Trabalho Completo Economista

Economista

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: conceicaovalerio 12 dezembro 2012

Palavras: 6333 | Páginas: 26

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 1

0. INTRODUÇÃO PRELIMINAR

A velhice e a infância são duas fases marcadas por algumas alterações que ocorrem a diversos níveis. Nos idosos verifica-se algum enfraquecimento físico, motor e psicológico. “O envelhecimento é acompanhado pelo aumento da vulnerabilidade” (FONTAINE, 2000:30).

O entendimento da Educação Infantil e a sua importância no processo de formação da criança, requer uma compreensão sobre o papel da ludicidade educativa neste processo, pois os mesmos devem estar adequados ao interesse, às necessidades e às capacidades da etapa de desenvolvimento, na qual a criança se encontra.

Cada criança tem o seu ritmo próprio de desenvolvimento e características pessoais que a diferem das demais. Embora os estágios do desenvolvimento, pelos quais toda a criança passa, sejam semelhantes, a época e a forma como ele se processa pode variar bastante.

Nesse sentido, é fundamental o conhecimento das etapas do desenvolvimento Infantil enquanto componente do desenvolvimento integral do homem. Para essa análise, tomou-se por base os fundamentos teóricos de PIAGET (1986) que enfatizam as características básicas da criança em cada etapa do desenvolvimento infantil.

PIAGET na sua obra “A Formação do Símbolo na Criança” (1986:50) apresenta as seguintes Fases do Desenvolvimento Infantil:

 Fase Sensório motora;

 Fase Simbólica;

 Fase Intuitiva;

 Fase da Operação Concreta.

A fase ssensório motora (01 aos 02 anos aproximadamente), corresponde, na educação infantil, ao Maternal.

Nessa fase, a actividade lúdica surge primeiramente sob a forma de simples exercícios motores repetitivos.

Embora esses exercícios possam, parecer inúteis pelo seu carácter repetitivo, têm importante significado no desenvolvimento porque ao dominar condutas mais simples pelos exercícios, essas vão sendo interiorizadas, formando a base para a construção de condutas mais complexas.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 2

É indispensável o contacto com adultos visando o crescimento e desenvolvimento das relações sociais. É justamente esse contacto afectuoso e estimulante do adulto com a criança que caracteriza o primeiro sinal de uma verdadeira Educação Lúdica.

Na fase simbólica (02 aos 04 anos aproximadamente), a tendência lúdica manifesta-se sob a forma de jogo simbólico, isto é, jogo de ficção, ou imaginação ou de imitação. O jogo simbólico desenvolve-se a partir do esquema sensório-motor, à medida que são interiorizados, dão origem à imitação e, posteriormente à representação.

Nesse sentido o jogo simbólico tem como função assimilar a realidade, seja através dos conflitos, da compensação de necessidades não satisfeitas ou da simples inversão de papéis.

A fase intuitiva (04 aos 06 anos aproximadamente) constitui a fase do porquê. É a fase em que, sob as formas de exercícios psicomotores e simbolismo, a criança transforma o real em função das múltiplas necessidades do EU. Os jogos passam a ter uma seriedade absoluta na vida das crianças e um sentido funcional utilitário.

Nesse sentido, a família e a escola devem proporcionar um ambiente rico em informações para facilitar e estimular o desenvolvimento da criança, porém, nunca forçá-la a assimilar nada além daquilo que é capaz de fazer com prazer e naturalidade.

Na fase intuitiva, a criança define praticamente grande parte do seu desenvolvimento físico, mental e afectivo, onde a participação e a postura do adulto são importantíssimas.

Através do jogo de regras, por um lado a criança chega à inteligência operacional concreta; por outro lado, adquire o domínio de um código transmitido de geração em geração, porque a criança tem acesso a um universo social institucionalizado – normas, regras, leis compostas pela sociedade – esses dois recursos se complementam (inteligência operacional + regras) e permitem a socialização.

Relativamente aos idosos vão alterando os seus hábitos consoante as suas capacidades. Substituem as suas rotinas diárias por actividades que lhe exijam um menor grau de actividade. Outros começam a receber a reforma nesta altura, o que significa um aumento do tempo livre.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 3

As gerações mais novas, estão numa fase caracterizada por uma maior tolerância e cooperação, uma vez que “a capacidade crescente de compreender os pontos de vista dos outros, ajuda-as a comunicar mais eficientemente e a ser mais flexíveis nos seus julgamentos morais” (PAPALIA, 2001:420).

Uma vez que ambos os grupos estão em fases diferentes, mas, marcadas por algumas alterações semelhantes (com o aumento da tolerância e da compreensão), porque não juntar estes dois grupos? Os idosos podem transmitir os seus conhecimentos aos mais novos, preservando assim, a memória colectiva e a história

da comunidade. A pessoa idosa vivenciou várias experiências ao longo da sua vida, acontecimentos únicos, que passo a passo formaram a sua personalidade.

“Devem-se gerar processos de participação, criando espaços para a comunicação dos grupos e das pessoas, tendo em vista estimular os diferentes colectivos e empreenderem-se processos de desenvolvimento cultural”. (Trilla, 2004:255).

A troca de saberes e experiências entre as duas gerações é, em nossa opinião muito vantajosa e enriquecedora.

Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento foi objecto de discussão. Actualmente, ele está associado a algumas modificações que ocorrem durante uma determinada altura.

Nesta perspectiva, “A velhice pode ser definida como um processo desfavorável e progressivo da mudança, de um modo geral associado à passagem do tempo, que se torna perceptível depois da maturidade e conclui, invariavelmente, com a morte”. (Cabrillo, 1992: 16).

Este processo é diferente de pessoa para pessoa e aponta sinais a diversos níveis e em intensidades variadas.

“O inicio da senescência, período marcado por declínios evidentes no funcionamento do corpo, às vezes marcado por declínios com o envelhecimento, varia bastante… A maioria das teorias biológicas de envelhecimento encaixa-se em duas categorias: teorias de programação genética e teorias de taxas variáveis” (Papalia, 2000:500).

A primeira teoria defende que o envelhecimento biológico tem origem na activação e desactivação de certos genes, que ocorrem nesta fase. Há também a tese que defende que, há um queda das funções a nível do sistema imunológico, o que leva ao envelhecimento e a uma maior vulnerabilidade às doenças.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 4

A segunda teoria sustenta que as células e os tecidos vão-se desgastando, provocando um mau funcionamento e danos em alguns órgãos. Desta forma, com o avançar da idade o sistema imunológico começa a confundir-se e a atacar as próprias células do organismo.

As mudanças que ocorrem a este grau variam de pessoa para pessoa. Porém, relativamente às pessoas idosas saudáveis, o cérebro regista poucas diferenças.

A partir dos 30 anos, o cérebro começa a perder peso devido ao desaparecimento da sua substância branca. Ainda de acordo com Papalia, é licito afirmar que “juntamente com a perda de substância cerebral, pode ocorrer um retardamento gradativo das respostas, o qual inicia na meia – idade”.

A nível motor, estas fazem as mesmas coisas que as pessoas mais jovens, só que mais devagar, devido à diminuição da força e à limitação em algumas actividades que necessitam de mais esforço por parte da pessoa.

“Os problemas psicológicos da pessoa idosa estão sobretudo associados às múltiplas situações de stress, à doença, e ao desenraizamento entre outros traumatismos” (Berger, 1995:64).

