Trabalho Completo Estudo De Caso: Mcdonalds

Estudo De Caso: Mcdonalds

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Negócios

Enviado por: Luiza 13 novembro 2011

Palavras: 4256 | Páginas: 18

...

enil. Em parceria com o McDonald's, o IRM escolhe os projetos que serão beneficiados e coordena o repasse dos valores arrecadados. O McDia Feliz ocorre sempre em um sábado, dia de maior movimento nos restaurantes McDonald’s. Neste dia, todo o dinheiro obtido com a venda de sanduíches Big Mac (exceto impostos) – além de materiais promocionais, como camisetas, chaveiros, bonés etc. – é revertido para instituições participantes em cada cidade. A campanha envolve a venda do produto carro-chefe do McDonald’s, durante um dia inteiro, no qual são vendidos, em média, 30% mais sanduíches Big Mac que em um dia "normal". Para isso, a empresa aloca recursos previamente, ao longo do ano, para viabilização da campanha e do valor doado. Nos dois últimos anos, os valores alocados atingiram cerca de R$ 14 milhões. Realizado simultaneamente em todos os restaurantes McDonald’s, o McDia Feliz envolve todo o Sistema McDonald´s: funcionários, franqueados, fornecedores e clientes e tem como objetivos: contribuir para o aumento do índice de cura do câncer infanto-juvenil; despertar a atenção de toda a sociedade e sensibilizá-la para uma realidade que atinge crianças e adolescentes em todo o Brasil; captar recursos e concentrar esforços para a realização de projetos prioritários de combate ao câncer infanto-juvenil, de grande benefício social em nível local, regional e nacional.

CASO 1: McDia Feliz: 16 anos de luta contra o câncer infanto-juvenil no Brasil

McDonald’s Corporation

Descrição: O McDia Feliz é o principal evento comunitário do McDonald’s no Brasil e a maior campanha do país no combate ao câncer infanto-juvenil. O evento é coordenado pelo Instituto Ronald McDonald, que mantém um cadastro de 138 instituições de apoio no combate ao câncer infanto-juvenil. Em parceria com o McDonald's, o IRM escolhe os projetos que serão beneficiados e coordena o repasse dos valores arrecadados.

O McDia Feliz ocorre sempre em um sábado, dia de maior movimento nos restaurantes McDonald’s. Neste dia, todo o dinheiro obtido com a venda de sanduíches Big Mac (exceto impostos) – além de materiais promocionais, como camisetas, chaveiros, bonés etc. – é revertido para instituições participantes em cada cidade.

A campanha envolve a venda do produto carro-chefe do McDonald’s, durante um dia inteiro, no qual são vendidos, em média, 30% mais sanduíches Big Mac que em um dia "normal". Para isso, a empresa aloca recursos previamente, ao longo do ano, para viabilização da campanha e do valor doado. Nos dois últimos anos, os valores alocados atingiram cerca de R$ 14 milhões.

Realizado simultaneamente em todos os restaurantes McDonald’s, o McDia Feliz envolve todo o Sistema McDonald´s: funcionários, franqueados, fornecedores e clientes e tem como objetivos: contribuir para o aumento do índice de cura do câncer infanto-juvenil; despertar a atenção de toda a sociedade e sensibilizá-la para uma realidade que atinge crianças e adolescentes em todo o Brasil; captar recursos e concentrar esforços para a realização de projetos prioritários de combate ao câncer infanto-juvenil, de grande benefício social em nível local, regional e nacional.

O McDia Feliz requer aproximadamente um ano de preparativos para a sua organização. Isso significa que, imediatamente após finalizar-se o relatório com os resultados da campanha, iniciam-se os trabalhos para o ano seguinte. Para o planejamento da campanha, participam, inicialmente, 40 pessoas que compõem o Comitê do McDia Feliz. O Comitê é composto por representantes do Instituto Ronald McDonald, de instituições participantes, funcionários do McDonald’s – de diferentes departamentos –, franqueados e parceiros (agências de comunicação, propaganda e marketing e assessoria de imprensa que atendem ao McDonald’s e ao instituto e apóiam diretamente a realização da campanha). As instituições beneficiadas que participam do comitê devem representar as diferentes localidades do país. A empresa procura convidar instituições de pequeno, médio e grande porte e considera as peculiaridades de atuação na campanha, de forma a enriquecer as discussões do comitê. A reunião tem por objetivo abordar, avaliar e definir pontos relevantes do McDia Feliz. Em seguida, é elaborado o Manual de Diretrizes e Procedimentos da campanha e, por isso mesmo, é imprescindível a participação dos diversos agentes envolvidos na operação do evento.

