Trabalho Completo PROJETO DE INTERVENÇÃO NO SERVIÇO SOCIAL

PROJETO DE INTERVENÇÃO NO SERVIÇO SOCIAL

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: karol20500 21 abril 2013

Palavras: 1308 | Páginas: 6

IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO

O município de Pilão Arcado/Bahia situa-se na mesorregião do Vale São- Francisco da Bahia e microrregião de Juazeiro/Bahia, pertencendo ao território do sertão do São Francisco. Está compreendida numa área de 12.123 Km², Possui uma população de 34.466 habitantes divididos da seguinte maneira, número de habitantes de 0 a 11 anos 8.677, número de habitantes de 12 a 17 anos 7.793, número de habitantes de 18 a 59 15.444 e número de habitantes acima de 60 anos 2.552. Possui um PIB de cerca de R$ 89.121,533 milhões de reais e PIB Per Capita de R$ 2.585,78 mil reais por habitante.

Conta a tradição local que a denominação está ligada a uma lenda de pescadores que encontraram um pilão, com formato de uma curva em arco, em uma das margens do rio São Francisco, e passaram a utilizá-lo para pilar o sal que salgava o peixe. Pilão Arcado originou-se de um arraial fundado, em fins do século XVII, por ordem do vice-rei D. João de Lancaster, com a finalidade de acabar com os constantes ataques dos índios mocoazes e acoroazes às fazendas de gado da região. O município, então em terras da Província de Pernambuco, foi criado em 1810, com a denominação de Vila do Pilão Arcado. Em 1824, devido as revoltas separatistas dos pernambucanos contra o Império, passou a integrar a Província de Minas Gerais.

Em 1827, juntamente com todo o Além São Francisco, passou à administração da província da Bahia. Em 1857 foi extinto como município, integrando então o território de Vila de Nossa Senhora do Remanso de Pilão Arcado. Em 1890, foi desmembrado de Remanso. A sede foi elevada à categoria de cidade em 1938. Em 1974, devido à implantação da Barragem de Sobradinho, no rio São Francisco, a sede foi transferida para local distante 62 km da sede velha. A nova cidade foi planejada e construída pelo Governo Federal, através da CHESF.

IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) é uma unidade pública estatal descentralizada da política de assistência social, responsável pela organização e oferta de serviços da proteção social básica do sistema Único de Assistência Social (SUAS) nas áreas de vulnerabilidade e risco social dos municípios. O CRAS é uma unidade de proteção social básica do SUAS, que tem por objetivo prevenir a ocorrência de situações de vulnerabilidade e riscos sociais nos territórios, por meio do desenvolvimento de vínculos familiares e comunitários, e da ampliação do acesso aos direitos de cidadania.

O CRAS executa serviços da proteção social básica, organiza e coordena a rede de serviços sócio-assistenciais locais da política de assistente social. A situação do CRAS se dá no âmbito das famílias visando à orientação e o convívio sócio-familiar, dessa forma é responsável pela oferta do programa de atenção integral as famílias-PAIF. Na proteção básica, o trabalho com as famílias tem como objetivo superar o reconhecimento de um modelo único baseado na família nuclear. Possui como objetivo: contribuir para a proteção e o enfrentamento de situações de vulnerabilidade. Promover as aquisições sociais, acolhimento, acompanhamento em serviços sócio-educativos e de convivência, encaminhamento para a rede inter-setorial aos demais serviços público local.

SUMÁRIO DA PROPOSTA

Com a crescente municipalização da política de saúde os municípios tiveram que contratar diversos profissionais para garantir a gestão local da política, ampliando gradativamente a inserção do assistente social na área de saúde bem como a mudança no processo de gestão da política de saúde, tendo na descentralização político e administrativo a principal estratégia. Nos últimos anos a saúde é o setor que mais tem contratado profissionais de Serviço Social. A lei do exercício profissional reconhece o Assistente Social como um ser prático-social dotado de liberdade, capaz de projetar seu trabalho e buscar sua implantação por meio de sua atividade.

A inserção dos profissionais do serviço social na saúde tem que, no conjunto dos processos de trabalhos, produzir serviços para a população, pelo reconhecimento social da profissão e ainda, por várias necessidades que definem a partir das condições históricas no qual a saúde pública se desenvolve no Brasil. Com a implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) a partir dos anos 90, muitas mudanças ocorreram na organização do sistema de saúde. O Trabalho pretende intervir utilizando os profissionais e instalações do CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), na área da saúde orientando as famílias referenciadas sobre as políticas públicas de saúde, sobre os principais riscos e causas das doenças regionais, como combater as mesmas, seus direitos e deveres como cidadãos.

