Trabalho Completo Trabalho Administração Da Produção

Trabalho Administração Da Produção

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: gilvanribeiro 23 setembro 2013

Palavras: 2018 | Páginas: 9

Conceito de Qualidade Total (GQT ou TQM)

A Gestão para a Qualidade Total (GQT) ou, na terminologia inglesa, Total Quality Management (TQM), corresponde a um tipo de gestão caracterizado pela procura permanente de introdução de melhorias graduais e contínuas nos processos e procedimentos já existentes, procurando sempre a excelência na qualidade (ausência de lacunas, isto é, obtenção da satisfação total do cliente). Envolve, geralmente, a participação de todos os membros da organização e baseia-se na hipótese de que a organização é um sistema, tal como definido pela Abordagem Sistémica da Gestão.

Algumas das características mais relevantes da Gestão para a Qualidade Total são as seguintes:

. Focalização no Cliente: o grande objectivo da GQT é o aumento da qualidade percebida pelo cliente, ou seja, qualquer melhoria introduzida tem sempre em vista a melhor satisfação das necessidades dos seus clientes.

. Ferramentas: algumas das principais ferramentas utilizadas pela GQT são os gráficos de acompanhamento e de controlo desenvolvidos por W. Eduards Deming, os diagramas causa-efeito e o benchmarking.

. Participação de Todos: a GQT, ao contrário da Reengenharia, é um processo que envolve um elevado grau de participação de todos os membros da organização, qualquer que seja o seu nível hierárquico.

Resumo Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência.

Conceito de gestão da qualidade e a evolução para Qualidade Total

A gestão da qualidade consiste no conjunto de atividades coordenadas para dirigir econtrolar uma organização com relação à qualidade, englobando o planejamento, o controle, agarantia e a melhoria da qualidade.Qualidade total, de acordo com a ISO 8402: 1994, significa o “modo de gestão de umaorganização, centrado na qualidade, baseado na participação de todos os seus membros, visando aosucesso a longo prazo, por meio da satisfação do cliente e dos benefícios de todos os membros daorganização.”

O controle da Qualidade Total

Em essência, o TQC japonês tem como requisitos o envolvimento de todas as áreasfuncionais nas atividades direcionadas à obtenção da qualidade, além da melhoria da qualidade eutilização de métodos estatísticos. Outro ponto central é o gerenciamento feito pelas diretrizes baseado no ciclo PDCA, utilizando um sistema integrado de procedimentos que encorajam osfuncionários a analisar as situações a fim de corrigi-las.Já na visão americana do TQC há um outra enfase. Definindo- o como um sistema eficaz para integrar a manutenção da qualidade e os esforços de melhoria da qualidade dos vários gruposda organização, de modo a possibilitar a produção em níveis mais econômicos, permitindo alcançar completa satisfação dos clientes.As diferenças entre o CWQC( TQC Japones) e o TQC é que , enquanto o ultimo advoga queo TQC deve ser conduzido por especialistas, a visão japonesa não dá exclusividade a essesespecialistas. No Japão é notório um maior envolvimento e comprometimento dos funcionários nasatividades de gestão da qualidade. Por outro lado, nos Estados Unidos existe uma ênfase à aplicaçãode métodos e técnicas associadas à qualidade.

TQM – Gestão da qualidade Total( Total Quality Management)

A ideia central do TQM é que a qualidade esteja presente na função de gerenciamentoorganizacional, em uma tentativa de ampliar seu foco, não se limitando às atividades inerentes aocontrole.Os elementos mais comuns do TQM são: Liderança e apoio da alta direção; Relacionamentocom os clientes; Gestão da força de trabalho, relação com fornecedores, gestão por processos,Projeto de produto, fatos e dados da qualidade.

Modelos de TQM

A visão de Lascelles e Dale:A intenção é mostrar que a qualidade vem evoluindo de formamais intensiva ao longo das últimas décadas. As fases evolutivas compreendem uma maior ênfaseem : inspeção, Controle estatístico da qualidade e garantia da qualidade, chegando, finalmente, àgestão da qualidade.O modelo de Shiba:TQM é um sistema em evolução, por meio da melhoria contínua de produtos e serviços, na busca do aumento da satisfação dos clientes. O autor considera quatroelementos fundamentais para a qualidade: Foco nos clientes, melhoria contínua, participação total,entrelaçamento social e atividade com foco na qualidade(TQM).O modelo de Zaire:Estabelece que o TQM depende de fases construtivas, estabelecidas por uma estrutura similar a uma construção civil. Assim, estabelece-se como fases: A fundação:Melhoria continua, Envolvimento dos funcionários, gerenciamento de atividades que adicionamvalor; Pilares: Controle estatístico de processo e da qualidade, Cadeia fornecedor e usuário, Sistemade gerenciamento e controle, Flexibilidade do processo, Projeto do local de trabalho e Topo:Liderança, Planejamento da Qualidade, Visão para competitividade de classe mundial.