As instituições participantes, que serão beneficiadas com os recursos da campanha, são as realizadoras da campanha em sua localidade, em parceria com os representantes do McDonald’s, sob a coordenação do Instituto Ronald McDonald.

Após a reunião do comitê, até a data da realização do evento, 700 pessoas estarão diretamente envolvidas com a campanha, contabilizando os franqueados e gerentes de restaurante (mais de 500 pessoas), os coordenadores do McDia Feliz das instituições e ainda funcionários do Instituto e do McDonald’s. Com o envolvimento dos voluntários das instituições, esse número passa a ser cada vez maior. Os voluntários atuam na venda de produtos promocionais, na venda de vales antecipados e na divulgação da campanha. No dia do evento, esse número chega a 30 mil voluntários, atuando diretamente nos restaurantes, junto aos funcionários do McDonald’s.

A campanha, criada no Canadá em 1977, vem sendo realizada anualmente no Brasil desde 1988. Até 2001, o McDia Feliz era realizado em 15 países: Argentina, Austrália, Áustria, Brasil, Canadá, EUA, Finlândia, França, Inglaterra, Irlanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia, Suíça e Uruguai. A partir de 2002, o McDonald’s reforçou o incentivo à realização da campanha em outros países onde atua, envolvendo mais de 100 nações em campanhas locais, cada um com suas características próprias.

As entidades beneficiadas pelo McDia Feliz são responsáveis pelo apoio e tratamento de crianças e adolescentes com câncer, permitindo que eles tenham acesso aos recursos da medicina para a cura ou para uma sobrevida com qualidade e sem dor.

Para se beneficiarem dos recursos do McDia Feliz, os projetos podem abranger desde a compra de lençóis, camas, medicamentos etc., até a ampliação ou mesmo a construção de um hospital. O Conselho Científico do Instituto Ronald McDonald, composto por renomados oncologistas brasileiros de vários Estados, analisa as propostas e seleciona as consideradas mais adequadas. Após o McDia Feliz, ao longo do ano, o Instituto Ronald McDonald acompanha os trabalhos das instituições beneficiadas de modo a verificar a utilização dos recursos a elas destinados.

Para participarem do McDia Feliz e se beneficiarem dos recursos da campanha, as instituições devem atender a alguns critérios. O primeiro deles é estar com o cadastro atualizado junto ao Instituto Ronald McDonald, que é o coordenador nacional do evento. A instituição deve evidenciar sua atuação em prol da criança e adolescente com câncer, além de ser uma organização sem fins lucrativos e estar constituída juridicamente ou avalizada por instituição já habilitada.

A instituição deve possuir credibilidade junto à comunidade pela lisura de suas ações e ser referendada pelos Coordenadores Regionais e Locais do McDia Feliz. Também é importante ter capacidade de assumir a coordenação local do McDia Feliz, mobilizando a comunidade para operacionalizar o evento por meio de um corpo de voluntários. Deve ter comprometimento com o esforço de venda adicional (incentivar, localmente, por meio de um esforço de mobilização voluntária, a venda de sanduíches Big Mac) e ter capacidade de prestar contas dos recursos captados sob sua responsabilidade. A instituição deve apresentar Sumário de Projeto para análise, em formulário padrão, fornecido pelo Instituto Ronald McDonald, em benefício de crianças e adolescentes portadores de câncer.

No caso de instituições médico-hospitalares, devem estar credenciadas no Ministério da Saúde/SUS e obter aprovação na avaliação de situação médico-sanitária. Todos os projetos são analisados e avaliados sob a óptica de três pontos fundamentais: benefícios social e científico, metodologia e a relação custo/benefício.

