Trabalho Completo Gestao De Pessoas

Gestao De Pessoas

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Ciências Sociais

Enviado por: Camila 17 dezembro 2011

Palavras: 12811 | Páginas: 52

...

iação da mais importante estatal brasileira, a Petrobrás, com o apelo nacionalista de que "o petróleo é nosso". Também data dos anos trinta e quarenta a criação de empresas estatais de energia elétrica.

Vejam a importância destas empresas para o desenvolvimento da economia brasileira: as empresas mineradoras fornecem matéria prima para outras indústrias que se instalaram no país. As empresas de energia propiciaram a instalação de maquinários mais modernos e as empresas de telecomunicações deram suporte de serviços de comunicação às novas empresas que surgiram.

Foi somente entre a terceira e quarta década do século XX que o Brasil começou a voltar-se para a industrialização. Com o advento da segunda guerra mundial, muitos produtos começaram a faltar no país. Então, o governo da época começou a promover um processo de substituição de importações.

De forma inteligente, o governo brasileiro optou por iniciar seu processo industrial através da criação de bens de capital, ou seja, bens que serviriam como base ou dariam sustentação para a produção de outros bens. Daí a denominação que se deu a este movimento, que ficou conhecido como a criação da indústria de base.Este evento foi importante para a economia brasileira, pois possibilitou o desenvolvimento econômico posterior, através de indústrias que passaram a utilizar as matérias primas e serviços produzidos pelas empresas criadas naquela época.

Na ausência da iniciativa privada para fomentar a economia, o governo brasileiro usou e abusou do pensamento econômico de Keynes, que defende que o Estado deve participar da atividade econômica quando a iniciativa privada não se apresentar para atender às necessidades da população.

Nesta época tivemos a criação de grandes empresas estatais, portanto controladas pelo governo, como as siderúrgicas de Volta Redonda, Vale do Rio Doce e CSN-Companhia Siderúrgica Nacional, as empresas de telecomunicações através do sistema Telebrás, onde havia a Embratel como expoente nacional e as operadoras estaduais fazendo parte do sistema geral.

Tivemos, em 1954 a criação da mais importante estatal brasileira, a Petrobrás, com o apelo nacionalista de que "o petróleo é nosso". Também data dos anos trinta e quarenta a criação de empresas estatais de energia elétrica.

Vejam a importância destas empresas para o desenvolvimento da economia brasileira: as empresas mineradoras fornecem matéria prima para outras indústrias que se instalaram no país. As empresas de energia propiciaram a instalação de maquinários mais modernos e as empresas de telecomunicações deram suporte de serviços de comunicação às novas empresas que surgiram.

Nesta nova fase da economia brasileira, embora a participação direta do estado nas empresas tenha sido quase nula, havia ainda forte influência do governo na atividade econômica.

Foi nesta época, início dos anos 60, que o governo, através de grandes gastos públicos e endividamento externo, levou o país a duas situações desastrosas para a economia: gerou inflação e aumentou a dívida externa, jogando o país na dependência dos países desenvolvidos por meio da enorme dívida contraída no exterior. Aliás, dívida com prazos não muito longos.

Questão para reflexão:

Se o governo brasileiro não tivesse implantado a indústria de base, o que teria acontecido com a indústria automobilística, que se implantou no Brasil no final da década de 50?

| |

|Apesar de o Brasil ser ainda um país em desenvolvimento, com certeza não teríamos alcançado o estágio em que estamos se não houvesse havido esta iniciativa, de |

|criação da indústria de base. |

|Na segunda metade dos anos 50, no governo JK, tivemos no Brasil um outro evento industrial importante, que foi a instalação da indústria de bens de consumo |

|duráveis. Representada pela indústria automobilística e pela indústria de eletros-domésticos, também conhecida como "linha branca", só foi possível este novo ciclo|

|industrial graças à existência da indústria de base, que permitiu fornecer materiais (aço das mineradoras) e serviços (energia elétrica e telecomunicações) para o |

|funcionamento das novas indústrias. |

|No anos 70 o Brasil teve novo ciclo de desenvolvimento, no período militar. Quando o mundo todo passava por severa crise, em pleno primeiro choque mundial do |

|petróleo, o Brasil conseguiu crescer, em 1973, 13,9 %. Esta época ficou conhecida como o período do "Milagre Econômico". O crescimento do Brasil era simplesmente |