Uma vez que estas duas gerações se encontram em fases distintas, mas caracterizadas por algumas mudanças que poderão marcar o seu futuro próximo, porque não colocar em contacto estas duas gerações? Começam a figurar algumas iniciativas no âmbito da intergeracionalidade, algumas individualidades pronunciaram-se, enumerando as suas vantagens. Moragas (1997), por exemplo, afirma que “as relações intergeracionais podem ser solidárias, sendo que proporcionaram ajuda em certos momentos vitais”.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 5

1. INTRODUÇÃO

A DUAL (Human Platform), com a apresentação do presente estudo, tem como objectivo demonstrar a viabilidade económica e financeira da criação de uma Creche e Jardim de Infância (incluindo animação de tempos livres ATL’s) e ainda de um Lar de Idosos e Centro de Dia.

Com o presente dossier pretende-se:

 Apresentar os investimentos necessários para o arranque e desenvolvimento da actividade, demonstrando a viabilidade do negócio;

 Apresentar esta actividade às Instituições que a tutelam, de forma a documentar e fundamentar este investimento e solicitar, junto destas, a opinião e apoio institucional;

 Apresentá-lo, junto de instituições de crédito, com o objectivo de fundamentar um eventual pedido de financiamento dos investimentos necessários à implementação deste projecto.

2. APRESENTAÇÃO DO PROMOTOR

2.1. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR

2.1.1. Denominação Social

A denominação social do promotor é DUAL (Human Platform)

A denominação comercial é “DUAL”.

2.2.2.Objecto Social

O objecto social da DUAL, de acordo com os seus estatutos, assenta no seguinte:

????

????

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 6

3. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO

3.1 APRESENTAÇÃO DO PROJECTO

A DUAL tem vindo a verificar, uma crescente necessidade dos serviços de Creche e Jardim de Infância e ainda de um Lar de Idosos e Centro de Dia, em Luanda, por um lado, por outro, a ausência de uma instituição do género, constituída pelas valências Creche e Jardim de Infância (incluindo animação de tempos livres ATL’s) e Lar de Idosos e Centro de Dia.

Os responsáveis por estes serviços consideram que estão reunidas as condições legislativas e físicas para de uma forma estruturada corresponder a esta necessidade do mercado/utentes.

Este tipo de iniciativa empresarial envolve, numa primeira fase, investimentos avultados, sendo que, depois de implementada, os investimentos subsequentes assumem menor relevo.

A DUAL encontra-se confiante nas suas capacidades e, como tal, decidiu avançar sem receios para esta iniciativa que considera devidamente dimensionada e estruturada para que a mesma atinja um estádio de desenvolvimento saudável e sustentado.

3.2.2 O Promotor

O promotor deste projecto é a “DUAL (Human Platform)

Os principais mentores deste projecto são os elementos que compõem a direcção da DUAL (Human Platform).

No ponto 7 – Anexos, são apresentados os elementos curriculares dos principais responsáveis da Empresa.

As suas motivações para a criação deste negócio prendem-se com o facto da Direcção da DUAL (Human Platform) conhecer de perto as necessidades da população. Aliado a esse conhecimento, e após recolha de informação/documentação relevante sobre o mercado envolvente, o promotor considera existirem condições favoráveis para a constituição e arranque de uma instituição constituída por uma Creche e Jardim de Infância e ainda de um Lar de Idosos e Centro de Dia.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 7

A Direcção da DUAL (Human Platform):

 Acredita que é salutar o “dualismo” entre os idosos e as crianças convivendo em harmonia;

 Aposta na Cultura (pintura, escultura, música, etc);

 Reconhece o sentido de oportunidade da criação destas quatro valências;

 Possui capacidade de assumir o risco;

 Possui conhecimentos elementares sobre os ramos de actividade (área social – valências de Creche e Jardim de Infância e ainda de um Lar de Idosos e Centro de Dia);

 Conhece a legislação aplicável;

 Possui iniciativa;

 É optimista.

3.2.3 Identificação dos Serviços

Esta actividade traduz-se na prestação dos serviços de Creche e Jardim de Infância (incluindo animação de tempos livres ATL’s) às crianças e de um Lar e Centro de Dia para os idosos.

A linha estruturante do projecto consiste no favorecer da auto-estima, incentivar a tolerância e a cooperação entre as crianças e os idosos, proporcionar vivências e experiências, promover a imaginação e despertar a criatividade das crianças.

A DUAL definiu como capacidade máxima desejável uma creche destinada a 66 crianças e para o Jardim de Infância (incluindo animação de tempos livres ATL’s), 75.

A Creche incluirá, naturalmente, um berçário.

O Lar e Centro de Dia destina-se a 40 utentes, duas valências de 20 idosos cada.

É pretensão dos responsáveis implementar um conjunto de serviços de carácter global e integrados.

Com a implementação deste projecto a DUAL considera prioritários os seguintes serviços:

 Alimentação completa para os idosos em regime de Lar (suplemento matinal, almoço, lanche e, se pedido, jantar) e dois refeições para as restantes valências;

 Papas, leites e serviço de copa de leite nos berçários;

 Fornecimento de produtos de higiene pessoal (toalhetes, fraldas, soro fisiológico, etc.);

 Fardas (batas, etc.);

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 8

 Material Didáctico;

 Material Lúdico;

 Serviço de Enfermagem;

 Serviço de Psicomotricidade;

 Serviço de Médicos;

 Serviço de Acompanhamento Psicológico;

 Serviço de Fisioterapia

 Professor de Música;

 Professor de Pintura e escultura;

 Professor de Iniciação ao Inglês;

 Professor de Iniciação à Informática;

 Professor de Educação Física;

 Outros, que sejam considerados relevantes

Este conceito de uma instituição concentrar as quatro valências encontra-se já bem implementado em vários países.

Este projecto foi concebido de forma a corresponder às necessidades existentes no mercado.

Como tal, o investimento foi definido de acordo com as infra-estruturas, meios materiais e humanos necessários ao arranque e desenvolvimento das actividades.

Trata-se de uma Instituição que vai avançar para a construção de um equipamento social de raiz com várias valências, e que será, seguramente, um dos grandes equipamentos na primeira linha das respostas sociais na Província de Luanda.

3.2.4 Localização

O edifício será desenhado e construído de acordo com a regulamentação e necessidades específicas do projecto.

As instalações onde funcionará o projecto serão construídas de raiz, num lote de terreno situado em Luanda Sul – Projecto Nova Vida, Município de Kilamba Kiaxi, em Luanda.

Os acessos às instalações serão através de um sistema de cartões. Os cartões serão atribuídos, de acordo com o regulamento Interno da Creche e Jardim de Infância e do regulamento interno do Lar e Centro de Dia, aos familiares das crianças e idosos e articulado com os serviços responsáveis da DUAL.

Desta forma será salvaguardada a segurança das crianças e idosos e o controle de acesso e circulação dentro do projecto. Este sistema é informatizado.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 9

É seguro afirmar-se que as infra-estruturas serão as adequadas ao bom funcionamento das várias valências pretendidas.

O equipamento é constituído por três blocos distintos, sendo que o Bloco A se destina à Creche e Jardim de Infância, o Bloco B concebido para o Lar e Centro de Dia, e o Bloco C aos Serviços Comuns, que integram a entrada com respectivo átrio de distribuição a zona administrativa e de direcção, consultório médico, instalações sanitárias, zona destinada ao pessoal, copa, arrecadações, refeitórios, etc., e, a um possível Apoio Domiciliário.

Os Blocos rodeiam uma área central, ajardinada onde se realizarão muitas das actividades. Existe, dentro do projecto, um parque de estacionamento.

A circulação de viaturas ligeiras e de autocarros faz-se sem qualquer tipo de dificuldade.

