Trabalho Completo Princípios Da água

Princípios Da água

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: laurinha 15 agosto 2013

Palavras: 964 | Páginas: 4

RESENHA: PROPRIEDADES E PRINCÍPIOS FÍSICOS DA ÁGUA QUE FUNDAMENTAM A HIDROTERAPIA.

Os princípios hídricos podem ser divididos em hidrostática e hidrodinâmica, que estudam o comportamento dos líquidos em repouso e em movimento, sucessivamente. As principais propriedades físicas da água de maior alcance clínico sobre o corpo imerso são: densidade, empuxo, pressão hidrostática, turbulência, viscosidade, tensão superficial e refração.

A hidroterapia é um recurso, seu reconhecimento e muito recente no meio cientifico, mais esta muito bem fundamentada com uma ampla gama de pesquisas realizadas.

Para entendermos os efeitos da imersão é necessário entender alguns princípios básicos como quando o corpo encontra imerso em repouso é considerado hidrostático, a água ou o corpo em movimento hidrodinâmica, e a troca de calor entre o corpo e o meio é considerado termodinâmica.

Quando o corpo encontra-se imerso as forças físicas da água agem de maneira com que haja alterações fisiológicas extensas, afetando quase todos os sistemas do organismo. Os efeitos fisiológicos podem somar-se aos desencadeados pela prática de exercício físico na água, tornando as respostas mais complexas.

A leveza que a água proporciona ao corpo é uma das principais vantagens do tratamento na piscina, pois após o controle do equilíbrio o paciente libertar-se do medo e domina o meio aquático fazendo com que tenha uma melhor evolução no seu tratamento.

A densidade relativa varia com a porcentagem de gordura corporal, a composição entre massa magra e massa gorda vai definir a densidade relativa de cada pessoa, mulheres tendem a ter densidade relativa menor que os homens, enquanto que as de bebês e de idosos são menores que dos adultos.

O empuxo ou flutuação é uma força de sentido contrário à gravidade, confere ao corpo imerso um efeito de sustentação. Contrapõe-se ao acúmulo venoso nos membros inferiores, auxiliando na redução de edemas e facilitando a circulação venolinfática. A principal vantagem do empuxo é a redução do peso suporte. A pressão exercida pelo líquido sobre o corpo submerso é denominada como pressão hidrostática (Lei de Pascal). Quanto maior a profundidade em que o corpo se encontra, maior será a pressão exercida sobre ele. Em um indivíduo que esteja em pé, a pressão hidrostática será maior na região de maior profundidade, ou seja, os pés. Se o objeto estiver em repouso, como em um relaxamento, a pressão exercida em todos os planos será igual, porém se o mesmo estiver em movimento juntamente com a água, a pressão apresenta-se reduzida, com um afundamento parcial provocado pelo empuxo. Esta propriedade permite a melhora da condição respiratória dos pacientes imersos, uma vez que existe uma resistência à expansão torácica, assim como o aumento do débito cardíaco e da diurese. A turbulência consiste no fluxo irregular das moléculas de água, está relacionado com a pressão e a velocidade através de um fluxo de corrente. Quanto maior a velocidade do movimento maior a turbulência. Aplicada em outras técnicas, a turbulência pode funcionar como uma massagem profunda, provocando a pressão e o alongamento dos tecidos tensos, bem como da estimulação dos mecanorreceptores levando ao alívio da dor. A viscosidade ou resistência do fluido é outra propriedade resultante da fricção entre as moléculas do fluido, que tendem a aderir-se à superfície do corpo que se move através dele, causando resistência ao seu movimento. O aumento da temperatura reduz a viscosidade do líquido, logo piscinas aquecidas apresentam menor viscosidade que piscinas frias. A refração é a deflexão de um raio ao passar de um meio menos denso a um mais denso ou vice-versa.

O corpo ao ser colocado na água é forçado para cima por uma força igual ao volume de água deslocado e flutuará, uma respiração correta e tranquila ajuda no equilíbrio durante a flutuação.

O principio de Arquimedes diz que quando um corpo esta imerso completamente ou parte dele num líquido em repouso, ele sofre um empuxo para cima, igual ao peso do líquido deslocado. Se o corpo imerso tiver densidade menos do que o volume de água deslocado; ao contrário, se o corpo possuir densidade relativa maior que 1,0 ele afundará. Corpos em densidade relativa igual a 1,0 flutuam logo abaixo da superfície da água.

A flutuação é a força experimentada como o empuxo para cima, que atua em sentido oposto à força da gravidade. Desta forma, um corpo na água esta submetido a duas forças que atuam em oposição à força da gravidade, atuando através do centro de gravidade e a força de flutuação, atuando no centro de flutuação.

Quando o peso do corpo flutuante iguala-se ao peso do líquido deslocado, e os centros de flutuação e gravidade estão na mesma linha vertical, o corpo é mantido em equilíbrio estável, quando uma pessoa fica em pé, quase na vertical com o nível da água, seu corpo tende a retornar à posição horizontal, sendo que as pernas tendem a deslocar-se para a superfície e o corpo desloca-se para trás. A flutuação também pode ser alterada por meio do ajuste da porção imersa do corpo, modificando a descarga do seu peso.

A força de flutuação também pode auxiliar a atingir os objetivos, além de poder auxiliar em técnicas de mudança de decúbito e facilitar o deslocamento de todo corpo, durante a marcha e o tratamento do paciente.

As variações no ambiente aquático, como a produção de turbulência, cria um meio interessante para o trabalho do equilíbrio estático e dinâmico.

O fisioterapeuta deve cuidar da temperatura da água da piscina e da temperatura e umidade do ar, pois o excesso ou queda acentuada de temperatura pode provocar desequilíbrios e até danos no organismo do paciente.

Conclusão.

Podemos concluir que a partir do corpo imerso na água em movimento ou em repouso, poderemos obter ótimos resultados em diferentes métodos de hidroterapia. A flutuação pode ser utilizada para facilitar os movimentos de mudança de postura, que o paciente fora da água não consegue realizar, alterando a descarga de peso.