|fantástico, sobretudo comparando-o aos demais países. |

|O governo militar tinha o propósito de fazer o país crescer a qualquer custo. O crescimento se deu através de endividamento externo, que aumentou ainda mais a já |

|alta dívida externa brasileira. Junto com o crescimento da dívida externa, veio um outro problema, que foi a inflação. Mais uma vez se repetiu o que já havia |

|acontecido no início dos anos 60. Sem poupança interna, o país foi se financiar no exterior. O elevado volume de dinheiro que entrou de fora, sem lastro produtivo |

|no país, provocou excesso de recursos contra falta de produtos e assim vimos a inflação se fortalecer ainda mais. |

|Os recursos obtidos no exterior, nesta época foram utilizados para a implementação de grandes projetos, de longo prazo de maturação e portanto não provocariam a |

|produção necessária para fazer frente ao grande volume de dinheiro posto no mercado. |

|Com empreendimentos como a Transamazônica, Projeto Jarí, Ponte Rio-Niterói e Usina Hidrelétrica de Itaipu, praticamente não tínhamos retorno produtivo direto e |

|assim a inflação tomou conta do mercado brasileiro. |

|Os problemas originados nos anos 60 e 70 se agravaram nos anos 80 e fragilizaram ainda mais a economia brasileira. O Brasil começou a década de 80 com uma redução |

|de seu PIB - Produto Interno Bruto, na casa de 4,3 % negativos. Ou seja, a economia brasileira diminuiu de tamanho em 4,3 %. Terminou a década, com o PIB do ano de|

|1990, também em 4,3 % negativos. A década de 1980 ficou conhecida como a "década perdida". |

| |

|Aprofundando conhecimentos: |

|Consulte o livro digital: Introdução à Economia, de O Sullivan, Arthur e Sheffrin, Steven e Nishijima, Marislei. Pearson. Ler da pág. 260 a partir de Medindo o |

|Produto Interno Bruto até a pág. 266. |

Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar 2

|Nesta década tivemos o início dos grandes programas econômicos, como o Plano Cruzado, implantado com grande estardalhaço e esperança, no ano de 1986. Tendo |

|malogrado em menos de um ano, já em 1987 tivemos novo plano, denominado de Plano Bresser e em 1989 outro, agora denominado de Plano Verão. Todos no mesmo governo, |

|de José Sarney, porém, cada um com um Ministro da Fazenda diferente. Era o caos na economia brasileira. Nenhum destes programas logrou algum êxito, pelo contrário,|

|a cada plano a inflação voltava ainda mais forte, tanto que em março de 1990, último mês do governo Sarney a inflação atingiu 86 % no mês.Em março de 1990, tivemos|

|a troca de governo no Brasil, com a saída de José Sarney e a posse de Fernando Collor de Mello. Nova frustração. Collor adotou um plano de contenção da inflação |

|que tinha por objetivo eliminá-la em um único golpe. Mas golpe mesmo sofreu o povo brasileiro, que incrédulo assistiu ao governo confiscar o dinheiro que as |

|pessoas e empresas possuíam em banco. Pior foi confiscar algo que até então era sagrado para o povo brasileiro, a Caderneta de Poupança. Quem tinha dinheiro neste |

|tipo de aplicação sentia-se seguro e jamais imaginaria que algum governo pudesse tomar-lhe este dinheiro. |

|Infelizmente, tanto esforço e nenhum resultado concreto. Mais uma vez a inflação retornou com força total. Até que em 1994, no governo de Itamar Franco, tendo como|

|Ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso, foi implantado o Plano Real, que conseguiu baixar a inflação e a mantê-la em níveis baixos até os dias de hoje.O |

|segredo do Plano Real foi não ter a pretensão de acabar com a inflação de uma única vez, além de ter sido um plano programado, que não foi aplicado de surpresa. |

|Foram tomadas ações com antecedência e a cada passo se comunicava o que estava acontecendo. Em agosto de 1993 foi criada uma nova moeda, o Cruzeiro Real (CR$), |

|onde se extinguiu três zeros de nosso dinheiro, já com o objetivo de ser uma moeda transitória, que daria lugar a outra moeda que viria no momento adequado para a |

|implantação do plano. |

|Em fevereiro de 1994 foi criada a URV - Unidade Real de Valor, que serviria de referência para os preços. Funcionou como um indexador de preços, estabelecendo o |

