Trabalho Completo PREVALÊNCIA DE PESSOAS HIPERTENSAS QUE FREQUENTAM ACADEMIAS

PREVALÊNCIA DE PESSOAS HIPERTENSAS QUE FREQUENTAM ACADEMIAS

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: Shirleireis 09 maio 2013

Palavras: 4725 | Páginas: 19

PREVALÊNCIA DE PESSOAS HIPERTENSAS QUE FREQUENTAM ACADEMIAS

MENDONÇA, Rafaela

SANTOS, Vanessa¹

ROMAN, Everton²

rafamendoc@hotmail.com

RESUMO

Introdução: A hipertensão arterial é um risco para doença cardiovascular, e uma das causas do aumento da pressão arterial é a obesidade e o sedentarismo, portanto, buscam-se atividade física sistemática. Objetivo: avaliar a prevalência de pessoas hipertensas do sexo masculino e feminino que frequentam academias na cidade de Cascavel, oeste do estado do Paraná. Materiais e Métodos: Estudo transversal realizado no ano de 2012 em 05 academias. A população deste estudo forma todas as pessoas na faixa etária de 18 a 50 anos de idade praticantes de exercícios físicos nas academias. A amostra foi constituída por 576 pessoas (306 homens e 270 mulheres). As questões se referiram as horas de sono, efeito do exercício físico sobre a pressão arterial, se algum familiar é considerado hipertenso, e os tipos de exercícios físicos mais praticados e o bem estar sentido após a prática. Os dados foram armazenados no programa SPSS versão 15.0. Utilizou-se estatística descritiva com valores de média e desvio padrão e pela frequência das respostas obtidas. Resultados: Em relação à amostra do presente foi observado que das 576 (270 mulheres e 306 homens) pessoas avaliadas, destes 576 praticantes, 28 pessoas sendo em percentual 4,8% se declararam ser hipertensos, destes 18 homens correspondentes a 64,3% da amostra e 10 mulheres que correspondem a 35,7% da amostra. Conclusão: A prevalência de pessoas hipertensas que praticam exercícios físicos em academias de cascavel é de 4,6%. Dentre as pessoas consideradas hipertensas 39,3% relatou que a pressão arterial diminui após a prática do exercício físico.

PALAVRAS-CHAVE: Coração. Pressão arterial. Exercício físico.

1 INTRODUÇÃO

O coração é uma bomba que pulsa formada por duas câmeras, sendo um átrio e um ventrículo. Cada átrio ajuda a propelir o sangue para o interior dos ventrículos, este por sua vez fornece a força para bombear o sangue através da circulação pulmonar partindo do ventrículo direito, ou da circulação periférica partindo do ventrículo esquerdo.

O ciclo cardíaco consiste no período de relaxamento chamado diástole, onde o coração se enche de sangue, em seguida ocorre o período de contração, chamado sístole (GUYTON e HALL, 2006).

Os batimentos cardíacos resultam da contração dos átrios e dos ventrículos sendo a chamada sístole atrial e a sístole ventricular. Quando isso ocorre a pressão que o sangue exerce contra a parede das artérias é cerca de 120 mmHg (milímetros de mercúrio). Quando as cavidades cardíacas relaxam acontece a diástole e a pressão sanguínea cai a 80 mmHg (LAURENCE, 2005).

A literatura aponta que a pressão arterial tida como ótima é de 120mmhg para a sistólica e 80 mmHg para a diastólica e se considera uma hipertensão quando os níveis pressóricos estão a partir de 140mmhg para a sistólica e 90 mmHg para diastólica (V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, 2006)

A hipertensão ocorre quando os níveis da pressão arterial encontram-se acima dos valores de referência para a população em geral. A pressão alta caracteriza-se pela presença de níveis de pressão arterial elevado associado a alterações no metabolismo do organismo, nos hormônios e nas musculaturas cardíaca e vascular.

A hipertensão é considerada uma doença silenciosa, pois não apresenta sintomas. Quando estes ocorrem, são comuns a outras patologias, tais como dor de cabeça, tonturas, cansaço, enjôos, falta de ar e sangramentos nasais (V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, 2006).