3.3. OBJECTIVOS

Os principais objectivos do projecto são:

Contribuir para a resolução das lacunas existentes entre os habitantes de Luanda que encontram dificuldades em colocar os seus filhos e parentes em locais onde tenham o apoio que merecem.

O projecto a desenvolver tem por base, fomentar a interacção entre as duas gerações, proporcionar a troca de saberes e de experiências, favorecer a auto-estima, promover a imaginação; despertar a criatividade das crianças, incentivar à tolerância e à cooperação entre as crianças e os idosos e instigar “cultura”, sobretudo aos jovens.

Como metodologia de intervenção privilegia-se a participação, procurando-se que todas as actividades a realizar sejam sugeridas tanto pelas crianças como pelos idosos, de forma a serem eles próprios a decidirem nas que querem participar.

Segundo Ander-Egg (1999), “a participação é um aspecto fundamental da animação e, ao exercer uma intencionalidade de gerar processos de participação como também de promoção da responsabilidade colectiva, a animação sociocultural torna-se num instrumento de criação de poder popular. Isto porque a actuação da animação enquanto prática participativa, incide sobre experiências conjuntas, no aproveitamento das potencialidades de cada indivíduo e na integração das experiências, conhecimentos e habilidades de cada um dos indivíduos”.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 10

Desenvolver projectos dinâmicos e inovadores com especial relevância para projectos das seguintes áreas:

 Social;

 Educacional;

 Psicológica;

 Saúde;

 Cultural;

 Desportiva;

 Etc.

3.3.1 Objectivos da Empresa relativas às valências de Lar e Centro de Dia

 Despertar o gosto pela vida – favorecendo a auto-confiança valorizando a experiência de vida como fonte de conhecimento para os mais novos;

 Manter/desenvolver as capacidades ainda existentes – promovendo a imaginação e valorizando os conhecimentos e potenciais de cada um;

 Estimular a capacidade participativa ainda existentes – proporcionando a troca de experiências;

 Enquadrar o idoso num programa com várias actividades de foro recreativo, cultural, espiritual, e desportivo, permitindo um estimulo constante às suas capacidades físicas, sócias e psicológicas – utilizando o contacto com as crianças como forma de conhecer gestos, expectativas e interesses dos mais novos;

 Promover a auto-estima e valorização pessoal – favorecendo a auto-estima;

 Promover e desenvolver as capacidades de interacção social – Incentivando à tolerância e à cooperação entre as crianças e os idosos;

 Fazer com que o idoso se sinta útil – Proporcionando a troca de saberes e experiências;

 Oferecer aos idosos, um espaço de vida socialmente organizado e adaptado às suas idades, para que possam viver de acordo com a sua personalidade e a sua relação social – Promovendo a imaginação, incentivando a tolerância e a cooperação entre as crianças e os idosos.

3.3.2 Objectivos da empresa relativas às valências de Creche e Jardim de Infância

 Promover relações de interacção de acordo com as necessidades primárias das crianças – Proporcionando a troca de saberes e de experiências;

 Promover o desenvolvimento de situações ricas em afecto, que ajudem a criança a desenvolver sentimentos de segurança, estabilidade e regularidade – Utilizando o contacto com os idosos como forma de conhecer gestos, expectativas e interesses dos mais velhos;

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 11

 Desenvolver formas de acolhimento dos pais das crianças que permitam a construção de sentimentos de confiança, compreensão mútua das lógicas educativas, utilizadas por pais e educadores – Favorecer a auto-confiança;

 Ajudar a criança a utilizar as suas crescentes capacidades psico-motoras, cognitivas e psico-sociais, para descobrir, alcançar e explorar o mundo que a rodeia – Proporcionar a troca de saberes e de experiências com os idosos;

 Ajudar a construção de normas individuais e sociais necessárias ao desenvolvimento de comportamentos equilibrados – Incentivar a tolerância e a cooperação entre as crianças e os idosos;

 Possibilitar actividades de planificação de desenvolvimento de projectos e ideias – Diversificar as actividades de ocupação de tempos livres;

 Incentivar situações de interacção individual e em grupo, que permitam a discussão de pontos de vista e a maleabilização de opiniões e conceitos – Incentivar a tolerância e a cooperação entre as crianças e os idosos.

Tendo por base os autores Limón e Crespo, que afirmam que “actualmente se reconece que la convivência intergeneracional es buena y necessária para desarrolar sociedades que promueven la integracion y el bienestar de us miembros”, podemos afirmar que com o projecto “DUAL”, vamos procurar que através das vivências transmitidas pelas crianças, os idosos se mantenham actualizados acerca do que se passa na comunidade em que estão inseridos.

Bostrum (2001) refere-se à intergeracionalidade como sendo o “tempo realmente importante que junta as pessoas de várias idades, onde estas partilham experiências já vividas” Por sua vez, Silva (1078) refere que a cultura faz parte da nossa sociedade e engloba todo um conjunto de costumes, crenças e vivências de um povo. Ora neste projecto procura-se juntar duas gerações com idades diferentes e, num primeiro momento, que os idosos transmitam às crianças a sua cultura ou seja, algumas músicas e histórias ligadas ao seu quotidiano quando trabalhavam, através da transmissão oral.

4. PROJECTO DE INVESTIMENTO

4.1. ANÁLISE DO SECTOR

Neste ponto apresentamos um breve historial estatístico que nos mostra a natalidade a nível nacional e a nível da Província de Luanda, relativos a dados da CIA World FACTBOOK – Actualizado em Novembro de 2005 e da Monografia de Angola, Governo de Angola, Ministério do Planeamento e ainda do PNUD (2005).

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 12

4.1.1. Âmbito Nacional

De acordo com estimativas disponíveis de Julho de 2005, há a indicação de que a população angolana é de 11,190,786 indivíduos. Dados de Julho de 2005.

A população é maioritariamente jovem, visto que os indivíduos até aos 14 anos de idade correspondem em média a 43.4% (2,454,209 sexo masculino/2,407,083 sexo feminino) da população total. A população activa dos 15 aos 64 anos situa-se nos 53.7% (3,059,339 sexo masculino/2,955,060 sexo feminino) da população total. A esperança de vida dos Angolanos está em média nos 38,43 anos, sendo 37.28 anos para o sexo masculino e 39.64 anos para o feminino.

A província mais populosa é a de Luanda como resultado do processo de deslocação das populações, que surgiu a seguir à independência nacional, do Huambo, do Bié, de Malange e do Uíge. Existe uma tendência para que as províncias do interior percam população, enquanto as de Luanda e Benguela aumentam a população.

População: 11.190.786 (estimativa de Julho 2005)

Crescimento Populacional: 1,9% (estimativa de Julho de 2005)

Estrutura de Idades:

0-14 anos - 43.4% (2,454,209 sexo masculino/2,407,083 sexo feminino) 15-64 anos - 53.7% (3,059,339 sexo masculino/2,955,060 sexo feminino) Mais de 65 anos: 2.8% (139,961 sexo masculino/175,134 sexo feminino)

(estimativa de 2005)

Idades HOMENS MULHERES

0-14

2.454.209,00

2.407.083,00

15-64

3.059.339,00

2.955.060,00

>65

139.961,00

175.134,00

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 13

Média de idades:

Total: 18,12 anos

Sexo masculino; 18,12 anos;

Sexo feminino: 18,11 anos

(estimativa de 2005)

Taxa de Natalidade: 44.64 nascimentos/1,000 habitantes (estimativa de 2005) Taxa de Mortalidade: 25.9 mortes/1,000 habitantes (estimativa de 2005)

Taxa de Mortalidade Infantil:

Total: 191,19 mortes/1.000 nascimentos

Sexo masculino: 203.68 mortes/1.000 nascimentos

Sexo feminino: 178.07 mortes/1.000 nascimentos

(estimativa 2005)

Esperança de Vida:

População Total: 38.43 anos

Sexo masculino: 37.28 anos

Sexo feminino: 39.64 anos

(estimativa de 2005)

0

10

20

30

0-14

15-64

>65

%

Escalões etários

Estrutura Etária

(estimativa de 2005)

% H

% M

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 14

Taxa de fertilidade: 6.27 crianças por mulher (Estimativa de 2005)

4.1.2. Âmbito da Província de Luanda

Luanda é a maior e a mais densamente habitada cidade de Angola. Inicialmente projectada para uma população a rondar nos 500 mil habitantes, é hoje uma cidade sobre-habitada. Segundo os últimos estudos, vivem actualmente em Luanda mais de 5 milhões de habitantes (estimativa da ONU em 2004).