|valor dos bens e serviços, que para serem liquidados sofreriam a conversão para o Cruzeiro Real. Tivemos , então, uma situação onde a URV, apesar de ser um índice,|

|fazia o papel de uma das funções da moeda, que era a Unidade de Valor, ou seja tinha a função de expressar o valor dos bens e serviços. Restou ao Cruzeiro Real a |

|função de Instrumento de Troca, que fazia a liquidação (pagamento) dos bens e serviços expressos em URV. |

|Todos estes passos foram sendo divulgados, sem surpresas e feriados bancários, até que em 01 de julho de 1994 criou-se a moeda atual - Real (R$) - e entrou em |

|vigor o Plano Real. |

| |

|Aprofundando conhecimento: |

|Leia mais sobre o Plano Real acessando o link a seguir: |

|http://www.fazenda.gov.br/portugues/real/planreal.asp |

Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar 3

|Veja, abaixo, gráfico com a inflação anual pelo IPCA (índice oficial da inflação no Brasil): |

|[pic] |

|Observem que em 1993 houve o maior pico de inflação anual, atingindo 2.400 % no ano, começando sua queda em 1994, que se iniciou em julho deste ano (implantação do|

|Plano Real) e após isto a inflação se manteve em níveis bastante baixos. |

|A partir do Plano Real o governo começou a diminuir sua presença na economia, sendo que o último grande evento de interferência do Estado na economia se deu em |

|1995, com a aplicação do PROER e do PROES, que foram dois programas de socorro aos bancos que estavam em dificuldades, sendo o POER para os bancos privados e o |

|PROES para saneamento dos bancos públicos estaduais, com o objetivo de posteriormente privatiza-los. |

|Após 1995 e antes do momento atual em que o governo vem tomando ações de participação na economia, tivemos, em 1999 a mudança do sistema cambial brasileiro, |

|deixando de lado o Sistema de Bandas Cambias, então em vigor, para adotar o Sistema de Taxas Livres, que vigora até hoje e é um sistema que se adapta bem aos |

|moldes de uma economia mais afastada de interferência governamental. |

|A crise financeira mundial, pela qual passamos atualmente, está trazendo de volta alguns conceitos de participação do Estado na economia e tanto o Brasil, como os |

|países desenvolvidos, sempre avessos ao controle do Estado na economia estão se deixando levar pelos ventos da interferência estatal na economia, sepultando a tese|

|do estado mínimo. |

|Para saber mais: |

|Leia a segunda parte (Industrialização) do texto disponível em: |

|http://www2.uol.com.br/JC/_2000/2204/ec2204e.htm |

|Conheça um pouco mais sobre a economia brasileira. |

|Para discutir: |

|O governo brasileiro tem tido significativa presença na economia. Vivemos momentos de alavancagem do desenvolvimento e outros em que a economia esteve muito |

|debilitada. O Brasil da indústria de base, dos bens de consumo é o mesmo da inflação e dívida externa elevadas nos anos 60 e 70/80 do século passado. |

|Vamos refletir e opinar sobre a presença do governo na economia brasileira. |

Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar 4

|WEB AULA 2 |

|O BRASIL, O MERCOSUL E OS DEMAIS BLOCOS ECONÔMICOS |

|O Brasil ocupa, de longe, a melhor posição econômica na América do Sul. Apesar de outros países também representarem certa importância econômica, o Brasil mantém a|

|hegemonia na economia do continente e não é diferente com o Mercado Comum do Sul (Mercosul). |

|O Mercosul teve seu ponto de partida em março de 1991, com a assinatura do Tratado de Assunção. Foi a primeira fase na implantação do bloco econômico que visa |

|promover a união dos países sul americano. |

|Houve algumas fases no período de implantação do bloco que tinham por objetivo preparar a implantação em definitivo, onde se discutiam as metas e os critérios |

|técnicos de implantação. Em janeiro de 1995 ocorreu a efetiva implantação e o Mercosul passou funcionar com a presença de quatro países: Brasil, Argentina, Uruguai|

|e Paraguai. Em 2006 houve a entrada da Venezuela, que não está ainda formalizada, pois o congresso brasileiro ainda não votou a autorização para a sua entrada no |

|bloco. |

|O Chile, Equador, Colômbia, Peru e Bolívia assinaram acordos comerciais com o Mercosul e poderão, no futuro, fazer parte do bloco. Hoje eles são países associados |