O diagnóstico é feito pela aferição da pressão arterial em mais de uma oportunidade. As medidas devem ser obtidas em ambos os membros superiores e, em caso de diferença, utiliza-se sempre o braço com o maior valor de pressão para as medidas posteriores (V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, 2006).

A hipertensão arterial é um risco para doença cardiovascular, e uma das causas do aumento da pressão arterial é a obesidade e o sedentarismo, portanto, buscam-se em atividade física sistemática em academias com o objetivo de melhorar a condição cardiorrespiratória e a redução de gordura corporal.

Sendo assim, e sabendo da relevância deste estudo para o aumento do conhecimento científico, o objetivo desta pesquisa foi avaliar a prevalência de pessoas hipertensas do sexo masculino e feminino que frequentam academias na cidade de Cascavel, oeste do estado do Paraná.

2 DESENVOLVIMENTO

MATERIAIS E MÉTODOS

Trata-se de um estudo descritivo realizado de maneira transversal no ano de 2012, em cinco academias da cidade de Cascavel, oeste do estado do Paraná – região sul do Brasil. Este estudo foi realizado com praticantes de exercícios físicos dos sexos masculino e feminino que frequentavam as academias regularmente.

Para a sua realização foram consideradas como elementos pertencentes da população, todas as pessoas na faixa etária de 18 a 50 anos de ambos os sexos que estivessem devidamente matriculadas nas academias participantes da pesquisa. O agrupamento das idades foi estabelecido pela idade relatada pelo avaliado no momento da avaliação.

A população deste estudo constituiu-se de todos os praticantes devidamente matriculados nas cinco academias que fizeram parte do estudo na faixa etária entre 18 a 50 anos de idade. A amostra dos avaliados foi obtida de forma aleatória simples, totalizando 576 praticantes para a constituição do banco de dados, sendo 306 homens e 270 mulheres.

A coleta foi realizada antes da prática de exercícios físicos na academia, nos períodos da manhã, tarde e noite pelos acadêmicos do curso de Educação Física da Faculdade Assis Gurgacz, previamente capacitados para a aplicação do instrumento de avaliação. Os avaliados foram conduzidos até uma sala designada pela direção das academias para realizar a avaliação. Cada voluntário participante teve o tempo de 20 minutos para responder o questionário.

Especificamente para esta pesquisa foi avaliado se os praticantes de musculação em academias da Cidade de Cascavel se declararam hipertensão, quais os efeitos da atividade física com relação à pressão arterial, se algum familiar é hipertenso, as atividades mais praticadas pelas pessoas consideradas hipertensas, quantas horas de sono estes praticantes tinham por dia e o bem estar sentido após a prática do exercício físico.

A avaliação do nível socioeconômico foi realizada com um questionário respondido pelos pais/responsáveis, utilizando-se o Critério de Classificação Econômica do Brasil proposto pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa que avalia o nível de escolaridade do chefe da família, o número de empregados mensalistas e nove itens referentes a bens materiais.

Os dados foram armazenados no programa SPSS for Windows versão 15.0. Foi realizada a análise descritiva dos dados com cálculos de média, desvio-padrão, percentual e construção de tabelas de freqüência.

Todos os envolvidos na pesquisa foram informados quanto aos objetivos do estudo e esclarecidos quanto aos métodos utilizados por meio de um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, ficando garantido aos mesmos o direito de desistir do estudo a qualquer momento. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Assis Gurgacz – CEP/FAG sob o parecer número 211/2012.

RESULTADOS

Os dados a seguir referem-se quanto à prevalência de pessoas hipertensas que praticam exercícios físicos em academia durante a avaliação nas cinco academias da cidade de Cascavel, região oeste do estado do Paraná.

Em relação à amostra do presente foi observado que das 576 (270 mulheres e 306 homens) pessoas avaliadas, destes 576 praticantes, 28 pessoas sendo em percentual 4,8% se declararam ser hipertensos, destes 18 homens correspondentes a 64,3% da amostra e 10 mulheres que correspondem a 35,7% da amostra.