Gestão da qualidade

A gestão da qualidade total (TQM ) consiste numa estratégia de administração orientada a criar consciência de qualidade em todos os processos organizacionais. O TQM tem sido amplamente utilizado em indústria, educação, governo e serviços. Chama-se total porque o seu objetivo é a implicação não só da empresa inteira mais também a organização estendida: fornecedores, distribuidores e demais parceiros de negócios. O TQM é composta de estágios tais como: planejamento, Organização controle, liderança. Tanto qualidade quanto manutenção são qualificadas de total porque cada empregado que participa é diretamente responsável pela realização dos objetivos da empresa. Então a comunicação organizacional torna-se uma peça chave da estrutura da empresa.

Antes do séc xx o gerenciamento da qualidade se baseava em dois princípios, inspeção dos produtos pelo consumidor e a confiança que era depositada no artesão. Com a Revolução industrial o gerenciamento da qualidade passou a ser supervisionado conforme a administração científica de taylor.

Com a evolução do tempo a gestão da qualidade também evoluiu e o resultado obtido no controle da qualidade incentivados pela ética do trabalho japonês, chega-se ao modelo de gerenciamento da qualidade total.

Os conceitos dessa prática administrativa foram desenvolvidos inicialmente por autores norte-americanos, como Deming, Juran Feigenbaum e Crosby, nas décadas de 50 e 60, que encontraram no Japão o ambiente perfeito para o seu desenvolvimento deste conceito durante os anos que se seguiram.

Sendo assim, no início da década de 80, o mundo voltava sua atenção para o elevado grau de competitividade alcançado pelas principais indústrias japonesas, que antes tinham seus produtos conhecidos pela má qualidade e pelos preços baixos e que a partir dessa década chegavam com excelente qualidade e preços, relativamente, baixos nos principais mercados consumidores do mundo ocidental, passando a constituir uma ameaça para as economias de outros países.

Para as principais e maiores empresas norte-americanas e européias, não restavam muitas alternativas, exceto a da identificação das razões para o sucesso competitivo japonês e sua “importação” para suas “bases”. A partir deste instante, verificou-se o início de um grande movimento mundial relacionado à GQT ( Gestão da qualidade total).

O conceito de qualidade apresentado pelos principais autores da área são os seguintes:

(JURAN,) "Qualidade é ausência de deficiências" ou seja, quanto menos defeitos, melhor a qualidade."

(CROSBY,) "Qualidade é a conformidade do produto às suas especificações." As necessidades devem ser especificadas, e a qualidade é possível quando essas especificações são obedecidas sem ocorrência de defeito.

(DEMING) "Qualidade é tudo aquilo que melhora o produto do ponto de vista do cliente". Deming associa qualidade à impressão do cliente, portanto não é estática. A dificuldade em definir qualidade está na renovação das necessidade futuras do usuário em características mensuráveis, de forma que o produto possa ser projetado e modificado para dar satisfação por um preço que o usuário possa pagar.

Percebe-se, portanto, que qualidade é aquilo que está relacionado com o usuário, que satisfaça as necessidades dos clientes, ou seja, o produto deve estar de acordo com suas expectativas, e em conformidade às especificações.

LOGÍSTICA e TQM

A logística tem a responsabilidade de coordenar processos de produção internos, expedição, transporte e distribuição à armazéns ou a consumidores, junto aos setores responsáveis. E através de todo esse processo, quando bem executado é que chegamos na qualidade total do produto para o cliente.

A maioria das empresas depende de fornecedores externos para obter uma parte dos materiais, serviços ou equipamentos usados na fabricação de seus produtos e na prestação de seus serviços. A qualidade desses insumos pode afetar a qualidade do trabalho da empresa e as peças adquiridas de má qualidade podem ter um efeito devastador.