|ao Mercosul. |

|Aprofundando Conhecimento: |

|Leia mais sobre o Mercosul site: http://ecen.com/content/eee2/oportunp.htm |

|Em 1999 os países membros do Mercosul estabeleceram um plano de uniformização das taxas de juros, índices de déficit e taxas de inflação, com o pensamento de |

|futuramente criar uma moeda única. |

|Pelo que sentimos da integração existente hoje, a idéia da moeda única não é algo que se possa ocorrer em pouco tempo. As diferenças entre os países são muito |

|grandes e muitas barreiras comerciais ainda existem, sobretudo no relacionamento entre Argentina e Brasil. E para se ter uma medida das diferenças dentro do bloco,|

|vamos ver a participação de cada país no PIB do Mercosul: |

|O Brasil detém aproximadamente 75 % do PIB do Mercosul. A Argentina, em torno de 20 %, o Uruguai representa aproximadamente 3 % e o Paraguai em torno de 2 %. |

|Os países do Mercosul, juntos, possuem uma população de mais de 300 milhões de habitantes e um PIB (Produto Interno Bruto) de aproximadamente 1 trilhão e 400 |

|milhões de Dólares. |

|Por esta amostra dá-se para ver a importância do Brasil no Mercosul, mas apesar desta força o Brasil tem uma posição cautelosa no bloco. |

|O bloco está passando por um momento crítico, devido a medidas adotadas pela Argentina, que tem estabelecido barreiras alfandegárias para produtos de origem do |

|Brasil, sobretudo nos setores automobilísticos e da linha branca, sob a alegação de que a livre entrada dos produtos brasileiros está interferindo no crescimento |

|destes setores. |

|É presente, no mundo inteiro, que as nações deverão se organizar em blocos econômicos para realizarem suas trocas internacionais. Nenhum país vive isoladamente. |

|Hoje o comércio internacional está diferente e a tendência é e negociação entre blocos e não mais os países individualmente. |

|O Mercosul é o terceiro mais importante bloco econômico, ficando atrás do Mercado Comum Europeu e do NAFTA (North American Free Trade Agreement ou Tratado |

|Norte-Americano de Livre Comércio). Neste contexto o Brasil tem importância fundamental, pois, na qualidade de principal membro do Mercosul poderá se aproveitar do|

|benefício que o bloco pode trazer. |

|O Mercosul já fez várias tentativas de acordo com a União Européia, mas até o momento não conseguiu levar a bom termo. Esta deverá ser, como dissemos |

|anteriormente, a alternativa mais viável que os países terão para fechar acordos comerciais internacionais. |

|Com o PIB que o Brasil tem, um acordo do Mercosul com outros blocos tenderá a trazer mais benefícios para o Brasil que para os outros membros do bloco. |

|A economia brasileira poderá desenvolver-se mais se o Mercosul tornar-se um bloco com entendimentos entre os parceiros. O desentendimento havido no âmbito do |

|bloco, sobretudo entre Brasil e Argentina e a fraca atuação do governo brasileiro na área externa não tem permitido que o maior PIB do bloco possa beneficiar-se |

|dos resultados acordados, visto que acordos existentes dentro do que estabelece o bloco não têm sido cumpridos. Sem acordos internos, como fazer acordos externos. |

|Este é o grande dilema do Mercosul. Para onde ir? O que fazer? |

|Esboçou-se a formação de um bloco mais abrangente, que incluiria os países das três Américas. O Brasil seria parceiro dos Estados Unidos e Canadá ao mesmo tempo em|

|que seria parceiro de Bolívia e El Salvador. Uma disparidade muito grande de economias. |

|Até hoje não deu certo ainda a criação da ALCA. Disputas entre principalmente Brasil e Estados Unidos emperraram as negociações para a formação deste bloco. |

|Possivelmente teríamos a extinção do Mercosul e do NAFTA. |

|As disputas entre Brasil e Estados Unidos, que inviabilizaram, até agora a criação da ALCA estão concentradas no interesse brasileiro de que os Estados Unidos |

|abram mão da concessão de subsídios à agricultura e o país Norte Americano não tem disposição para esta atitude. |

|Neste aspecto o Brasil está correto em sua intransigência, pois os produtores brasileiros ficariam em grande desvantagem em relação aos americanos. |

|Não se trata somente do comércio entre os dois países, onde os produtos americanos poderiam entrar no Brasil a preços mais baratos e com isto prejudicar os |