Em relação às horas de sono das pessoas consideradas hipertensas no presente estudo, observou-se que 14,3% das pessoas avaliadas relataram ter acima de 08 horas de sono diária, enquanto que 75% dos avaliados declararam ter de 06 a 08 horas de sono diária, ou seja, a maioria do presente estudo. As informações mais detalhadas podem ser observadas na tabela 1.

Tabela 1: Valores de frequência absoluta e relativa quanto às horas de sono diárias dos praticantes de exercício físico, considerados hipertensos na faixa etária de 18 a 50 anos de idade das Academias de Cascavel.

Horas de Sono Frequência (n) Percentual (%)

Até 05 horas

De 06 a 08 horas

Acima de 08 horas

Total 03

21

04

28 10,7

75,0

14,3

100,0

Quanto às informações reveladas pelas pessoas consideradas hipertensas no que se referia aos efeitos do exercício físico em relação à pressão arterial entre os praticantes constatou-se que 39,3% das pessoas descreveram que a pressão arterial diminui após a prática do exercício físico.

Foi observado também que 35,0% dos praticantes relataram que a pressão arterial tendia a manter-se estável após a prática do exercício físico. Outras informações complementares podem ser melhores visualizadas na tabela a seguir.

Tabela 2: Valores de Frequência absoluta e relativa quanto aos efeitos do exercício físico em relação com a pressão arterial (P.A).

Pressão arterial (P.A) Frequência Absoluta (n) Frequência Relativa (%)

Diminui P.A

Aumenta P.A

Estável

Não consegue opinar/ não teve percepção.

Total 11

6

10

1

28 39,3

21,4

35,0

3,6

100,0

Tratando-se dos tipos de atividade física praticadas nas academias de Cascavel, 78,6% dos praticantes de academia considerados hipertensos relataram que praticam a musculação como atividade principal.

Também se ressaltou que 14,3% dos praticantes de academia considerados hipertensos optam por apenas realizarem a caminhada como atividade principal. Maiores informações podem ser visualizadas na tabela a seguir.

Tabela 3: Valores de Frequência absoluta e relativa quanto tipos de atividade física que as pessoas consideradas hipertensas praticam.

Tipos de atividade física Frequência Absoluta (n) Frequência Relativa (%)

Musculação 22 78,6

Caminhada 4 14,3

Corrida 1 3,6

Outra 1 3,6

Total 28 100,0

No que se refere a alguém que contenha algum grau parentesco sanguíneo e que apresentam e são considerados hipertensos 78,6% dos participantes da pesquisa considerados hipertensos são frequentadores de academias de cascavel, relataram que possuem familiares considerados hipertensos. Enquanto 21,4 % dos avaliados considerados hipertensos praticantes de academia na cidade de cascavel declararam não ter nenhum grau de parentesco com pessoas consideradas hipertensas.

Tabela 4: Valores de frequência absoluta e relativa referente se alguém da família é hipertenso.

Alguém da família é Frequência Absoluta (n) Frequência Relativa (%)

Hipertenso

Sim 22 78,6

Não 06 21,4

Total 28 100,0

Referente ao sentir-se bem com a prática de exercício físico 96,4% dos praticantes de academia da cidade de Cascavel considerados hipertensos declararam sentir-se bem com a prática de exercício físico.

E apenas 3,6% dos participantes da pesquisa considerados hipertensos apontaram que a prática de exercício físico não os fazem sentir bem, ou melhor.

Tabela 5: Valores de frequência absoluta e relativa referente se o avaliado se sente bem com a prática do exercício físico.

Se sente bem com Frequência Absoluta (n) Frequência Relativa (%)

a prática do exercício

Sim 27 96,4

Não 1 3,6

Total 28 100,0

No que se refere ao nível socioeconômico dos praticantes de exercícios fiscos em academias da cidade de Cascavel participantes da pesquisa são considerados hipertensos 60,7% pertencem à classe B2, portanto, pessoas que têm plenas condições de acesso a informação.

Tabela 6: Valores de frequência absoluta e relativa referente ao nível socioeconômico dos participantes da pesquisa considerados hipertensos.

