Trabalho Completo O RACISMO : O NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO – Consequências Sociais Deixadas Pela Escravidão

O RACISMO : O NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO – Consequências Sociais Deixadas Pela Escravidão

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: História

Enviado por: ciane 04 fevereiro 2013

Palavras: 901 | Páginas: 4

I - APRESENTAÇÃO DO TEMA

O trabalho a seguir busca apresentar parte da realidade racista, que enfrentamos nos dias de hoje em principal no mercado de trabalho. Historicamente, a discriminação e exploração do negro no Brasil colônia mostra-se claramente aos olhos de toda a sociedade brasileira, leigos ou estudiosos da historiografia nacional. O exemplo dessa prática, podemos citar a exploração da mulher negra àquela época, fortemente presente. Tratada como objeto de prazer, era vista pelos senhores de engenho como prova de virilidade e emancipação sexual do seu filho adolescente, objeto excêntrico de desejos. Para ela, o desejo do seu senhor representava uma forma de ascensão social.

Surge também, com a colocação do mulato para exercer funções específicas, face à escassez da mão de obra branca, incorporando-os nas casas grandes coloniais, a ideia da democracia racial brasileira. É dessa forma que ele vai integrar o mundo da casa-grande, a serviço da família branca dominante. Associou-se à tez mais clara do mulato, seu processo de mobilidade social vertical. Esta é a raiz da ideologia do branqueamento, código racial nacional por excelência, base das relações raciais brasileiras e informativas da conduta dos sujeitos. Cria-se e ganha corpo a grande violência racista brasileira: a sociedade pretende que o negro se torne branco. Busca-se, assim, a destruição da identidade do sujeito negro. Diante de grandes transformações políticas sociais e constitucionais analisaremos os fatores positivos e negativos na sociedade atual.

II – JUSTIFICATIVA

Tendo como base, a sociedade passada e presente do negro no mercado de trabalho, através de suas consequências sociais deixadas pela escravidão. Que mesmo saindo da posição de escravo e possuindo todos os direitos socias, políticos e econômicos garantidos por lei, sofre de um preconceito disfarçado, o racismo ainda é a forma mais clara de discriminação na sociedade brasileira, apesar de não admitir o brasileiro seu preconceito. "A emoção das pessoas, o sentimento inferior delas é que é racista. Quando racionalizam, elas não se reconhecem assim, não identificam em suas atitudes componentes de discriminação", analisa Alcione Araújo, escritor e dramaturgo. O brasileiro tem dificuldade em assumir o seu racismo devido ao processo de convivência cordial que distorce o conflito. Devido a isto, por estar dissimulado, hipócrita, é difícil de ser combatido.

A discriminação racial está espalhada pelo Brasil. Escola e mídia apresentam um modelo branco de valorização. O acesso aos espaços políticos, aos bens sociais, à produção do pensamento, a riqueza, tem sido determinado pela lógica escravocrata. O espaço negro é reduzido. O negro é discriminado e não é reconhecido em suas atividades.

III – DELIMITAÇÃO DO TEMA

O Racismo: O Negro no Mercado de Trabalho – Consequências Sociais Deixadas Pela Escravidão

IV – HIPOTESE

Esse trabalho pretende demonstrar que dentre as várias causas que impossibilitam o ingresso e ascensão do negro em algumas áreas do mercado de trabalho, uma das principais e menos explícitas é a existência do racismo em nossa sociedade, analisando a possibilidade de conivência por parte dos governantes brasileiros com relação à manutenção do preconceito racial, e do negro em classes inferiorizadas.

V – OBJETIVOS

5.1. GERAL

Analisar e verificar a quantidade de negros nas áreas profissionais, observando sua participação em cargos e funções diretivas e administrativas de empresas, no cenário político nacional, e no meio acadêmico como professores universitários, na cidade de Rio Branco - AC.

5.2. ESPECIFÍCOS

Mostrar as causas que dificultam o acesso e posterior ascensão do negro nestas áreas, onde o problema ocorre de maneira mais explícita;

Demonstrar, por meio de análise histórica, a tentativa de proletarização do negro na sociedade, através da sua colocação no mercado de trabalho em cargos de baixo nível social;

Coletar dados que demonstrem que o preconceito racial, ao relegar o negro a posições inferiores no mercado de trabalho, contribui para reforçar a baixa qualidade do seu nível de vida;

Pesquisar o nível de qualificação e preparo do profissional negro para o mercado de trabalho.

VI – METODOLOGIA E FONTES

Para o bom desenvolvimento da pesquisa utilizamos recursos que nos permitirão levantar dados que tratem do problema e comprovem as hipóteses acima elencadas

A metodologia empregada, a princípio, constitui-se do levantamento bibliográfico, que nos permita uma visão maior do problema, dando-nos embasamento para a pesquisa de campo.

Este projeto está consolidado na investigação baseada em alguns tipos de fontes, ora teórica, ora práticas.

As fontes jornalísticas servirão como alicerce para fundamentar a pesquisa e exemplificar os acontecimentos num tempo, num espaço e com determinados sujeitos, sendo possível perceber as divergências das relações sociais entre passado e presente.

BIBLIOGRAFIA

FLORENTINO, Manolo & GÓES, José Roberto. A paz das senzalas. Famílias

escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c. 1790 – c. 1850. Rio de Janeiro: Civ. Brasileira,

1997.

MERRICK, Thomas W. & GRAHAM, Douglas H. População e.

Desenvolvimento econômico no Brasil de 1800 até a atualidade. Rio de

Janeiro: Zahar, 1981.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos; engenhos e escravos na sociedade.

Colonial, 1550-1835. São Paulo: Cia. das Letras, 1999.

BIANCHETTI, Lucidio; FREIRE, Ida Mara (orgs.). Um Olhar Sobre a Diferença: interação, trabalho e cidadania. Campinas: Papirus, 1998

GADOTTI, Moacir. Diversidade cultural e educação para todos. Riode janeiro. Ed. Graal, 1992.

MOURA, Clovis “O Racismo como arma de dominação”. Princípios, nº34, São Paulo, Anita Garibaldi, 1994.

LEI Nº 7.716, DE 5 DE JANEIRO DE 1989. (Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou cor).