Trabalho Completo Trava- Linguas

Trava- Linguas

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: Alice 28 novembro 2012

Palavras: 3953 | Páginas: 16

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL

CURSO DE PEDAGOGIA

Alice Priscila dos Santos de Oliveira

ESTÁGIO CURRICULAR Il

PRÁTICA DE ENSINO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAJAMAR

2011

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL

CURSO DE PEDAGOGIA

Alice Priscila dos Santos de Oliveira

ESTÁGIO CURRICULAR Il

PRÁTICA DE ENSINO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Relatório necessário para obtenção parcial da graduação do Curso de Pedagogia: Magistério da Educação Infantil e Anos Iniciais do ensino Fundamental, pela Universidade Luterana do Brasil, Pólo Colégio Souza Pazzini, Cajamar-SP.

Profª Regente: Maria Elaine

Profª Tutora Virtual: Caroline Schaidhaver

Profª Tutora Presencial: Márcia Rosana Ap. Arnoni

CAJAMAR

2011

EPÍGRAFE

Não se pode falar de educação sem amor.

(Paulo Freire)

SUMARIO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

INTRODUÇÃO

2.0 DESENVOLVIMENTO

2.1 Fundamentação teórica dirigida aos anos iniciais do ensino fundamental

2.2 Fundamentação teórica do trabalho realizado

3.0 CARACTERIZAÇÃO DA REALIDADE DA ESCOLA/INSTITUIÇÃO

3.1 Histórico da instituição

3.2 Estrutura Física da Instituição

3.3 Plano Político Pedagógico/Projeto Pedagógico da escola/ Instituição

3.4 Leitura da realidade da escola / Instituição

3.5 Relato das observações na turma da pratica de estágio

3.6 Leitura da realidade da sala de aula

3.7 caracterização dos alunos com ênfase pedagógica

4.0 PROJETO

4.1 Tema/ Temática

4.2 Turma

4.3 Duração

4.4 Justificativa

4.5 Objetivo Geral

4.6 Objetivo Especifico

4.7 Referencial teórico do projeto

4.8 Conteúdos propostos a serem trabalhados/ Metodologia

4.9 Recursos Utilizados

4.10 Avaliação

4.11 Referências bibliográficas

5.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS

6.0 REFERÊNCIAS BIBIOGRÁFICOS

7.0 ANEXOS

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1.1. Nome da Instituição: Universidade Luterana do Brasil – ULBRA

1.2. Título do trabalho: Estágio Curricular II

1.3. Nome do aluno: Alice Priscila dos Santos de Oliveira

1.4. Nome dos supervisores de estágio:

 Professora Regente: Maria Elaine

 Professora Tutora Virtual: Caroline Schaidhaver

 Professora Tutora Presencial: Rosana Ap. Arnoni.

1.5. Nome da disciplina de estágio: Estágio Curricular II

1.6. Nome da instituição onde realizou o estágio: Colégio Souza Pazzini

1.7.Data: 10/2011

1. INTRODUÇÃO.

Apresentarei neste relatório de estagio curricular II, meu trabalho que tem o propósito de cumprir exigência curricular do curso de pedagogia.

O estagio foi realizado no colégio Souza Pazzini, unidade particular localizada na rua Creuza Ferreira de Lima S. Araújo n° 262 – Polvilho – Cajamar – SP. Durante o período da tarde. O trabalho foi realizado com uma turma de quarto ano do ensino fundamental, após planejamento e concordância com a professora regente da turma o trabalho foi aplicado, trabalhamos com o projeto trava-línguas um campo muito rico na aprendizagem da criança, fizemos um breve relato sobre o funcionamento da instituição e a realidade da sala de aula em relação ao tema discutido.

2. DESENVOLVIMENTO

2.1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA DIRIGIDA AOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

Desde 1996, com a promulgação da nova lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LBD), Lei nº 9.394, de 1996, a Educação Brasileira compreende dois níveis: a educação básica e a educação superior. A educação básica é formada por três etapas consecutivas Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. A denominação educação Básica é uma tentativa de iniciar que todo brasileiro, sem distinção, deveria cumprir essas três etapas e, caso fosse de seu interesse, prosseguir com seus estudos em nível superior. Entretanto, essa ideia da educação básica não vem se concretizando plenamente em nosso país, Um dos motivos é o fato de que apenas o ensino fundamental é obrigatório e gratuito, assim muitas crianças acabam ingressando na escola sem ter frequentado a educação infantil e muitos alunos que completam o ensino fundamental não continuam seus estudos no nível médio, Após a reorganização em 2005, o ensino fundamental teve sua duração ampliada para nove anos, alterou-se também a idade mínima para ingresso nessa etapa, que hoje e de seis anos, em sua estrutura atual, os primeiros cinco anos de ensino fundamental constituem os anos iniciais e os quatros últimos, aos anos finais, os termos anos iniciais e anos finais substituem os termos series iniciais e finais, adotados na legislação anterior,