Classe Frequência Absoluta (n) Frequência Relativa (%)

B1 5 17,9

B2 17 60,7

C1 6 21,4

TOTAL 28 100,0

DISCUSSÃO

Esta pesquisa teve a clara intenção de procurar melhor interpretar e verificar a prevalência de pessoas hipertensas praticantes de atividades em academias, na cidade de Cascavel, região oeste do estado do Paraná - região sul do Brasil.

No que se referem às informações encontradas, os resultados deste estudo apontaram que apenas 4,8% da amostra se declararam hipertensos. Isso pode ter ocorrido por que a hipertensão é considerada uma doença silenciosa e em muitas pessoas a mesma pode ainda não ter sido diagnosticada. E muitas pessoas consideradas hipertensas ainda não aderem em sua totalidade à prática de exercício físico como parte do tratamento mesmo tendo total consciência da importância da realização do mesmo e/ou pode ser explicada pela media de idade dos participantes da pesquisa que foi de 28,9 e a hipertensão arterial é mais frequente em pessoas de mais idade.

Na consulta feita na literatura pelos pesquisadores não foram encontrados estudos relacionados com a prevalência de pessoas hipertensas que frequentam academias.

A maioria das pessoas consideradas hipertensas pertence ao sexo masculino (64,3%). Os achados desta pesquisa também nos revelaram que a maioria das pessoas (75,0%) tem entre 06 a 08 horas de sono diárias.

No que se referia à questão dos efeitos do exercício físico em relação à pressão arterial, 39,3% dos participantes da pesquisa considerados hipertensos declararam que a pressão arterial diminui após a prática do exercício físico sistematizado. Enquanto 35% declararam que a pressão arterial permanece estável após a prática de exercício físico.

Constatou-se que no que diz respeito aos tipos de exercícios físicos praticados pelos participantes da pesquisa considerados hipertensos há uma predominância na modalidade de musculação com 78,6% enquanto 14,3% expõem sua preferência pela caminhada.

Em referência a alguém com algum grau de parentesco sanguíneo apresentar e ser considerado hipertenso 78,6% dos participantes do estudo considerados hipertensos afirma que tem alguém da família que são considerados hipertensos.

No que se refere às pessoas participantes da pesquisa, consideradas hipertensas se sentirem bem com a prática do exercício físico, 96,4% declararam que se sentem bem após a prática do exercício físico.

Em relação à primeira informação a qual se reporta a questão da prevalência de hipertensão arterial em homens, essas informações podem ser possivelmente pelo fato de que o gênero masculino teve maior participação na coleta das informações (270 mulheres e 306 homens), pois na consulta realizada pelos pesquisadores na literatura não se constatou a prevalência de um gênero em detrimento de outro.

Na tabela 1 no que se referiam as horas de sono observou-se que 75,0% das pessoas consideradas hipertensas têm de 06 a 08 horas de sono diárias. De acordo com a literatura o sono é indispensável para manutenção de uma vida saudável (MATHIAS et al., 2006).

A literatura relata que pessoas hipertensas podem apresentar fases de apnéia durante o sono. Bastos e Borenstein (2004) ainda relatam que a insônia pode causar um aumento nos níveis pressóricos ou a hipertensão pode levar a insônia.

Contudo, não foram encontrados estudos na literatura que venham a informar que em relação a um número reduzido de horas de sono diárias isso possa vir a influenciar diretamente a alguma complicação no quadro clínico de uma pessoa considerada hipertensa.

Na tabela 2 no que diz respeito aos efeitos do exercício físico com relação à pressão arterial 39,3% da amostra relatou que a pressão arterial diminui após a prática do exercício físico. Enquanto 35% declararam que a pressão arterial permanece estável após a prática de exercício físico.

Houve um conflito entre os dados e com a literatura pela proximidade dos percentuais encontrados tendo uma diferença percentual entre a diminuição e a manutenção da pressão arterial após o exercício de apenas 4,3%. Isso pode ter ocorrido, por que o treinamento realizado pelos praticantes de exercício físico nas academias de Cascavel não esteja absolutamente adequado com o indicado pela literatura para que ocorra uma diminuição na pressão arterial em pessoas hipertensas, ou as mesmas pessoas não sabiam informar com precisão o que realmente ocorre com a pressão arterial após o exercício físico e optou por declarar que a pressão arterial se mantém estável.