Ano População

1960

189.500

1964

224.540

1970

475.328

1974

600.000

1983

898.000

1987

1.136.000

1991

2.000.000

1995

2.080.000

2000

2.571.600

2008

2.524.459

População de Luanda (1750-2007)

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 15

4.2. ANÁLISE COMERCIAL

4.2.1. Estratégia Comercial

A estratégia comercial que o promotor pretende adoptar passa, por um lado, pela divulgação da criação destas valências, junto da população do Município de Kilamba Kiaxi, onde vai ser construído e, por outro lado, direccionado à população em geral.

O promotor pretende efectuar uma escolha criteriosa dos seus fornecedores e/ou subcontratados, usufruindo das potencialidades e sinergias possíveis, devido ao facto de se localizar num município onde está a ser construída uma cidade nova.

O promotor irá admitir uma pessoa para a coordenação da Creche e Jardim de Infância e outra para a coordenação do Lar e Centro de Dia, estando previsto que essas pessoas assumam toda a responsabilidade inerente à divulgação dos serviços a criar, actividade comercial e administrativa.

4.2.1.1 Clientes Potenciais

A DUAL considera que não haverá qualquer tipo de dificuldade na obtenção de clientes para as valências Creche e Jardim de Infância e Lar e Centro de Dia.

A DUAL irá promover a sua actividade junto da população local e junto da população circulante.

Pretende-se, com a implementação deste projecto, que o serviço a prestar apresente um rácio qualidade/preço atractivo. Os promotores consideram que não haverá dificuldades em angariar clientes devido ao factor diferenciador dos serviços previstos, nomeadamente a junção de duas gerações.

4.2.1.2 Fornecedores Potenciais

Sabendo que uma boa selecção de fornecedores é um dos factores chave de sucesso de qualquer negócio, especialmente em se tratando da criação destas actividades, o promotor pretende efectuar uma selecção criteriosa dos futuros fornecedores, de forma a garantir a qualidade dos produtos, equipamentos fornecidos e serviços prestados, e de acordo com as exigências de higiene, segurança e saúde, prazos de entrega e naturalmente a preços competitivos.

Considera-se que a maior parte das necessidades serão satisfeitas por fornecedores locais, e através dos quais poderá ser possível a negociação de bons preços.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 16

4.2.2. Concorrência

A Direcção da DUAL reconhece não ser muito preocupante a estrutura concorrencial existente na região, ao nível dos serviços, uma vez que o número de potenciais utentes é bastante elevado.

Apesar do número de creches existentes no Município, este continua a ter um número abaixo das reais necessidades do Município de Kilamba Kiaxi e da Província de Luanda. No que concerne ao Lar e Centro de Dia maiores são as necessidades.

4.3. Estrutura Organizacional e de Gestão

4.3.1 Estrutura Organizacional

A DUAL irá iniciar a sua actividade com uma estrutura leve e flexível.

Desta forma, definiu-se que a estrutura organizacional inicial deverá ser a seguinte: CATEGORIA PROFISSIONAL Nº

Director Geral

1

Directores Técnicos

2

Educadoras

7

Auxiliares de Acção Educativa

7

Fisioterapeuta

1

Médico Clinica Geral

1

Enfermeiros

2

Professores para as diversas actividades

4

Animador Social

1

Ajudantes de Lar

5

Administrativos

4

Responsável Contabilístico

1

Empregadas de quartos e roupas

6

Empregados de limpeza

6

Cozinheiras

2

Ajudantes de cozinha

4

Responsável de Cozinha e Stocks

2

Motoristas

4

Manutenção

2

Jardineiro

1 TOTAL 38

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 17

4.3.2 Gestão

O perfil dos Directores deverá ser o seguinte:

 Possuir licenciatura adequada ao desempenho das funções (preferencialmente na área das ciências sociais e humanas e pedagógicas) ou possuir as habilitações literárias e/ou profissionais legalmente exigidas para o desempenho do cargo, com especialização em administração escolar e educacional.  Possuir experiência na área.

O Director deverá:

 Conhecer as orientações curriculares da Educação pré-Escolar  Conhecimento sobre o desenvolvimento da 1ª infância e 3ª idade;  Capacidade de promover actividades com a comunidade;  Capacidade relacional e de comunicação;  Flexibilidade;  Capacidade de organização;  Capacidade de gestão em situações de stress;  Capacidade de liderança

Ao Director compete:

 Em geral, dirigir o estabelecimento, assumindo a responsabilidade pela programação de actividades e a coordenação e supervisão de todo o pessoal, atendendo à necessidade de estabelecer o modelo de gestão técnica adequada ao bom funcionamento do estabelecimento, e em especial:  Promover reuniões técnicas com o pessoal;  Promover reuniões com os utentes, nomeadamente para a preparação das actividades a desenvolver;  Sensibilizar o pessoal face à problemática da criança e da pessoa idosa;  Planificar e coordenar as actividades sociais, culturais, recreativas e ocupacionais das crianças e idosos.

No que concerne ao perfil do cargo de Administrativo, este deverá possuir:

 Habilitações literárias: 11º ano

Os requisitos recomendáveis são os seguintes:

 Capacidade de organização e administração;

 Capacidade de trabalhar em equipa;

 Capacidade de gestão em situações de stress

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 18

Pretende-se que o estilo de gestão seja profissional e leve, permitindo uma maior flexibilidade e sobretudo eficiência das tarefas e funções a desempenhar.

O processo de tomada de decisões deverá ser rápido, sem burocracias. Para tal, contribuirá o reduzido número de níveis de chefias, para além do facto de toda a actividade ser gerida com base no apoio de um sistema de informação fidedigno com dados fundamentais que permitirão o exercício de um controlo de gestão, on-line e eficaz.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 19

5. ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÓMICA E FINANCEIRA

5.1 PLANO GLOBAL DO INVESTIMENTO

O Plano de Investimento foi definido em função da estrutura organizativa proposta pela direcção da DUAL e de acordo com as necessidades específicas desta actividade social que é o serviço de Creche/Infantário e Jardim de Infância, do Lar e Centro de Dia.

Os valores apresentados foram estimados, em função de consultas efectuadas no mercado.

Apresenta-se a seguir o Plano Global de Investimento previsto para o arranque do projecto:

MEIOS FIXOS CORPÓREOS 7.713.000,00

Capital Fixo

1.1. Capital Fixo Corpóreo

a) Terreno

1.500.000,00

b) Infra-estruturas

250.000,00

c) Construções

Construção de raíz do edifício

5.610.000,00

d) Gerador (energia alternativa) de 240 KVA

70.000,00

e) Equipamento movel para a Creche/Jardim de Infância e Lar de Idosos

57.000,00

f) Equipamento movel para o Consultório Médico

30.000,00

g) Equipamento Administrativo e Social:

Mobiliário de escritório (secretárias, armários, cadeiras, etc.)