Devido a flexibilidade que as escolas tem quanto a organização curricular, a unidade de organização pode ser chamada de serie, ano, período alternando, ciclo, entre outras dominações. O termo ano tornou – se mais abrangente do que serie, que corresponde hoje apenas a uma forma de organização curricular.

Consoante a LBD, o objetivo do ensino fundamental e a formação básica d cidadão, envolvendo, conforme consta no seu art. 32.

O desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como mais básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do calculo.

A compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;

O desenvolvimento da capacidade de aprendizagem tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e formação de atitudes e valores;

O fortalecimento dos vínculos de família, dos laços da solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social.

Pelos elementos presentes nesse artigo, podemos inferir que o ensino fundamental baseia – se em três grandes eixos: cognitivo, pessoal e social, esses três eixos estão intrinsecamente relacionados. Eixo cognitivo envolve a capacidade da aprendizagem dos conhecimentos escolares ligados as praticas de leitura, escrita, cálculos, artes ambiente natural e social, entre outros. Esses conhecimentos de diversas áreas, ao serem apropriados pela escola formam as disciplinas do currículo escolar. Sabemos que historicamente, o currículo multidisciplinar (formado por varias disciplinas), o segundo eixo, o pessoal, trata de aprendizagem relacionadas a aquisição de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores relacionados, primeiramente á formação da identidade pessoal e, posteriormente, a relação do individuo com os demais sujeitos dos grupos sociais nas quais convive.

O terceiro eixo, o social, acompanhando o anterior, no sentido de que não somos seres isolados, mas, ao contrario estabelecemos inúmeras relações sociais em nosso cotidiano. Portanto as aprendizagens ligadas ao autoconhecimento (formação da Identidade) levam a melhores relações em rede de cooperação, solidariedade, respeito, acolhida e tolerância.

As funções sociais do ensino correspondem a um projeto de sociedade, cada sociedade, a partir da sua constituição, imprime um sentido próprio a formação serão expressos nas leis educacionais de cada pais, sendo, posteriormente, traduzidos na ação pedagógica das escolas, que, por sua vez, também definem uma função social para o ensino, ou seja, decidem o tipo de aluno que querem formar e o tipo de sociedade que desejam. Cada instituição opta entre manutenção da realidade atual ou a sua transformação. A escolha por determinada função social definirá a sua identidade e orientará todas as suas ações. Cada escola formula sua proposta pedagógica com base na reflexão sobre a função social que almeja, organiza seu currículo de acordo com a reflexão precedente e registra suas ideias em documentos oficiais, como, por exemplo, o regimento escolar, o projeto político – pedagógico e os planos de estudos, respeitando os contornos legais. E interessante ressaltar que a atual proposta pedagógica das escolas, registrada em regimento escolar ou projetos políticos – pedagógicos, expressam a opção por formar aluno crítico, participativo e autônomo, construtor de uma nova realidade.

Educação Especial e relevante destacar que, para haver uma pratica inclusiva efetiva nas escolas, é preciso enfrentar várias barreiras, como por exemplo, a discriminação. É preciso, também um forte investimento público e privado para garantir a adaptação curricular e física, a formação de professores qualificados e o esclarecimento a comunidade escolar, construindo, dessa maneira, uma escola inclusiva que trabalha com respeito às diferenças e semelhanças de todos que frequentam. Organizar um currículo voltado as sua características e necessidades.

Promover a terminalidade especifica aos alunos cujas deficiências os impeçam de concluir o ensino fundamental ou a aceleração para os superdotados, a fim de que o concluam em menor tempo.

Disponibilizar professores com formação para atendimento especializado e docente capacitados para atendimento desses alunos em classes comuns;

Oferecer educação especial para o trabalho, proporcionando a inserção desses alunos na sociedade por meio de atividades laborais condizentes com suas potencialidades. Garantir acesso aos benefícios dos programas sociais suplementares correspondentes ao seu nível no ensino regular.