A literatura relata através de estudo realizado por Monteiro et al (2007) que o exercício físico em forma de treinamento contribuiu significativamente para redução da pressão arterial principalmente a pressão arterial sistólica.

Para Pinho et al. (2010), o exercício físico juntamente com o tratamento farmacológico diminui números pressóricos e se praticados regularmente tem um controle na pressão arterial reduzindo o tratamento farmacológico podendo chegar a utilizar o exercício físico como único meio de tratamento. Portadores de hipertensão arterial podem realizar exercícios aeróbicos e anaeróbicos desde que estes sejam orientados por profissionais de Educação Física.

Um programa de exercício físico em pacientes hipertensos reduz a necessidade e a quantidade de medicamento, ajudando no controle da pressão arterial e melhora a qualidade de vida (OLIVEIRA et al, 2010) e (RONDON e BRUM, 2003).

Foi comprovado que exercícios resistidos compostos de 8 estações e constituídos de 3 séries a 50% da carga máxima podem auxiliar a redução da pressão arterial em idosas (KRINSKI et al, 2008). Além de que exercícios resistidos podem auxiliar na redução da pressão arterial ou em alguns casos dispensar o uso de medicamentos, porém, deve-se adequar a carga e o volume de trabalho do exercício e não executar manobras de valsava e nem apneia, estas são medidas importantes para a segurança durante os exercícios (DUTRA, 2009).

Sendo assim, Fonseca et al. (2007) confirmando as informações abordadas anteriormente e descrito na literatura médica relata também que a prática dos exercícios físicos em médio prazo auxilia na redução da pressão arterial.

Em referencia aos tipos de exercícios físicos praticados com predominância nas academias a tabela 3 nos apresenta detalhadamente que 78,6% dos praticantes preferem a prática da musculação como meio de exercício físico.

Não se encontra na literatura explicitamente qual o tipo de exercício físico mais praticado por pessoas consideradas hipertensas, no entanto existe uma maior indicação por parte dos profissionais da saúde para a realização de exercícios aeróbicos, pois segundo Viecili et al (2009) a caminhada de intensidade moderada realizada em dias alternados por 20 minutos proporciona quedas pressóricas significativas principalmente nas primeiras sessões.

Maior et al (2007) comprovou e destacou que em treinamento contra resistência ocorre um efeito hipotensivo a partir de 30 minutos após a realização do exercício físico para diferentes intervalos de recuperação.

No entanto, Barroso et al (2008) afirma que programas de atividades físicas supervisionadas, principalmente a associação dos exercícios aeróbicos, resistidos e de flexibilidade são seguros e podem ser utilizados na implementação do tratamento não farmacológico para pessoas consideradas hipertensas.

Na tabela 4 referente á ter alguém da família considerado hipertenso na família 78,6% dos praticantes de academia considerados hipertensos afirma ter algum grau de parentesco sanguíneo com alguma pessoa diagnosticada com hipertensão. Estando assim de acordo com a literatura, esta que destaca a hereditariedade como um dos principais fatores de risco para a hipertensão.

Em estudo realizado por Converso e Leocádio (2005) 61,1% dos indivíduos participantes da amostra sendo eles hipertensos apresentou a hereditariedade como fator de risco.

No que se refere aos antecedentes familiares para a hipertensão arterial, estudo realizado por Araújo et al (2008) identificou que 55,6% dos indivíduos da amostra considerados hipertensos declararam ter antecedentes familiares com hipertensão arterial.

Em relação aos fatores de risco para a hipertensão arterial, obteve-se resultados quanto à hereditariedade de 59,4% dos participantes da pesquisa realizada por Simionetti et al (2002) disseram haver casos de hipertensão na família.

Na tabela 05 em que se referiam ao sentir-se bem com a prática do exercício físico 96,4% dos participantes da pesquisa considerados hipertensos declararam que se sentem bem após a prática do exercício físico. Estando de acordo com os dados encontrados Ciolac e Guimarães (2004) ressaltam que assim como a terapêutica clínica cuida de manter a função dos órgãos, o exercício físico promove adaptações fisiológicas favoráveis, resultando em melhora da qualidade de vida promovendo assim um bem estar em seus praticantes.