As especificações de peças e materiais comprados precisam ser claras e realistas. Como uma maneira de verificação das especificações, os compradores em algumas empresas iniciam estudos de capacitação do processo para produtos importantes. Esses estudos implicam lotes experimentais de pequenas amostras do produto, a fim de assegurar que todos os componentes, incluindo as matérias-primas e as peças compradas, operem juntos para formar um produto com o nível de qualidade desejado a um custo razoável e que venha satisfazer o consumidor final do produto

A logística é a verdadeira essência do comércio. Ela contribui para uma melhor qualidade no produto, ou seja é de grande importância para a Gestão da Qualidade Total.

QUALIDADE HOJE

Atualmente a gestão da qualidade está sendo uma das maiores preocupações das empresas, sejam elas voltadas para a qualidade de produtos ou de serviços. A conscienciatização para a qualidade e o reconhecimento de sua importância, tornou a certificação de sistemas de gestão da qualidade indispensável para as micro e pequenas empresas de todo o mundo.

A certificação da qualidade além de aumentar a satisfação e a confiança dos clientes, reduzir custos internos, aumentar a produtividade, melhorar a imagem e os processos continuamente, possibilita ainda fácil acesso a novos mercados. Esta certificação permite avaliar as conformidades determinadas pela organização através de processos internos, garantindo ao cliente um produto ou serviço concebido conforme padrões, procedimentos e normas.

Entre modelos existentes de sistema da qualidade, destacam-se as normas da série ISO 9000. Estas se aplicam a qualquer negócio, independentemente do seu tipo ou dimensão. As normas desta série possuem requisitos fundamentais para a obtenção da qualidade dos processos empresariais. A verificação dos mesmos através de auditorias externas garante a continuidade e a melhoria do sistema de gestão da qualidade.

Os requisitos exigidos pela norma ISO 9000 auxiliam numa maior capacitação dos colaboradores, melhoria dos processos internos, monitoramento do ambiente de trabalho, verificação da satisfação dos clientes, colaboradores, fornecedores e entre outros pontos, que proporcionam maior organização e produtividade que podem ser identificados facilmente pelos clientes.

Porém a certificação de uma empresa, de acordo com as normas ISO, não garante a qualidade de seus produtos, mas sim que tanto um processo industrial quanto um conjunto de serviços seguem detalhados padrões, preestabelecidos por escrito. Ou seja, nem sempre um produto certificado tem qualidade melhor que outro não certificado pelas normas ISO.

CONCLUSÃO

Atingir qualidade em todas as áreas de uma empresa é uma tarefa difícil. Para tornar as coisas mais difíceis ainda, consumidores mudam suas percepções de qualidade. O sucesso de uma empresa depende da sua visão a respeito das expectativas do cliente e de sua habilidade para eliminar a defasagem entre as expectativas e as habilidades operacionais.

Boa qualidade resulta em maiores lucros. Produtos e serviços de alta qualidade podem ter um preço maior do que os concorrentes de menor qualidade e proporcionar um maior retorno em dinheiro. A má qualidade e a falta de uma logística eficiente destroem a habilidade da empresa de competir no mercado e aumenta os custos para produzir o produto ou serviço. Os consumidores preocupam-se muito mais com qualidade, hoje, do que no passado.

No entanto, a TQM, modelo de qualidade implementado principalmente nos países ocidentais, como todo modismo começou a ter uma queda da popularidade nos últimos anos.

As razões para o declínio da TQM, podem ser que esse modelo tenha apresentado muitas dificuldades em sua implantação nos países ocidentais, e o surgimento de novos modelos de qualidade, tornaram-se uma alternativa para as empresas que buscam a qualidade.

O sucesso da TQM no oriente e o fracasso no ocidente se devem ao fato de que, ao contrário das sociedades ocidentais, os orientais possuem o hábito de trabalhar em equipe, isso produz um espírito de coletivismo que favorece a implantação da TQM, em oposição ao espírito individualista dos países ocidentais. Um outro ponto a ser destacado é que, no ocidente o foco e a busca de resultados a curto prazo, enquanto no oriente sua cultura permite obter resultados a longo prazo. Isso é extremamente importante, pois o sucesso de um programa de TQM depende de um tempo razoavelmente longo de investimentos para obtenção de resultados significativos.

Uma organização que se propõe a implementar uma política de gestão voltada para a "qualidade" tem consciência de que a sua trajetória deve ser reavaliada. As mesmas precisam pôr em prática atividades que visam estabelecer e manter um ambiente no qual as pessoas, trabalhando em equipe, consigam um desempenho eficaz na busca das metas e missões da organização