Há sempre uma instituição local (da cidade ou da região onde estão localizados os restaurantes McDonald’s) escolhida como parceira para receber a doação e atuar na execução. É ela quem assume a responsabilidade de mobilizar a sua comunidade, trabalhando lado a lado com os representantes do McDonald’s, atraindo voluntários, envolvendo autoridades e personalidades influentes, mantendo assim o caráter comunitário desta campanha. Este fator é fundamental para assegurar a credibilidade, pois muitas pessoas sentem-se desmotivadas ou desconfiadas se não conhecem a entidade que está sendo apoiada. Anualmente o McDia Feliz destina recursos para cerca de 70 instituições que beneficiam diretamente cerca de quatro mil crianças e adolescentes. As instituições, mais especificamente as casas de apoio, são responsáveis por 967 leitos, que representam cerca de 21% dos leitos oferecidos para tratamento de câncer infanto-juvenil de todo país.

Todos os materiais de divulgação e o espaço publicitário para veiculação de anúncios são doados pelos fornecedores e pelos veículos da mídia local. Empresas doam serviços (que vão desde veículos para apoio em transporte de conjuntos musicais até palco para apresentação de artistas) e produtos (camisetas, bonés, chaveiros etc., que são vendidos antecipadamente) fazendo com que as instituições recebam a doação integral e não se tenha que investir, na organização da campanha, recursos que poderiam estar sendo doados às instituições. A imprensa igualmente contribui, dedicando espaços e colaborando para mobilizar o público. Internamente, no McDonald’s, o McDia Feliz é alvo de uma campanha específica de comunicação interna, que utiliza todas as ferramentas existentes. Todos os funcionários – do presidente ao atendente de restaurante – recebem informações antes, durante e depois da campanha.

O McDia Feliz alcançou tamanha credibilidade junto à sociedade brasileira que conta com o apoio voluntário de artistas, atletas e personalidades, que gravam comerciais utilizados na divulgação prévia do evento, como forma de atrair doações. Muitos comparecem ao McDonald’s no dia do evento e ajudam a servir os clientes, atraindo assim mais público.

Entre eles destacam-se o Padrinho Nacional do McDia Feliz, que participa voluntariamente cedendo sua imagem, tempo, talento e credibilidade junto ao público e a mídia, para colaborar na luta pelo aumento de cura do câncer infanto-juvenil. Em 2000, os padrinhos foram o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e os atletas da equipe brasileira que disputou a Olimpíada de Sidney; em 2001, o cantor Leonardo; em 2002, o casal Toni Beloto e Malu Mader e, em 2003, o ator Thiago Lacerda.

Resultados / benefícios gerados

Desde 1988, o McDia Feliz já destinou mais de R$ 45 milhões às entidades que apóiam crianças e adolescentes com câncer. As doações viabilizaram, entre outras coisas, a reforma e aparelhamento de diversas instituições, compras de equipamentos, veículos e medicamentos, a implantação de unidades de transplantes de medula óssea e a construção do Instituto de Oncologia Pediátrica, em São Paulo – um hospital inteiramente voltado para crianças e adolescentes portadores de câncer.

Em 2004 foram doados R$ 6.279.526,66 a 66 entidades, como resultado da venda de 1.262.326 sanduíches Big Mac em todos os restaurantes do McDonald’s do país. Por três anos consecutivos (1997, 1998 e 1999), o McDia Feliz brasileiro foi o campeão internacional em doações entre os países que realizam o evento.

O McDia Feliz no Brasil virou referência na corporação internacional. Um grupo de representantes de vários países visitou o Brasil durante a campanha de 2002 para conhecer de perto o modelo brasileiro. Outras empresas têm feito campanhas semelhantes, doando dia ou parte do dia de vendas de determinados produtos, o que confirma seu caráter inovador e a mecânica bem-sucedida.

Em 1988, as chances de cura de uma criança ou adolescente com câncer eram de apenas 30%. Hoje, são de 70%, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Muitos fatores contribuíram para a melhora desse índice: a evolução dos medicamentos quimioterápicos, as especializações de oncologistas pediátricos, a inovação tecnológica dos equipamentos médico-hospitalares, entre outros. O primeiro McDia Feliz aconteceu em 1988 e, desde então, a campanha também tem contribuído muito para melhorar esse índice por meio dos recursos para reforma e construção de hospitais e casas de apoio, compra de equipamentos e implementação de atividades de suporte psicossocial. Além de outras ações que apóiam a melhoria do tratamento e atendimento à criança e ao adolescente com câncer.