25.000,00

Fotocopiadoras

2.000,00

8 Computadores + 4 Impressoras

10.000,00

h) Ferramentas e utensílios

Utensilios médicos

15.000,00

i) Material de Carga e Transporte:

2 viatiuras de 18 lugares

84.000,00

1 Carrinha cx aberta

60.000,00 MEIOS FIXOS INCORPÓREOS 410.000,00

1.2. Capital Fixo incorpóreo

a) Estudos e projectos

Estudo de Viabilidade Económico -Financeiro

35.000,00

Projecto de Arquitectura

230.000,00

Fiscalização

75.000,00

b) Assistência Técnica

50.000,00

c) Outros

Software (facturação+gestão comercial, etc)

20.000,00 Total 8.123.000,00

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 20

5.1.1. Instalações

A criação desta actividade, implica necessariamente a construção do edifício.

A Creche e Jardim de Infância e o Lar de Idosos e Centro de Dia serão instalados num edifício a construir de raiz, localizado em …. Município de Kilamba Kiaxi, em Luanda.

5.1.2. Equipamentos

Apresenta-se a seguir uma Lista de Equipamentos a adquirir no decorrer do Plano Global de Investimento:

ESPAÇO FUNCIONAL

QUANTIDADE

DESCRIÇÃO

Hall de entrada

1

Sofá

2

Secretária

2

Cadeira

2

Bloco rodado

2

Armário

1

Fotocopiadora

1

Computador

Escritório

1

Impressora

1

Fax

1

Televisor

1

Leitor de DVD

1

Leitor de CD

2

Cadeira p/secretária

Sala de isolamento

1

Cama com grades + colchão

2

Mesa de reunião

8

Cadeiras fixas

2

Secretária

Sala do Director(2)

2

Bloco rodado

2

Cadeira c/rodas/secretária

2

Armário

2

Computador portátil

2

Impressora

4

Esterilizador

4

Micro-ondas

Copa

4

Frigorífico

4

Armário

2

Banho Maria

Lavandaria

4

Ferro + Tábua

2

Máquina de lavar e secar

6

Carro de limpeza

Arrumos

4

Armário arrumos limpeza

2

Máquinas de limpeza

30

Mesas

150

Cadeiras

10

Cadeira-papa

Refeitório

10

Mesa adultos

50

Cadeiras adultos

4

Carro transporte

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 21

4

Aparador

12

Armário/vestiário

Sala de Pessoal

2

Sofá

2

Mesas de reunião

14

Cadeiras

Berçários (4-12)

16

Berços + Colchões

2

Tapete actividade

12

Espreguiçadeiras

4

Sofá aleitamento

Sala Parque

4

Espelho

4

Armário brinquedos

20

Puffs

4

Prateleira roupas de muda

4

Armário produtos higiene

20

Catre e/ou colchão

2

Base transporte catre

2

Espelho

Sala actividade

2

Tapete actividade

(12-24 meses)

2

Mesa

12

Cadeiras

2

Armário brinquedos

2

Estante

30

Catre e/ou colchão

2

Base transporte catre

2

Espelho

Sala actividade

2

Tapete actividade

(24-36 meses)

3

Mesa

30

Cadeiras

2

Armário brinquedos

50

Catre e/ou colchões

2

Espelho

Sala actividade

2

Tapete actividade

(3-6 anos)

5

Mesa

50

Cadeiras

2

Armário brinquedos

1

Armário para livros

1

TV

1

Armário para áudio visuais

200

Piso amortecedor (€/m2)

2

Escorrega

Parque exterior

2

Balancé

2

Torre trepar

2

Banco

2

Casa

30

Camas

Quartos

20

Armários

20

Avac

20

TV

5.1.3. Recrutamento de Pessoal e Formação

O promotor considera que o arranque e desenvolvimento da actividade justificarão a criação de 38 postos de trabalho.

Um quadro resumo dos postos de trabalho a criar encontra-se na página 18.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 22

No que concerne às necessidades de Formação Profissional, a DUAL adopta uma política de acesso à formação dos seus técnicos, sempre que esta lacuna se verifique e se demonstre válida para a boa prestação geral da actividade da empresa.

A DUAL facilitará o acesso às necessárias acções de formação sempre que estas sejam pertinentes.

5.2. FUNDAMENTAÇÃO DO INVESTIMENTO

O Plano Global de Investimento apresentado no ponto anterior reflecte os investimentos indispensáveis ao desenvolvimento sustentado e integrado da actividade.

IMOBILIZAÇÕES CORPÓREAS

1 – Edifício

O edifício que albergará a Creche e o Jardim de Infância, o Lar de Idosos e Centro de Dia, será construído de raiz num lote em Luanda Sul - Projecto Nova Vida.

Este edifício foi desenhado de acordo com a legislação em vigor, respeitante às quatro valências e demais regulamentação respeitante aos aspectos de higiene, saúde e segurança, e também de acessibilidades.

O edifício terá a capacidade de ocupação para 66 utentes de Creche, 75 utentes de Jardim de Infância, 30 de Lar e 30 utentes de Centro de Dia.

2- Equipamento Básico

Nesta rubrica está incluído todo o equipamento móvel considerado essencial ao desenvolvimento das actividades.

O investimento previsto em equipamento móvel é o necessário ao bom funcionamento das quatro valências. O equipamento será utilizado pelo quadro de pessoas afectos e será distribuído pelos espaços físicos a construir.

A lista dos equipamentos moveis distribuídos pelas respectivas salas encontra-se no ponto 5.1.2 Equipamentos.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 23

3 – Equipamento Administrativo e Social

A – Mobiliário

 Secretárias

 Armários

 Cadeiras

 Outros

Trata-se do mobiliário necessário à instalação dos postos de trabalho previstos.

4 – Outro Equipamento Administrativo

 Hardware

 4 Computadores

 2 Impressoras

Este hardware destina-se ao apoio à gestão das actividades e ao desenvolvimento das tarefas desempenhadas pelos colaboradores da DUAL.

5 – Material de Carga e Transporte

 4 Viaturas de 18 lugares

 1 Carrinha

As quatro viaturas destinam-se à recolha e entrega das crianças e idosos. As viaturas serão adquiridas aquando do arranque das actividades.

A carrinha destina-se ao transporte das mercadorias diárias necessárias ao funcionamento das actividades.

IMOBILIZAÇÕES INCORPÓREAS

A – Estudo de Viabilidade Económico-Financeiro

O Plano Global de Investimento contempla a realização de um Estudo de Viabilidade Económica e Financeira das actividades. O presente estudo abrange a realização de um Plano de Investimento a dois anos e um Plano de Exploração de cinco anos.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 24

B – Projecto de Arquitectura

A DUAL já adjudicou a elaboração do projecto de arquitectura para a construção do edifício.

C – Fiscalização

Esta rubrica diz respeito às despesas de fiscalização da empreitada.

D – Software

A DUAL considera importante a implementação de um programa informático eficiente destinado à gestão global do negócio.

Prevê-se que este software contemple os seguintes módulos:

 Facturação

 Gestão Comercial

 Gestão de Contabilidade

5.3. CALENDARIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Prevê-se que o Investimento será iniciado em Janeiro de 2011, com a adjudicação e arranque da obra de construção do edifício.