De acordo com Krug et al (2011) em estudo realizado tendo como exercício físico a caminhada alguns dos benefícios encontrados foram aumento da disposição, manutenção da aptidão física, melhora do bem-estar e da pressão arterial.

No que se referiam ao nível socioeconômico 52,3 % dos praticantes de academia da Cidade de Cascavel participantes da pesquisa são de classe B2, tendo estes a real condição de acesso a informações referente aos benefícios e importância do exercício físico para a saúde.

Contudo, seria de grande importância à realização de novas pesquisas sobre o tema, mais especificamente para se esclarecer por que as pessoas consideradas hipertensas não aderem em sua totalidade à prática de exercícios físicos como meio de tratamento, maiores discussões sobre exercícios aeróbicos ou exercícios de força, suas intensidades e intervalos de descanso para uma maior eficácia no tratamento da hipertensão.

Durante o estudo, alguns pontos limitantes que impediram o êxito da pesquisa foram detectados. Entre eles, destacam-se a escassez de literatura, ou seja, existem poucos estudos que abordam de forma mais aprofundada e complexa sobre os efeitos do exercício físico sobre a pressão arterial em pessoas hipertensas.

Outro fator limitante também foi o tempo, pois por ser um trabalho de conclusão de curso tudo se torna muito corrido com o projeto, coletas, análises e escrever o artigo em tão pouco tempo. O número de avaliados foi relativamente pequeno em função do fato de que algumas pessoas se negaram a responder o questionário.

3 CONCLUSÕES

Por meio da atual pesquisa foi possível comprovar que a prevalência de pessoas hipertensas que praticam exercícios físicos em academias de cascavel é de 4,6%. Um número relativamente pequeno, pois se acredita que nem todas as pessoas com hipertensão aderem à prática de exercício físico em sua totalidade como meio de tratamento. Dentre as pessoas consideradas hipertensas 39,3% relatou que a pressão arterial diminui após a prática do exercício físico.

Quanto aos tipos de exercícios físicos mais praticados se destaca a preferência pela prática de musculação com 78,6% dos participantes da pesquisa praticantes de exercício físicos considerados hipertensos.

O exercício físico aeróbico e anaeróbico desde que bem orientados por profissionais qualificados vem sendo recomendado dentre outros hábitos de vida saudável como tratamento não farmacológico, podendo assim contribuir positivamente para a manutenção da saúde, e com o controle da hipertensão arterial, auxiliando, ou até mesmo substituindo o tratamento farmacológico.

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Thelma L., LOPES, Marcos, M. V. O., CAVALCANTE, T. F., GUEDES, M. G., MOREIRA, M. P., CHAVES, M. S., SILVA, V. M., Análise de indicadores de risco para hipertensão arterial em crianças e adolescentes. Rev. Esc. Inferm USP, 2008.

BARROSO, W. K. S JARDIM, Paula C, B, VITIRINO, Priscila V, BITENCOURT, Amanda, MIQUETICHUC, Flavia; imar et al; Influência da atividade física programadas na pressão arterial de idosos hipertensos sub tratamento não-farmacológico. Rev.assoc. Med. Bras, 2008.

BASTOS, Danira Schweigert e BORENSTEIN, Identificando os déficits de autocuidado de clientes hipertensos de um centro municipal de saúde. Texto & contexto enfermagem. Vol. 13 N. 1 Universidade Federal de Santa Catarina- SC, 2004.

BRASIL,V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, São Paulo, 2006.

CIOLAC, Emmanuel Gomes e GUIMARÃES, Guilherme Veiga: Exercício Físico e síndrome metabólica. Rev Bras Med Esporte -Vol. 10, Nº 4, 2004.

CONVERSO, Maria Estelita Rojas e LEOCÁDIO, Priscila Lassi Lozano de Faria: Prevalência da hipertensão arterial e análise de seus fatores de risco nos núcleos de terceira idade de presidente prudente. Rev. ciência em Extensão, v.2 n.1, 2005.