Considerando que nos últimos dez anos houve um crescimento de aproximadamente 180% em número de instituições participantes – em 1995 havia 25 instituições e em 2002, 70 – e que essas instituições mobilizam milhares de voluntários (mais de 30 mil), a empresa acredita que a campanha tem contribuído para o aumento da percepção da problemática do câncer infanto-juvenil no Brasil. Além de todas as pessoas envolvidas com a organização da campanha, o público em geral também recebe informações sobre o câncer infanto-juvenil na ocasião da campanha. Portanto, os recursos e a popularização da causa – motivando o trabalho voluntário e o diagnóstico precoce – contribuem com a mudança do cenário.

Motivações

A cultura de responsabilidade social do McDonald’s faz parte da filosofia mundial da empresa, estabelecida por seu fundador, Ray Kroc, há mais de 50 anos. O principal foco da ação comunitária da rede é a criança, e o câncer infanto-juvenil foi eleito como causa prioritária para apoio no Brasil devido ao grande impacto da doença na sociedade brasileira.

O câncer infanto-juvenil tem o segundo maior índice de morte de crianças e adolescentes na faixa etária entre 0 e 18 anos. Anualmente, surgem 7,1 mil novos casos, dos quais apenas 4,6 mil são registrados e tratados. Os outros 2,5 mil nem sequer são diagnosticados. Porém, se diagnosticado precocemente e submetido a tratamento adequado, as chances de cura de um paciente chegam a 70%, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Aprendizagens

Uma grande dificuldade é a seleção das instituições e projetos. A solução foi contar com o apoio do Conselho Científico do Instituto Ronald McDonald, composto por renomados oncologistas brasileiros de vários Estados, que podem avaliar se os projetos indicados suprem as necessidades de tratamento de cada região. Além disso, o desenvolvimento da campanha prevê ainda o envolvimento de um representante da empresa para garantir o reconhecimento local das instituições (só um representante local pode avaliar quem seria ou não um bom parceiro).

Outra grande dificuldade é garantir o engajamento das comunidades com as instituições selecionadas. A solução foi contar com o envolvimento dos voluntários das instituições. Por isso, quando escolhidas para participar do McDia Feliz, as instituições sabem de antemão que será preciso um envolvimento total para maximizar a doação. O McDia Feliz mobiliza um impressionante número de pessoas como voluntárias em todo o país, que trabalham para mobilizar suas comunidades das mais diversas formas. Em 2003, foram mais de 30 mil voluntários.

Outro aspecto importante é o envolvimento do público interno da empresa. Os 36 mil funcionários do McDonald’s – do presidente aos mais novo contratado – além dos franqueados e fornecedores participam ativamente da campanha em todos os restaurantes. No McDia Feliz não há folga: mesmo os funcionários dos escritórios passam o dia nos restaurantes trabalhando com a equipe e com os voluntários das entidades. Muitos levam os filhos, amigos ou parentes, numa contagiante corrente de solidariedade.

Recomendações para a replicação da prática

É essencial desenvolver capilaridade junto aos fornecedores e franqueados, além de obter comprometimento dos stakeholders. É importante que o projeto seja voltado aos valores da empresa. No caso do McDonald’s é o bem-estar das crianças. O projeto precisa ser constante e contar com o envolvimento de todas as pessoas da empresa.

Processo de Aplicação dos Indicadores Ethos

Os indicadores Ethos são avaliados e discutidos nas reuniões da Célula de Responsabilidade Social, orientando as decisões estratégicas na área de RSE. O McDia Feliz ainda não foi reformulado com base nos Indicadores Ethos, mas eles já estão nos servindo como parâmetro para um redesenho da campanha.