|brasileiros. Trata-se, também, do comércio com outros países, onde não teríamos condições de concorrer com o produto americano e então também perderíamos mercados |

|externos. |

| |

|[pic] |

| |

|Produtos como geladeiras, fogões, fornos micro-ondas, etc. |

Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar 6

Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar 5

|As negociações para a formação da ALCA estão paradas desde o impasse entre brasileiros e americanos, mas não é somente o Brasil que se sente prejudicado com a |

|forma com que os americanos querem entrar no bloco. Também outros países, sobretudo da América do Sul, não estão confortáveis com a modalidade, porém não possuem |

|força para influenciar nas negociações. Resta como alternativa a estes países ficarem de fora do bloco, contudo, sendo criado o bloco, para estes países é pior |

|ficar de fora do que participar dele. Um bloco econômico das Américas sem Equador é possível, mas sem o Brasil não faria muito sentido. |

|Com o impasse criado e a paralisação nas negociações para a implantação da ALCA, alguns países, como Argentina e Chile, tem procurado fazer acordos comerciais |

|bilaterais com os Estados Unidos. Isto não é bom para o Brasil, pois poderia deixá-lo isolado no continente. Cabe aos produtores brasileiros não perderem suas |

|oportunidades de negócios, tanto com os norte americanos como com os vizinhos mais próximos do continente sul americano. |

|Um dos grandes problemas nas negociações internacionais é a instabilidade causada pelas trocas de governos. Estamos presenciando uma mudança profunda de |

|comportamento dos países da América do Sul com a eleição de governantes nacionalistas que estão endurecendo o jogo principalmente com a maior economia do |

|continente. |

|É fato relevante e respeitável que o povo destes países eleja democraticamente governantes nacionalistas e que estes governantes defendam seus países. O que não |

|pode ser aceitável é o fato de estes governos tomarem atitudes ilegais, em desrespeito às normas jurídicas internacionais, simplesmente expropriando as empresas |

|originárias de outros países, como tem agido a Bolívia, o Equador e possivelmente o Paraguai possa fazer o mesmo. |

|Outro problema para o Brasil nestes casos é que o governo brasileiro age como se estivesse com a "consciência pesada" e não reage adequadamente a estas investidas |

|estrangeiras. Isto enfraq uece o país e o torna vulnerável externamente. |

|O comércio exterior é de fundamental importância para qualquer país. Como já foi dito aqui, um país não vive isoladamente, é preciso comprar bens e serviços do |

|exterior. Um país não produz tudo de que precisa. Assim, para poder comprar é necessário também vender. É preciso haver a troca e se um país impõe barreiras |

|alfandegárias para a entrada de produtos de um outro país, teremos um desequilíbrio na balança comercial que prejudica o país deficitário. Quando um país importa |

|mais que exporta ele está gerando emprego e renda no outro país em detrimento do emprego e renda de seu próprio país, além de se tornar devedor daquele país de |

|onde se está comprando. É claro que na relação comercial entre países sempre haverá um credor e um devedor, mas esta relação deve ser o mais próximo do equilíbrio |

|possível. O que normalmente ocorre é um equilíbrio no conjunto. Mas, se todos os países só pensarem em vender, haverá o caos na economia mundial. |

|Os acordos de comércio exterior, consumados em blocos econômicos, têm o Mercado Comum Europeu como o mais consolidado de todos. Nascido nos anos 50 mudou de nome |

|em 1993 e passou a chamar-se União Européia. O fato mais expressivo deste bloco é o avanço que permitiu a integração econômica unificando a moeda, gerando um Banco|

|Central Europeu e a criação de um parlamento da União Européia, criando um conceito de cidadania européia, ultrapassando as fronteiras de cada nação. Com a criação|

|do Euro, o mundo passou a ter mais uma moeda de transação internacional, embora não tenha atingido o grau de aceitação mundial que tem o Dólar Norte Americano. |

|Outro bloco de integração comercial regional importante, além dos que já mostramos, é o bloco dos Tigres Asiáticos, composto pelo Japão, China, Coréia do Sul, |

|Taiwan e outros países da Ásia. Este bloco é composto pelo país de maior população do mundo, a China, portanto o maior mercado de consumo mundial e por uma das |

|mais importantes economias do mundo desenvolvido, que é o Japão. |

|Podemos observar que o mundo está dividido basicamente em quatro mercados regionais, cobrindo as principais regiões econômicas. Temos a União Européia abrangendo o|

