ser utilizados em outro investimento. Assim, ao realizar-se um determinado investimento, perde-se a oportunidade de realizar um outro, ou seja, há um custo de oportunidade: a perda do retorno do investimento que não foi realizado.

A TMA deve ser sempre considerada em qualquer investimento sério, caso contrário, o investidor corre um sério risco de perder retorno e investir mal.

7.5 VANTAGENS DO VPL EM RELAÇÃO AO PAYBACK

O método do VPL é tecnicamente muito superior ao método do payback como guia para a avaliação de projetos de investimento. Conforme já informado anteriormente, o payback possui três falhas graves como método de análise de investimentos, as quais não ocorrem com o VPL.

7.6. TIR

A Taxa Interna de Retorno é um método similar ao VPL, ou seja, utiliza a mesma lógica de cálculo, contudo, apresenta os resultados em porcentagem, e não em valores monetários. Dessa forma, é bastante popular, uma vez que muitos investidores preferem mensurar retornos em porcentagens, e não em valores absolutos. Esse método também é conhecido por seu nome em inglês, ou seja, Internal Rate of Return, cuja sigla utilizada é IRR.

As principais diferenças entre o método do VPL e da TIR, na verdade, estão na dificuldade de cálculo, e não na qualidade técnica dos métodos, a qual é equivalente. Assim, comparando o VPL com a TIR, pode-se afirmar que esta tem como desvantagens de cálculo em relação ao VPL:

• Método com cálculo mais complicado, necessitando de calculadora/computador;

• Mesmo com calculadora, nem sempre é possível calcular a TIR. Quando há mais de uma inversão de sinais no fluxo de caixa, pode haver múltiplas raízes da equação e nenhuma raiz real, ou seja, não será possível calcular a TIR.

Pode-se concluir, assim, que tanto a TIR quanto o VPL são os melhores métodos de análise de investimento, tecnicamente sólidos e consistentes, diferentemente do payback, que apresenta sérias falhas técnicas. Apesar de a TIR não ser tecnicamente inferior ao VPL, seu cálculo é bastante mais complexo e trabalhoso, fazendo, muitas vezes, com que o VPL seja o método mais recomendado, já que é tecnicamente muito superior ao payback e de cálculo menos complexo que a TIR.

7.7. CONSIDERAÇÕES

O Projeto criado, teve o objetivo de demonstrar que a empresa, se bem estruturada há capacidade de progredir em muito, e dar ótimos resultados adotados de algumas ferramentas para fazer-se a análise em geral de um projeto que inicial onde não existia uma base substancial e sim com base em dados abstratos. Portanto, a Empresa analisada obteve uma TIR (Taxa Interna de Retorno) de 1526,72% de viabilidade, e seu VPL (Valor Presente Líquido) foi de R$ 195.466.130,54, considerando uma TMA (Taxa Mínima de Atratividade) de 11% de acordo com a Taxa Selic, resultando num payback (Retorno do Investimento no Tempo) de apenas um mês. Contudo, foi provado que estas ferramentas realmente funcionam para qualquer tipo de projeto desse nível.

O que foi descrito acima é apenas um resumo do significado de análise de investimentos, com três ferramentas extremamente úteis para o dia-a-dia de um profissional.

8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ETAPA 02

PLT – Programa do Livro Texto Faculdade Anhanguera – edição 115 – ANALISE DE INVESTIMENTOS – Rodolfo Leandro de Faria Olivo.