CASO 2: Campanha McDia Feliz

McDonald´s Comércio de Alimentos LTDA

Descrição: A Campanha McDia Feliz, promovida pela rede de lanchonetes McDonald´s, dedica anualmente um dia de venda do sanduíche Big Mac (exceto impostos) para instituições que tratam ou dão assistência a crianças portadoras de câncer. Durante esse dia são divulgadas informações referentes à doença, de forma a reduzir os preconceitos, mobilizar a sociedade e estimular o diagnóstico precoce. Visa também aumentar o trabalho voluntário e angariar recursos financeiros para hospitais e instituições dedicadas ao câncer infantil.. O McDia Feliz envolve na execução da campanha todos os departamentos, escritórios regionais, gerentes-operadores dos restaurantes e franqueados do Sistema McDonald´s. Ela é anual, realizada tradicionalmente no terceiro sábado do mês de agosto, mas sua preparação exige um esforço de todos os envolvidos, durante o ano todo. A campanha é realizada totalmente em parceria com a comunidade. As instituições beneficiadas também se envolvem profundamente na organização e assumem tarefas operacionais, orientadas por um manual especialmente desenvolvido para o evento. Entre as atividades desenvolvidas por estas instituições estão a mobilização da sociedade, obtenção de apoio em produtos e serviços para a movimentação dos restaurantes e venda antecipada de tíquetes. Durante a campanha cada restaurante desenvolve sua própria agenda de eventos, com atividades que vão desde a atuação de voluntários para a promoção do evento junto aos clientes, até shows e performances para atrair o público. A comunicação interna mobiliza 36 mil funcionários, 153 franqueados e 211 fornecedores do McDonald’s Brasil, disseminando o espírito da campanha em toda a empresa, e o McDia Feliz seja percebido como um esforço coletivo e não como um evento de sua direção. A divulgação externa da campanha é voltada para que o público vá aos restaurantes McDonald’s e escolha somente o Big Mac. A empresa envolve nessa tarefa seus fornecedores habituais de assessoria de imprensa e publicidade. A assessoria de imprensa divulga os eventos de lançamento da campanha em todas as cidades. Além disso, faz um trabalho de sustentação que inclui a divulgação de informações sobre o câncer infantil. Na publicidade, o McDonald’s utiliza o apoio de parceiros para a exibição de anúncios em tv, rádio e realização de campanhas em mídia impressa e outdoors. Cada restaurante, junto com a sua equipe de voluntários e instituição beneficiada, desenvolve ações locais para envolvimento da comunidade, como, por exemplo, a realização de panfletagem e anúncios em rádios comunitárias. A fim de sustentar, manter e ampliar as ações de apoio à luta contra o câncer infantil, o McDonald’s criou o Instituto Ronald McDonald, que tem como principal função maximizar os benefícios do McDia Feliz, angariando recursos durante 365 dias por ano destinados à causa da luta contra o câncer infantil. Lançado no dia 8 de abril de 1999, Dia Mundial de Combate ao Câncer, o Instituto tem em seus conselhos a participação de vários membros das instituições beneficiadas pelo McDia Feliz. Uma de suas funções é analisar cientificamente os projetos encaminhados pelas instituições, fornecendo consultoria para a melhor destinação da verba e acompanhando a sua aplicação. Todas as entidades beneficiadas apresentam projetos ao Instituto Ronald McDonald sobre como a doação do ano será aplicada. Existem datas para se avaliar se a verba está sendo utilizada da forma compromissada. O Instituto conta em seu conselho de administração com a representação de diversas empresas parceiras do McDonald’s e sensibilizadas com a causa do câncer infantil, como a Coca-Cola e o BankBoston, que também engajaram na campanha do McDia Feliz seus funcionários, fornecedores e empresas a eles ligadas.

Resultados / benefícios gerados

Os impactos qualitativos do McDia Feliz nas comunidades ultrapassam em muito os recursos materiais da venda do Big Mac. A mobilização crescente que esta campanha vem provocando na sociedade faz com que uma cadeia de solidariedade se desenvolva, aumentando o trabalho voluntário e estimulando outras pessoas e empresas a realizarem suas doações. Do ponto de vista quantitativo, desde que foi realizada pela primeira vez, a campanha McDia Feliz já foi responsável pela doação de mais de R$ 20 milhões à causa do câncer infantil. Apenas em 2000, a doação atingiu R$ 5.600.870,81 como resultado da venda de 1.482.052 sanduíches Big Mac (exceto impostos), em 503 restaurantes da rede, mais o valor arrecadado durante ações adicionais desenvolvidas localmente, em um só dia. Os recursos foram doados a 61 entidades brasileiras dedicadas ao combate do câncer infantil. Os resultados vêm batendo recordes ano a ano. Para o ano de 2001, a previsão é de que a doação total supere a marca de R$ 6 milhões. A venda antecipada de tíquetes que valem um Big Mac é feita pelos voluntários das instituições beneficiadas, em seus círculos de amizade ou trabalho. Em 2000 representaram 25% da arrecadação total da campanha. Muitas empresas compram uma grande quantidade de tíquetes como forma de contribuição e os doam para uma instituição carente ou aos seus próprios funcionários. A avaliação do McDia Feliz é feita após cada edição da campanha. São considerados os resultados de venda, a comparação com a venda do restaurante no ano anterior e o desempenho na venda antecipada de tíquetes.