E de responsabilidade dos sistemas de ensino, visando a garantir o adequado atendimento a esses educando (art.59 da LDB).

A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. Ou seja, segundo essa definição, em todos os momentos de nosso cotidiano e em todos os lugares nos quais estamos inseridos, estamos nos educando. No seu artigo. 2º, a lei estabelece a responsabilidade compartilhada entre família e o estado no que tange a educação escolar, além de definir a finalidade dessa educação; A educação, dever da família e do estado, inspirada nos princípios da liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

2.2 FUNDAMENTAÇÕES TEÓRICA DO TRABALHO REALIZADO.

Em minha observação pude observar que o professor precisa estar atento às manifestações das crianças, em conjunto com os familiares, identificar quando estão pedindo para participar do processo sistematizado, Se considerarmos o processo de alfabetizar letrando, há todo o contexto inicial das praticas sociais, a ser trabalhado desde a educação infantil, que colaborará para a aquisição formal da leitura e escrita, tanto se iniciar na pré-escola quanto se iniciar a partir do primeiro ano do ensino fundamental. E importante a preparação de espaço adequado para promover um ambiente de alfabetização, proporcionando a criança uma interação maior com textos diversificados e, consequentemente, uma melhor manipulação da escrita, as crianças precisam interagir de forma autônoma com livros, revistas, jornais, cartazes enfim, todo tipo de material escrito que indicar uma pratica social. Além disso, a valorização da expressão oral também deve estar presente nesse ambiente significativa para a criança.

É muito significativa para a criança, por ampliar o desenvolvimento de sua consciência linguística, pois no momento em que a criança já conhece o enredo, ela pode se atentar mais aos aspectos do sistema da escrita.

Também é relevante preocupar-se, quanto ao uso do espaço, em organizar aulas dinâmicas que permitam o movimento da criança e a livre troca de informação com o professor e com seus pares. Portanto é Importante favorecer um ambiente desafiador a rico em interações, um ambiente que facilite a reflexão sobre os usos da leitura e da escrita. Uma dica, aproveitar momentos de interação para propor atividades lúdicas com isso, queremos frisar a relevância do aluno aprender a Ler e a escrever, O aluno deve escrever para comunicar ou solicitar algo, reclamar, expressar sentimentos e não para ser avaliado pelo professor.

Os alunos do ensino fundamental em geral têm grande resistência a leitura, pois muitas vezes, as indicações feita pelos professores não estão de acordo com suas necessidades e curiosidades. Os professores precisam ficar atentos a essas dificuldades, estabelecer negociações, cada parte cedendo um pouco em relação a sua preferência na leitura, mas atingindo o objetivo principal, que é saber ler. O aluno deve ler para ampliar seu conhecimento não apenas por técnica ou para ganhar nota. Dependendo da resposta, podemos estar nos aproximando ou nos afastando da leitura como uma pratica real, ou seja, mais próxima da vivência cotidiana da criança. É importante o professor saber valorizar o erro de seus alunos, isso não significa aceitá-lo passivamente mais sim chegar a conclusão de que a criança ainda não esta pronta para aquela aprendizagem.

Acredita - se que o professor pesquisador, é aquele que traduz no fazer pedagógico diário o ensino como pesquisa. É aquele que, em sala de aula, promove um clima de dúvidas, instala desafios cognitivos, proporciona discussões e a defesa de diferentes pontos de vista, mas é também aquele que estuda o conteúdo e a melhor forma de fazer tais intervenções.

O trabalho realizado em sala de aula pelo professor pesquisador, tem como resultado a formação de um aluno capaz de construir conhecimentos, e não um mero receptor ou reprodutor passivo do conhecimento escolar. Nos dias de hoje, o conhecimento se atualiza com tal velocidade, que é importante para qualquer um de nós, receber e reter em nossas memórias.

Em um projeto escolar e papel fundamental do professor problematizar as situações, instalar os conflitos cognitivos e, como propõe Vygotsky, atuar na zona de desenvolvimento proximal dos alunos. Essa zona vem a ser a distância entre o que o aluno hoje não consegue fazer sozinho, necessitando ainda da ajuda do outro tanto dos alunos quanto do professor e o que futuramente pode vir a fazer por si mesmo. Além disso, nos projetos, a responsabilidade é compartilhada entre professor e alunos: todos participam ativamente, desde a elaboração até o desenvolvimento e a avaliação, todos têm suas tarefas na construção do projeto.