5.4. PRESSUPOSTOS BÁSICOS

Apresenta-se a seguir os pressupostos utilizados nas Demonstrações Financeiras Previsionais, deste projecto:

Montante do Investimento

O investimento total previsto pela DUAL é o seguinte:

DESCRIÇÃO

MONTANTE (USD)

Investimento em Activo Fico Corpóreo

7.713.000,00

Investimento em Activo Fixo Incorpóreo

410.000,00

Total do Investimento em Capital Fixo

8.123.000,00

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 25

Datas e períodos de realização do projecto:

Descrição

Período

Dias de trabalho por mês

22 dias

Meses de actividade por ano

12 meses

Inicio de Investimento

Janeiro de 2011

Conclusão de Investimento

Dezembro de 2011

Inicio de exploração (mês)

Janeiro de 2012

Ano cruzeiro

2016

Nº dias úteis por ano

264

Prazos Médios utilizados

Descrição

Período

Prazo médio de stocks de matérias-primas e subsidiárias

30 dias

Prazo médio de recebimentos

30 dias

Prazo médio de pagamentos

45 dias

Amortizações

Consideramos, para efeito do cálculo das amortizações, o método das quotas constantes.

Apresenta-se a seguir os valores das amortizações do projecto.

USD

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

2020

2021

2022

415.800

415.800

415.800

405.800

405.800

359.600

359.600

359.600

359.600

359.600

Prestação de Serviços

A Prestação de Serviços à Creche e Jardim de Infância, do Lar e Centro de Dia, estão estimadas em função de dois tipos de receitas, que passamos a descrever:

A - Prestação de Serviços: Inscrições e Mensalidades;

B - Prestação de Serviços: Extra acamados

A rubrica A refere-se ao pagamento pelos pais ou encarregados de educação e pelos familiares dos idosos de um valor pela inscrição e por mês.

A rubrica B refere-se ao pagamento pelos familiares dos idosos, de um valor adicional mensal pelo serviço de extra acamado.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 26

Apresenta-se a seguir um mapa resumo dos valores da Prestação de Serviços (a preços constantes):

VALÊNCIAS

VALOR/UNIT

MÊS

0º ANO

1º ANO

2º ANO

tx de ocupação 75%

tx de ocupação

100%

CRECHE/JARDIM DE INFÂNCIA

Inscrição

1.500,00

158.625,00

211.500,00

Mensalidade

1.300,00

91.650,00

0

1.649.700,00

2.199.600,00

141

LAR DE IDOSOS

Inscrição

1.500,00

22.500,00

30.000,00

Mensalidade

1.000,00

10.000,00

0

180.000,00

240.000,00

20

Extra Acamados

200,00

700,00

0

12.600,00

16.800,00

7

CENTRO DE DIA

20

Inscrição

1.000,00

15.000,00

20.000,00

Mensalidade

1.000,00

10.000,00

0

180.000,00

240.000,00 TOTAL

112.350,00 0 2.218.425,00 2.957.900,00

Apresentamos a seguir um mapa resumo da facturação prevista, ao longo do projecto:

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

2020

2021

2022

2.218.425

2.957.900

2.957.900

2.957.900

2.957.900

2.957.900

2.957.900

2.957.900

2.957.900

2.957.900

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 27

Consumos

Na actividade, o Custo de Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas diz respeito ao consumo de géneros alimentares e produtos farmacêuticos.

Apresentamos nos quadros seguintes, a previsão desses consumos:

DESCRIÇÃO

Totais

Nº de Refeições diárias

Valores Diários

Valores Mensais

0º ANO

1º ANO

2º ANO

Géneros Alimentares

Crianças

141

2

3,00

66,00

0

6.979,50

9.306,00

Lar de Idosos

20

4

8,00

240,00

0

3.600,00

4.800,00

Centro de Dia

20

2

6,50

143,00

0

2.145,00

2.860,00 Compras

0,00 12.724,50 16.966,00

Apresentamos a seguir um mapa resumo dos consumos previstos, ao longo do projecto:

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

2020

2021

2022

12.724,50

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 28

FSE’S

O quadro que é apresentado a seguir, reflecte a distribuição esperada dos fornecimentos e serviços externos, pelas diversas rubricas:

DESCRIÇÃO

MÊS

ANO

Luz

150,00

1.800,00

Água

50,00

600,00

Combustíveis

660,00

7.920,00 Comunicações 1.500,00

18.000,00 Ferramentas e utensílios 40,00

480,00 Despesas de Representação 60,00

720,00 Seguros 500,00

6.000,00 Material de escritório 2.000,00

24.000,00 Limpeza e Higiene 800,00

9.600,00 Deslocações e estadias 1.666,67 20.000,00 Conservação e reparação 1.500,00

18.000,00 Outros 200,00

2.400,00 TOTAL CONSUMOS 9.126,67 109.520,00

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 29

Custos com Pessoal

O promotor pretende contratar, no âmbito do presente projecto de investimento, 38 pessoas. O quadro seguinte resume as condições e categorias das mesmas:

75%

100%

CATEGORIA PROFISSIONAL

SALÁRIO MÊS

SALÁRIO 1ºANO

ENC. SOCIAIS

TOTAL

SALÁRIO 2ºANO

ENC. SOCIAIS

TOTAL

Director Geral

1

5.000,00

1

70.000,00

5.600,00

75.600,00

1

70.000,00

5.600,00

75.600,00

Directores Técnicos

2

3.000,00

1

42.000,00

3.360,00

45.360,00

2

84.000,00

6.720,00

90.720,00

Educadoras

7

2.000,00

5

140.000,00

11.200,00

151.200,00

7

196.000,00

15.680,00

211.680,00

Auxiliares de Acção Educativa

7

1.300,00

5

91.000,00

7.280,00

98.280,00

7

127.400,00

10.192,00

137.592,00

Fisioterapeuta

1

2.000,00

1

28.000,00

2.240,00

30.240,00

1

28.000,00

2.240,00

30.240,00

Médico Clinica Geral

1

2.500,00

1

35.000,00

2.800,00

37.800,00

1

35.000,00

2.800,00

37.800,00

Enfermeiros

2

2.000,00

1

28.000,00

2.240,00

30.240,00

2

56.000,00

4.480,00

60.480,00

Professores para as diversas actividades

4

1.000,00

4

56.000,00

4.480,00

60.480,00

4

56.000,00

4.480,00

60.480,00

Animador Social

1

600,00

1

8.400,00

672,00

9.072,00

1

8.400,00

672,00

9.072,00

Ajudantes de Lar

5

800,00

3

33.600,00

2.688,00

36.288,00

5

56.000,00

4.480,00

60.480,00

Administrativos

4

750,00

4

42.000,00

3.360,00

45.360,00

4

42.000,00

3.360,00

45.360,00

Responsavel Contabilistico

1

2.000,00

1

28.000,00

2.240,00

30.240,00

1

28.000,00

2.240,00

30.240,00

Empregadas de quartos e roupas

6

700,00

2

19.600,00

1.568,00

21.168,00

6

58.800,00

4.704,00

63.504,00

Empregados de limpeza

6

300,00

6

25.200,00

2.016,00

27.216,00

6

25.200,00

2.016,00

27.216,00

Cozinheiras

2

1.000,00

2

28.000,00

2.240,00

30.240,00

2

28.000,00

2.240,00

30.240,00

Ajudantes de cozinha

4

800,00

2

22.400,00

1.792,00

24.192,00

4

44.800,00

3.584,00

48.384,00

Responsavel de Cozinha e Stocks

2

1.500,00

1

21.000,00

1.680,00

22.680,00

2

42.000,00

3.360,00

45.360,00

Motoristas

4

600,00

2

16.800,00

1.344,00

18.144,00

4

33.600,00

2.688,00

36.288,00

Manutenção

2

500,00

2

14.000,00

1.120,00

15.120,00

2

14.000,00

1.120,00

15.120,00

Jardineiro

1

500,00

1

7.000,00

560,00

7.560,00

1

7.000,00

560,00

7.560,00 TOTAL 38 28.850,00 756.000,00 60.480,00 784.850,00 1.040.200,00 83.216,00 1.123.416,00

Foi considerada, para efeitos de Segurança Social, a taxa aplicável de 8%. Neste sentido, os encargos previstos são:

Segurança Social

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

2020

2021

2022

60.480

83.126

83.126

83.126

83.126

83.126

83.126

83.126

83.126

83.126

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 30

Custos Financeiros

Apresenta-se a seguir as condições gerais previstas para esse financiamento:

Nº de Anos

M/A

Dívida Início

Reembolso

Dívida Fim

Juros Totais

Reembolso + Juros

Início - 0

Jan-12

8.123.000,00

-

8.123.000,00

-

-

1

Jun - 12

8.123.000,00

0

8.123.000,00

410.211,50

410.211,50

Dez- 12

8.123.000,00

0

8.123.000,00

410.211,50

410.211,50

2

Jun - 13

8.123.000,00

0

8.123.000,00

410.211,50

410.211,50

Dez - 13

8.123.000,00

0

8.123.000,00

410.211,50

410.211,50

3

Jun - 14

8.123.000,00

507.687,50

7.615.312,50

410.211,50

917.899,00

Dez - 14

7.615.312,50

507.687,50

7.107.625,00

380.941,63

888.629,13

4

Jun - 15

7.107.625,00

507.687,50

6.599.937,50

358.935,06

866.622,56

Dez - 15

6.599.937,50

507.687,50

6.092.250,00

333.296,84

840.984,34

5

Jun - 16

6.092.250,00

507.687,50

5.584.562,50

307.658,63

815.346,13

Dez- 16

5.584.562,50

507.687,50

5.076.875,00

282.020,41

789.707,91

6

Jun - 17

5.076.875,00

507.687,50

4.569.187,50

256.382,19

764.069,69

Dez - 17

4.569.187,50

507.687,50

4.061.500,00

230.743,97

738.431,47

7

Jun - 18

4.061.500,00

507.687,50

3.553.812,50

205.105,75

712.793,25

Dez - 18

3.553.812,50

507.687,50

3.046.125,00

179.467,53

687.155,03

8

Jun - 19

3.046.125,00

507.687,50

2.538.437,50

153.829,31

661.516,81

Dez- 19

2.538.437,50

507.687,50

2.030.750,00

128.191,09

635.878,59

9

Jun - 20

2.030.750,00

507.687,50

1.523.062,50

102.552,88

610.240,38

Dez - 20

1.523.062,50

507.687,50

1.015.375,00

76.914,66

584.602,16

10

Abril - 21

1.015.375,00

507.687,50

507.687,50

51.276,44

558.963,94

out - 21

507.687,50

507.687,50

-

25.638,22

533.325,72

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 31

Montante

8.123.000,00

Prazo

20 semestres

Carência

4 semestres

Taxa

10,00%

Imp. Selo

1%

Data início

Janeiro de 2012

reembolso

16 prestações semestrais constantes

5.6. CONTAS DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL

Apresenta-se a seguir as contas previsionais do projecto para o período entre 2012 e 2022.

DESCRIÇÃO

0º ANO

1º ANO

2º ANO

3º ANO

4º ANO

5º ANO

6º ANO

7º ANO

8º ANO

9º ANO

10º ANO

VAL. ACUM.

1. VENDAS

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0,00 0,00

2, PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

0

2.218.425,00

2.957.900,00

2.957.900,00

2.957.900,00

2.957.900,00

2.957.900,00

2.957.900,00

2.957.900,00

2.957.900,00

2.957.900,00 28.839.525,00 3-TOTAL DOS PROVEITOS DE EXPLORAÇÃO 0 2.218.425,00 2.957.900,00 2.957.900,00 2.957.900,00 2.957.900,00 2.957.900,00 2.957.900,00 2.957.900,00 2.957.900,00 2.957.900,00 28.839.525,00

4. CUSTO DAS MAT. PRIMAS E SUBSID. CONSUMIDAS

0

12.724,50

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00

16.966,00 165.418,50

5, FORNECIMENTO E SERVIÇOS EXTERNOS

0

109.520,00

109.520,00

109.520,00

109.520,00

109.520,00

109.520,00

109.520,00

109.520,00

109.520,00

109.520,00 1.095.200,00

5,1, Electricidade e Combustíveis

0

9.720,00

9.720,00

9.720,00

9.720,00

9.720,00

9.720,00

9.720,00

9.720,00

9.720,00

9.720,00 97.200,00

5.2. Outros Fornec.Serviços Externos

0

99.800,00

99.800,00

99.800,00

99.800,00

99.800,00

99.800,00

99.800,00

99.800,00

99.800,00

99.800,00 998.000,00

6. CUSTOS COM PESSOAL

0

784.850,00

1.123.416,00

1.123.416,00

1.123.416,00

1.123.416,00

1.123.416,00

1.123.416,00

1.123.416,00

1.123.416,00

1.123.416,00 10.895.594,00

7. AMORTIZAÇÕES DO EXERCICIO

0

415.800,00

415.800,00

415.800,00

405.800,00

405.800,00

359.600,00

359.600,00

359.600,00

359.600,00

359.600,00 3.857.000,00

7.1 Amortizações do Exercicio

0

415.800,00

415.800,00

415.800,00

405.800,00

405.800,00

359.600,00

359.600,00

359.600,00

359.600,00

359.600,00 3.857.000,00 8-TOTAL DOS CUSTOS DE EXPLORAÇÃO 0 1.322.894,50 1.665.702,00 1.665.702,00 1.655.702,00 1.655.702,00 1.609.502,00 1.609.502,00 1.609.502,00 1.609.502,00 1.609.502,00 16.013.212,50

9- RESULTADOS DE EXPLORAÇÃO

0

895.530,50

1.292.198,00

1.292.198,00

1.302.198,00

1.302.198,00

1.348.398,00

1.348.398,00

1.348.398,00

1.348.398,00

1.348.398,00 12.826.312,50 10-RESULTADOS ANTES DA FUNÇÃO FINANCEIRA 0 895.530,50 1.292.198,00 1.292.198,00 1.302.198,00 1.302.198,00 1.348.398,00 1.348.398,00 1.348.398,00 1.348.398,00 1.348.398,00 12.826.312,50 11-CUSTOS E PERDAS FINANCEIRAS 0 820.423,00 820.423,00 791.153,13 692.231,91 589.679,03 487.126,16 384.573,28 282.020,41 179.467,53 76.914,66 5.124.012,09

11,1 Juros suportados

0

820.423,00

820.423,00

791.153,13

692.231,91

589.679,03

487.126,16

384.573,28

282.020,41

179.467,53

76.914,66 5.124.012,09 12 - RESULTADOS ANTES DE IMPOSTOS 0 75.107,50 471.775,00 501.044,88 609.966,09 712.518,97 861.271,84 963.824,72 1.066.377,59 1.168.930,47 1.271.483,34 7.702.300,41

6 - IMPOSTOS (10%)