Motivações

A exemplo da atuação da empresa em outros países, também no Brasil o McDonald’s elegeu o combate ao câncer infantil e apoio aos pacientes que são portadores da doença como uma de suas prioridades dentro da filosofia de envolvimento comunitário. O projeto McDia Feliz é o principal instrumento desta atuação. O tratamento de câncer é altamente especializado e por isso, os hospitais necessitam de constantes investimentos para ampliar e aprimorar seus recursos materiais e humanos. Muitos dos hospitais são públicos ou filantrópicos o que torna fundamental o apoio da iniciativa privada. Além dos recursos financeiros, a causa do câncer infantil demanda a disseminação de informações sobre a doença, suas formas de diagnóstico precoce e a compreensão das necessidades dos pequenos pacientes e suas famílias, que não são apenas de ordem material. Igualmente importante para esta causa é o envolvimento dos voluntários, que atuam de forma decisiva no apoio aos pacientes e na administração de serviços como casas para hospedagem temporária, incluindo a Casa Ronald McDonald, um projeto criado pelo McDonald’s Internacional e que conta com uma primeira unidade no Rio Janeiro viabilizada através do McDia Feliz. Essa prática foi o instrumento escolhido pelo MC Donald s por contemplar os vários aspectos relacionados ao câncer infantil, levantando recursos, ampliando o alcance das informações, e envolvendo trabalho voluntário.

Aprendizagens

Mais do que um projeto do McDonald’s, o McDia Feliz é conceitualmente uma campanha da comunidade. Diferentemente de uma empresa que faz uma doação a uma entidade, o McDonald’s estabeleceu como filosofia o envolvimento da comunidade na campanha. Este envolvimento começa pelos que recebem a doação, e que participam ativamente do programa, passa pelos funcionários de todos os níveis hierárquicos, pelos parceiros, que também contribuem com recursos financeiros e materiais e chega até a sociedade, que no McDia Feliz vai aos restaurantes McDonald’s e escolhe um Big Mac como forma de apoio à causa. Pela natureza da campanha, existem metas objetivas e metas subjetivas. A meta objetiva é aumentar o índice de cura do câncer infantil, através do significativo aumento a cada ano do volume de recursos doados pela campanha e conscientização da sociedade. A meta subjetiva é contagiar o maior número de pessoas possíveis para o engajamento nesta causa, seja por meio de trabalho voluntário permanente, esporádico ou doação de recursos financeiros e materiais.

Recomendações para a replicação da prática

É importante estimular o envolvimento das várias camadas da população. A participação de todos os funcionários da empresa na execução da campanha é um fator determinante de sucesso. A realização de campanhas de divulgação internas e externas potencializam os resultados das ações.

O Dia Feliz

O primeiro McDia Feliz (conhecido em inglês como McHappy Day) foi realizado no Canadá em 1977, quando as vendas (deduzido os impostos) do sanduíche BIG MAC foram destinadas a instituições que cuidavam de crianças e adolescentes com câncer. Atualmente a campanha acontece em mais de 20 países, como Argentina, Austrália, Áustria, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Finlândia, França, Inglaterra, Irlanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia, Suíça e Uruguai. No Brasil, a ação foi iniciada em 1988, arrecadando mais de R$ 100 milhões em sua história. Somente em 2010, a ação arrecadou R$ 13 milhões (1,4 milhões de sanduíches Big Mac vendidos), um verdadeiro recorde no país. Toda a arrecadação foi revertida a 69 projetos de 58 instituições em todo o país. Os projetos beneficiados fazem parte da carteira de projetos 2010 do Programa Atenção Integral, iniciativa coordenada pelo Instituto Ronald McDonald que tem objetivos como dar apoio à qualificação e humanização da assistência oncológica, reduzir o abandono ao tratamento e incentivar o suporte psicossocial a crianças e adolescentes em tratamento contra o câncer e seus familiares.

- http://mundodasmarcas.blogspot.com/2006/05/mcdonalds-inveno-do-fast-food.html http://mundodasmarcas.blogspot.com/2006/05/mcdonalds-inveno-do-fast-food.html