|velho continente, os Tigres Asiáticos contemplando a Ásia, o NAFTA, composto pelos Estados Unidos, Canadá e México, integrando a América do Norte e o Mercosul que |

|tem o objetivo de integrar os países do Continente Sul Americano, mas que por enquanto ainda não atingiu o continente. |

|Analisando os mercados regionais e a importância de cada um deles, vemos que se o Mercosul conseguir deslanchar, o Brasil terá importante papel no mercado mundial,|

|uma vez que, hegemônico no Cone Sul, uma integração do Mercosul com outros mercados, como a União Européia, por exemplo, levar-nos-ia a uma posição de destaque no |

|mercado mundial. Não obstante a atual condição brasileira no mercado mundial, o Brasil já desponta com destaque na economia mundial, sendo mostrado como importante|

|economia dentre os países em desenvolvimento. Ao lado de países de grande população, que representa um mercado em potencial, o Brasil, junto de Rússia, Índia e |

|China forma um grupo de economias emergentes que convencionou chamar de BRIC, nome formado pelas letras iniciais de cada um dos países membros. |

|Esta condição dá destaque à posição do Brasil na economia mundial, evidenciando sua hegemonia entre as economias sul americanas. Mesmo a América do Sul possuindo |

|outras importantes economias, com a Argentina e o Chile, estas são muito inferiores à economia brasileira. Conforme lista elaborada pelo FMI, com base nas |

|informações de 2007, o Brasil é a 10ª economia mundial pela medida do PIB, enquanto a Argentina é 31ª com um PIB que representa 20 % do PIB brasileiro e o Chile é |

|a 43ª economia do mundo, cujo PIB é a metade do PIB da Argentina. |

|Para saber mais: |

|Para que você possa conhecer a posição de outros países, acesse: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_PIB_nominal |

Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar 7

|[pic] |

|As condições da economia brasileira hoje são muito melhores do que há 15 anos atrás, época que vivíamos um caos econômico. |

|Economia fraca significa produção fraca. Nossas exportações eram baixíssimas, enquanto as importações eram altas, a dívida |

|externa também alta e a inflação na estratosfera. Hoje as exportações cresceram significativamente, enquanto as importações |

|estão em níveis satisfatórios e a inflação, desde a implantação do Plano Real vem mantendo níveis relativamente baixos, a |

|exceção de alguns picos verificados, porém são muito pontuais. |

|Neste momento estamos vivendo uma crise financeira mundial e o Brasil, igualmente os demais países, está sofrendo as |

|conseqüências desta crise. Caiu significativamente o comércio externo, o que representa menores exportações. Então vem o ciclo|

|normal da economia: Menores exportações à menor produção à menos emprego à menos renda à menor consumo. Para sair deste ciclo |

|é preciso promover, então, o consumo interno. É o que os países estão tentando fazer com os monstruosos volumes de dinheiro |

|colocados nos programas de ajuda financeira. Espera-se que dê resultado e os contemplados com o dinheiro não deixem o dinheiro|

|parado. |

|Questão para reflexão: |

|O dinheiro disponibilizado pelos governos do Brasil e do Mundo para combater a crise atual trarão os resultados esperados? |

| |

|Para discutir: |

|O comércio internacional é algo de extrema importância para os países, pois possibilita o crescimento econômico através da |

|importação de matérias primas que o país não produz e gera divisas através das exportações realizadas. O que resta saber é |

|como organizar este processo. Um meio muito utilizado são os acordos comerciais regionais, consubstanciados nos blocos |

|econômicos. |

|Vamos refletir sobre como devem se organizar os países para enfrentar o comércio externo. |

|Referências |

|ARAÚJO, C. R. Vieira. História do Pensamento Econômico: uma abordagem introdutória. São Paulo: Atlas, 2006. |

|CARNEIRO, Ricardo. Direito ambiental: uma abordagem econômica. Rio de Janeiro: Forense, 2001. |

|COSTA, Simone Souza Thomazi. Economia do meio ambiente: produção versus poluição. 2002. 117p. Dissertação (Mestrado em |

|Economia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002. |

|DONAIRE, Denia. Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006. |

|TROSTER, Roberto Luis; MOCHÓN, Francisco. Introdução à economia. São Paulo: Makron Books, 1999. |

|VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manoel Enriquez Fundamentos de economia. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2006. |

Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar 8