JUSTIFICATIVA

Esta proposta de intervenção se originou diante da constatação da falta de informações que as famílias da região têm sobre seus direitos sobre a política nacional de saúde, o que afeta direta e indiretamente todos os membros e seus familiares que não tem conhecimento e não sabem como obter um direito básico como atendimentos simples e tratamento para doenças incomuns, obtenção de remédios de graça que por dever devem ser distribuídos de graça pelo governo.

OBJETIVOS

OBJETIVO GERAL

Viabilizar de uma forma mais concreta e sistematizada integrando de forma conjunta todos os serviços oferecidos pela instituição de maneira que possa orientar os usuários dos serviços prestados pelo CRAS, sobre seus direitos obtidos ao longo dos anos na política nacional da saúde, os tratamentos que são oferecidos gratuitamente pelo SUS, como obter medicamentos de forma gratuita não disponibilizados nos centros de saúde e como evitar doenças mais comuns ocorridas na região.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

• Implementar mudanças na política da instituição para que a mesma possa ofereça uma orientação maior sobre temas relacionadas a política de saúde, melhorando assim os serviços oferecidos pela instituição;

• Compreender as carências na área da saúde das famílias referenciadas pelo CRAS e assim elaborar conteúdos voltados para minimizar esta carência.

METAS

Reduzir de forma gradual em longo prazo a falta de informações das famílias referenciadas pelo CRAS sobre a política da saúde, orientar as mesmas sobre seus direitos e deveres para que possam obter benefícios que irão auxiliar e amenizar os problemas relacionados à saúde das mesmas.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

O projeto de intervenção tem um perfil psicoeducativo e é dirigido aos membros das famílias com problemas de saúde e falta de informações de como obter tratamento e medicamentos pelo SUS ou em risco, com um caráter fundamentalmente orientador e preventivo que para isso visa:

• Realizar palestras educativas visando orientar as famílias referenciadas ao CRAS sobre os direitos que possuem na área da saúde pública;

• Orientar e mostrar as causas das principais doenças ocorridas na região através de cartazes e folhetos e como obter tratamento e medicação através do sistema público de saúde (SUS);

• Atender e instruir todos os participantes dos programas realizados pela instituição sobre a política nacional de saúde, seus benefícios e deveres e encaminhar o usuário caso haja necessidade para o mesmo obter benefícios e tratamento de doenças.

RECURSOS HUMANOS

Função Remuneração (R$) Período Sub-Total (R$)

Assistente Social 2.500,00 6 Meses R$ 15.000,00

Coordenador Técnico 700,00 6 Meses R$ 4.200,00

Psicólogo 2.200,00 6 Meses R$ 13.200,00

TOTAL R$ 32.400,00

RESURSOS MATERIAIS

Item Quantidade Valor Unitário Sub-Total (R$)

Cartolina 100 R$ 0,50 R$ 50,00

Folhetos 1500 R$ 0,45 R$ 675,00

Tintas Variadas 20 R$ 3,50 R$ 70,00

TOTAL R$ 795,00

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Avaliar de forma permanente através de pesquisas com os usuários se os objetivos propostos e a metodologia utilizada estão obtendo resultados satisfatórios, se há por parte dos usuários interesse real para obter os conhecimentos sugeridos através do projeto, se há envolvimento da equipe técnica de forma satisfatória no projeto e corrigir durante a duração do projeto eventuais problemas no rumo do mesmo.

CRONOGRAMA

ATIVIDADE Março 2013

DIAS

Escolha dos temas do Projeto de Intervenção 12 e 13

Apresentação do Projeto 18, 19 e 20

Planejamento das atividades/Análise dos dados coletados 21 e 22

Elaboração dos Panfletos 25

Realização das Palestras 26

Avaliação das atividades junto ao público alvo. 29

REFERÊNCIAS

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 2001.

BRAVO, Maria Inêz Souza –et AL (orgs). Saúde e Serviço Social. 4 ed. São Paulo: Cortez; Rio de janeiro: UERJ, 2009

MOTA, Ana Elizabete – ET AL (orgs) Serviço Social e Saúde. Formação e Trabalho Profissional. 3.ed. São Paulo: Cortez; Brasília<DF: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2008.

VASCONCELOS; Ana Maria de. A prática do Serviço Social: Cotidiano, formação e alternativas na área da saúde. São Paulo: Corteza, 2002.