0

7.510,75

47.177,50

50.104,49

60.996,61

71.251,90

86.127,18

96.382,47

106.637,76

116.893,05

127.148,33 770.230,04 7 - RESULTADO LIQUIDO 0 67.596,75 424.597,50 450.940,39 548.969,48 641.267,07 775.144,66 867.442,25 959.739,83 1.052.037,42 1.144.335,01 6.932.070,37

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 32

5.7. BALANÇOS PREVISIONAIS DO PROJECTO

Apresenta-se a seguir os balanços previsionais da empresa para o período entre 2012 e 2022:

5.8. INDICADORES

Das projecções efectuadas obtivemos os seguintes indicadores de natureza económica e financeira, demonstrativos da situação pós-projecto, nomeadamente em ano cruzeiro:

ANO 1

ANO 2

ANO 3

ANO 4

ANO 5

ANO 6

ANO 7

ANO 8

ANO 9

ANO 10

ACTIVO

1. IMOBILIZADO BRUTO 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00 8.123.000,00

1,1. Imobilizações Incorpóreas

410.000,00

410.000,00

410.000,00

410.000,00

410.000,00

410.000,00

410.000,00

410.000,00

410.000,00

410.000,00

1,2. Imobilizações Corpóreas

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

7.713.000,00

2. AMORTIZAÇÕES ACUMULADAS -415.800,00 -831.600,00 -1.247.400,00 -1.653.200,00 -2.059.000,00 -2.418.600,00 -2.778.200,00 -3.137.800,00 -3.497.400,00 -3.857.000,00

3. EXISTÊNCIAS 1.060,38 1.413,83 1.413,83 1.413,83 1.413,83 1.413,83 1.413,83 1.413,83 1.413,83 1.413,83

3.1. Matérias Primas

1.060,38

1.413,83

1.413,83

1.413,83

1.413,83

1.413,83

1.413,83

1.413,83

1.413,83

1.413,83 4. DIVÍDAS DE TERCEIROS - CURTO PRAZO 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00

4.1 . Clientes

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00 5. DEPÓSITOS BANCÁRIOS 482.336,38 1.322.380,42 1.173.745,80 1.113.140,29 1.144.832,36 1.264.202,02 1.475.869,27 1.779.834,10 2.176.096,52 3.172.344,03 TOTAL ACTIVO 8.190.596,75 8.615.194,25 8.050.759,64 7.584.354,12 7.210.246,19 6.970.015,85 6.822.083,10 6.766.447,93 6.803.110,36 7.439.757,87

CAPITAL PRÓPRIO

6. CAPITAL

7. RESERVAS/RESULTADOS TRANSITADOS 0,00 67.596,75 492.194,25 943.134,64 1.492.104,12 2.133.371,19 2.908.515,85 3.775.958,10 4.735.697,93 5.787.735,36

8. RESULTADO LIQUIDO DO EXERCICIO 67.596,75 424.597,50 450.940,39 548.969,48 641.267,07 775.144,66 867.442,25 959.739,83 1.052.037,42 1.144.335,01 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 67.596,75 492.194,25 943.134,64 1.492.104,12 2.133.371,19 2.908.515,85 3.775.958,10 4.735.697,93 5.787.735,36 6.932.070,37

PASSIVO

9. DÍVIDAS A TERCEIROS - CURTO PRAZO

8.123.000,00

8.123.000,00

7.107.625,00

6.092.250,00

5.076.875,00

4.061.500,00

3.046.125,00

2.030.750,00

1.015.375,00

507.687,50

9.1. Dívidas a Instituições de Crédito

8.123.000,00

8.123.000,00

7.107.625,00

6.092.250,00

5.076.875,00

4.061.500,00

3.046.125,00

2.030.750,00

1.015.375,00

507.687,50

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00 TOTAL PASSIVO 8.123.000,00 8.123.000,00 7.107.625,00 6.092.250,00 5.076.875,00 4.061.500,00 3.046.125,00 2.030.750,00 1.015.375,00 507.687,50 TOT.PASS.+SIT.LIQ. 8.190.596,75 8.615.194,25 8.050.759,64 7.584.354,12 7.210.246,19 6.970.015,85 6.822.083,10 6.766.447,93 6.803.110,36 7.439.757,87

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 33

Considerandos:

Prestação de serviços

2.957.900,00

Custos Variáveis

1.140.382,00

Custos Fixos

515.320,00

%dos custos variáveis sobre a prestação de serviços

0,385537713

100%-36,8% = 63,20 para custos fixos e lucro

Receita de Equilibrio = 575,320,00/63,2%=815.379,75

INDICADORES

2016

(ano cruzeiro)

Meios Libertos Líquidos

1.047.067,07

Margem de Segurança

815.379,75

Liquidez Geral

22,58%

Autonomia Financeira

29,59%

Nível de Solvabilidade

42,02%

Remuneração dos Capitais Próprios

33,40%

Remuneração Líquida do Capital Próprio

30,06%

Remuneração dos Capitais Alheios

10,15%

Remuneração do Activo

18,06%

Da análise aos indicadores apresentados podemos concluir que os rácios, de forma geral, estão positivos, uma vez tratar-se de uma actividade social cuja rentabilidade é de esperar que seja de médio/longo prazo. Os investimentos previstos serão amortizáveis com as receitas dos utentes, num prazo alargado e nunca no curto prazo.

5.9. BREVE ANÁLISE DE SENSIBILIDADE

O projecto de investimento previsto pela DUAL apresenta os seguintes indicadores que servirão para uma breve análise de rentabilidade do investimento:

INDICADOR

VALOR

VAL (tx.:9%)

151.234,35

TIR

10%

PERÍODO DE RETORNO

5 anos e três meses

A DUAL apresenta valores para os rácios de VAL, TIR e Período de Retorno aceitáveis para o tipo de actividade prevista.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 34

6. CONCLUSÕES

 Da análise ao presente dossier podemos retirar as seguintes conclusões:

 O projecto de investimento previsto neste dossier é viável económica e financeiramente;

 Dadas as características da actividade, existem fortes investimentos iniciais;

 As receitas serão provenientes dos clientes (pais ou encarregados de educação das crianças e dos familiares dos idosos). Isto é, este tipo de projecto terá sempre uma rentabilidade a médio/longo prazo;

 Os investimentos aqui apresentados foram correctamente definidos e de acordo com as necessidades do mercado e em consonância com a legislação aplicável;

 Trata-se de um projecto que irá colmatar algumas necessidades detectadas pela própria direcção da DUAL, no seio da população do Município de Kilamba Kiaxi e da restante população da Província de Luanda;

 A localização da instituição é estratégica, criando vantagens óbvias para os potenciais clientes, residentes no Projecto Nova Vida e população vizinha;

 Os dados estatísticos demonstram claramente que a estrutura da população é muito jovem;

 Existem estudos/informações, que demonstram a utilidade e importância deste tipo de Instituição que junta as duas gerações e simultaneamente “trata” a cultura. Neste momento, única em Angola;

 O aparecimento deste tipo de investimento, que facilita a vida dos casais que têm e pretendem ter filhos e ainda que têm idosos a seu cargo, gera dinamismo económico vindo de uma população jovem, o que traduz uma mais valia para toda a sociedade;

 O promotor possui capacidade de gestão, estando previsto a admissão de uma equipa técnica qualificada para a empresa;

 O promotor possui visão e espírito empreendedor.

DUAL

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Junho/2010

Página 35

A Direcção da DUAL acredita que, em conjunto com a equipa técnica que vai recrutar, poderá prestar serviços diferenciados com qualidade e profissionalismo nesta área.

Desta forma, pode munir o Lar e Centro de Dia e a Creche e Jardim de Infância de um rácio de qualidade/preço atractivo para os utentes.