DUTRA, Milena Carrijo: O efeito do exercício resistido em relação a hipertensão arterial seus benefícios e respostas hipotensivas. Rev. Bras. De Ciências da Saúde, ano VII, nº22, 2009.

FONSECA, Walter L.M.S., FONSECA Marcilene M.A., OLIVEIRA, Ivanete R. S., MIRANDA, Denise B., PRADO JR, Pedro S: Influência do exercício leve na Pressão Arterial de uso de anti-inflamatórios não hormonais. Caderno s UniFOA ed.5, 2007.

GUYTON, Artur e HALL, John: Tratado de fisiologia médica. Elsevier editora ltda. Rio de janeiro, 2006

KRISKI, Kleverton, ELSANGEDY, Hassan M., SOARES, Isabel A., BUZZAEHERA, Cosme F, CAMPOS, Wagner, SILVA, Sérgio G. Efeitos cardiovasculares agudos do exercício resistidos em idosos hipertensos. Maringa, v.30, nº 2, p. 107-112, 2008.

KRUG, Rodrigo de R., MARCHESAN, Moane, CONCEIÇÃO, Julio Cesar R. da, MAZO, Giovana Z., ANTUNIS, Gabriel A., ROMITTI, Jamile C., Contribuições da caminhada como atividade física de lazer para idosos. Licere, Belo Horizonte, v.14, n.4, dez/2011.

LAURENCE,J. BIOLOGIA: ensino médio, volume único/J. LAURENCE.- 1 ed. – São Paulo: nova geração, 2005.

MAIOR, Alex S., ALVES JR, Celso L., FERRAZ, F. M., MENEZES, Michele, CARVALHEIRA, Sergio, SIMÃO, Roberto: Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos realizados em diferentes intervalos de recuperação. Revista da SOCERJ - jan/fev 2007.

MATHIAS, Augusto, SANCHEZ, Renata Palma, ANDRADE, Mirian Mendonça Morado. Incentivar hábitos de sono adequados: Um desafio para os educadores. São Paulo: Núcleos de ensino da UNESP, 2006.

MONTEIRO, Henrique, ROLIM, Lívia M. C., SQUINCA, Daniela A., SILVA, Fernando C., TICIANELI, Carla C. C. e AMARAL, Sandra L.: Efetividade de um programa de exercícios no condicionamento físico, perfil metabólico e pressão arterial de pacientes hipertensos. Rev Bras Med Esporte Vol. 13, Nº 2, 2007.

OLIVEIRA, Karla P. C, VIEIRA, Elizabeth L, OLIVEIRA, Juliano D, OLIVEIRA, Karinna R, LOPES, Fernado J. G, AZEVEDO, Luciene F. Exercício aeróbico no tratamento de hipertensão arterial e qualidade de vida de pacientes hipertensos do programa de saúde da família de Ipatinga. Rev. Bras. Hipertens. v.17, p. 78-86, 2010.

PINHO, Silvia T., SILVA, Roberta L., NUNEZ, Ramon C: Os benéficos do exercício físico no controle da pressão arterial de hipertensos. Anais da Semana Educa, vol. 1, 2010.

RONDON, Maria Urbana P. e BRUM, Patricia Chakur: Exercício Físico como tratamento não-farmacologico da hipertensão arterial. Rev . Bras., Hipertens. v.10, p.134-139, 2003.

SIMONETTI, Janete Pessuto, BATISTA, Ligia, CARVALHO, Lidia Raquel de: Hábitos de saúde e fatores de risco em pacientes hipertensos. Rev Latino-am Enfermagem, 2002.

VIECILI, Paulo R. N, BUNDCHEN, Daiana C, RICHTER, Cleusa M, DIPP, Tiago, LAMBERTI, Daciano B, PEREIRA, Angêla M. R, BARBOSA, Luciana C, RUBIN, Angêlica C, BARBOSA, Evanilda G, PANIGAS, Tiago F. Curva dose – resposta do exercício em hipertensos. Analise do numero de sessões para efeito hipotensos. Arq. Bras. Cardiol. v.92, p. 393 – 399, 2009.