Trabalho Completo Estudo De Caso

Estudo De Caso

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: renata.souza 15 junho 2013

Palavras: 746 | Páginas: 3

ESTUDO DE CASO: Roger Agnelli e a CRVD

Questões:

1. A privatização da CVRD foi um processo conturbado. Quais os argumentos utilizados a favor e contra a desestatização dessa organização? Pesquise informações complementares.

A Vale do Rio Doce desenvolveu um processo de gestão extremamente burocrático. Como consequência, muitas oportunidades que necessitavam de respostas imediatas eram perdidas;

• As decisões sempre foram centralizadas nas mãos dos administradores de topo;

• Interesses políticos influenciavam, onde alocação de recursos e nomeação de diretores eram influenciados pelos mesmos.

2. Dê exemplos de cada uma das habilidades gerenciais que, segundo Katz, Roger Agnelli demonstrou possuir na condição de administrador do Bradesco e da CVRD.

Habilidades Conceituais: Possuía um perfil negociador agressivo, enquanto subia na hierarquia do Bradesco ia adquirindo uma visão global da organização e percebia como se dava a interação do banco com o governo.

Habilidades Humanas: Cultivou uma rede de relacionamentos interpessoais, sabia trabalhar com as pessoas, e suas palavras erma capazes de influenciá-las.

Habilidades Técnicas: Capacidade de negociação, quando após a privatização da CVRD, encontrou uma situação que se tornava insustentável: era preciso solucionar rapidamente os impasses entre os sócios ou oportunidades de negócios seriam perdidas. Na época que trabalhava no Bradesco falava inglês fluentemente onde se destacou, conseguindo resolver vários impasses e fechar grandes negócios no exterior.

3. De que maneira as habilidades gerenciais mencionadas foram se tornando mais ou menos relevantes ao longo do percurso profissional de Roger Agnelli?

Na medida em que durante sua administração, os processos que ele utilizava foram mostrando resultados, e ele conseguiu contornar os problemas da CRVD. Entre 2001 até a metade de 2005, vendeu 12 negócios sem ligação com o setor de mineração e investiu o total arrecado na compra de 12 empresas de mineração, a fim de torná-la mais eficiente e produtiva, agilizando os seus processos.

4. Quais os principais problemas com que Agnelli se deparou após a privatização da CVRD?

Havia grandes divergências entre Steinbruch, da CSN(Companhia Siderúrgica Nacional), e os demais administradores da CRVD, quanto ao rumo estratégico. Era preciso solucionar os impasses entre os sócios, pois senão grandes oportunidades seriam perdidas.

5. Roger Agnelli já planejava o futuro da CVRD antes mesmo de assumir sua presidência. Você concorda com essa afirmação?

Sim. Pois enquanto subia na hierarquia do Bradesco, ia adquirindo uma visão global da organização e percebia como se dava a interação do banco com o governo, e com os demais agentes financeiros, e passando a presidente da Bradespar S/A – Organização que congrega as participações do Bradesco em empresas não financeiras – que foi um dos sócios que privatizaram a CRVD, Roger Agnelli, já assumia seu papel na empresa com algumas informações, buscando retirá-la dos problemas que ela enfrentava.

6. Quais os papéis que, segundo Mintzberg, Agnelli representou como administrador da CVRD? Dê exemplos de cada um deles.

Perfil empreendedor e um raro senso de oportunidade, tornando a CRVD a maior empresa privada brasileira e uma das que mais crescem. Segundo ele, “Todas as ações que resultem um crescimento do consumo de nossos produtos e permitem uma proximidade cada vez maior com o cliente estão em linha com nosso planejamento estratégico.” De acordo com ele, é vital “uma visão de longo prazo, de transparência, de conduta e de atitude.” Roger Agnelli busca a elevação da produtividade, a fim de incentivar sempre os funcionários a agilizar os processos, estimulando sempre a comunicação interna.

7. Você consideraria Roger Agnelli um típico administrador brasileiro? Que traços do sistema cultural brasileiro são evidentes em sua administração da CVRD?

Apesar de o sistema cultural brasileiro possuir fragilidades, todas as formas de administrar podem ser superadas as adversidades e tentar conseguir o desenvolvimento dos estilos de gestão que incorporem o melhor da administração, dentre eles Roger Agnelli utiliza das seguintes:

Personalismo: onde mantém uma proximidade com os funcionários, esperando deles um retorno mutuo;

Aversão ao conflito: busca solucionar problemas da melhor forma possível, sem gerar conflito para resolver as situações.

Lealdade às pessoas: buscando a valorização das necessidades do grupo em relação ás da organização.

Flexibilidade: se adapta a novas situações, buscando decisões rápidas e criativas, perante um ambiente de grandes mudanças.

8. Você acredita que a CVRD esteja preparada para enfrentar os desafios que se adivinham em seu futuro? De que forma Roger Agnelli contribui (ou não) para isso?

Sim. Pelo fato de Roger Agnelli já possuir o controle da situação e prever a certos problemas antes mesmos deles acontecerem. Tomando decisões para serem utilizadas no hoje e também no futuro. Com seu espírito decisivo e empreendedor Roger Agnelli consegue atuar em várias áreas e resolver várias situações, fornecendo planos estratégicos para solucionar os problemas.