O projeto pode ter origem na curiosidade sobre um tema, um problema, um conjunto de perguntas relacionadas ou outra situação, definindo o fio condutor que orientará o estudo a ser realizado. Pode surgir de uma conversa, de uma notícia lida em jornal, de um material trazido por algum aluno. Não há uma maneira única de começar um projeto. O importante é definir, no grupo, o que se sabe, o que se quer aprender, como e para que aprender, analisando as possibilidades do estudo, as fontes de informações disponíveis e as atividades que podem ser realizadas.

3. CARACTERIZAÇÃO DA REALIDADE DA ESCOLA

3.1. HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO

O Colégio Souza Pazzini esta localizado na Rua: Creuza Ferreira de Lima S. Araújo n° 262 no município de Cajamar – SP, CNPJ: 02.790.354/0001-02 é uma instituição particular tem como Diretora a senhora Claudia Pazzini de Souza. O colégio Souza pazzini tem nome pois é o sobrenome da diretora e dona da escola, a instituição tem o objetivo de capacitar a aprendizagem por meios básicos, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de valores e atitudes.

3.2 . ESTRUTURA FÍSICA DA INSTITUIÇÃO.

A unidade contem 11 salas de aula, sendo educação infantil, e ensino fundamental. Contendo 25 funcionarios sendo uma diretora, uma auxiliar de secretaria, um inspetor de aluno , três auxiliares de limpeza e dezenove professores os professores o nível de formação docente é magistério ou pedagogia. O horário de funcionamento é 07:00 as 17:30, sendo integral das 07:00 as 17:30 – Ensino Fundamental com duas turmas de manhã 07:00 as 11:30 e a tarde 13:00 as 17:30. A unidade é composta de secretaria, biblioteca ,recepção ,diretoria, sala de professores, sala de copia, sala de informática, um pátio coberto, um pátio descoberto, lavanderia, sanitários para alunos e professores separados, deposito, e almoxarifado.

3.3. PROJETO PEDAGÓGICO DA ESCOLA.

Existe um PPP na instituição de estagio, e quem participou da construção foi à direção e os professores, ele é disponibilizado para consulta na secretaria, o conteúdo é claro para todos na instituição.

Os professores utilizam apostilas e atividades complementares para diversificar o trabalho. As aulas são bem construtivas e divertidas.

3.4. LEITURA DA REALIDADE DA ESCOLA

O colégio Souza Pazzini está localizado na Rua: Creuza Ferreira de Lima S. Araújo n° 262 no município de Cajamar – SP. É uma instituição particular tendo como Diretora a senhora Claudia Pazzini de Souza.

O trabalho interdisciplinar é algo possível de ser realizado, o conteúdo integrado é mais rico e melhor absorvido pelo aluno. Na sala de aula o trabalho é excelente, a professora tem o domínio da sala isso faz com que ela mantenha a atenção dos alunos para aprender.

Hora de aprender é hora de aprender , e de brincar é de brincar.

3.5. RELATO DAS OBSERVAÇÕES DA TURMA NA PRATICA DE ESTAGIO.

Com a observação verifiquei o funcionamento da escola e como é dada cada aula, e as atitudes de cada aluno, assim montei meu planejamento. Observei todos os detalhes necessários, alguns alunos os pais trazem, outros chegam de perua.

A professora inicia a aula pedindo aos alunos para pegarem o caderno e a apostila da matéria que será dada. Ela anota as paginas na lousa, e faz a leitura da atividade para os alunos.

Eles praticam educação física uma vez na semana, aula de artes também uma vez por semana e inglês duas vezes na semana. No pátio as brincadeiras são livres, acompanhadas sempre de uma monitora. Os alunos na hora do lanche alguns trazem de casa ou compram na cantina da escola.

Cada aluno tem um kit escovação, e após a higiene bucal voltam para a sala de aula para iniciarem as atividades normais.

Os docentes conhecem e seguem a pratica educativa ao PPP da unidade escolar.

3.6. LEITURA DA REALIDADE DA SALA DE AULA

A sala de aula é organizada, as carteiras e cadeiras conservadas, tem um armário para a professora guardar os materiais utilizados nas aulas, cada aluno tem uma caixa organizadora contendo os materiais que são usados durante as aulas, como pinceis, tesouras, réguas, dentre outras coisas. Essas caixas contem identificação dos alunos. Sala de aula bem arejada e aconchegante.

3.7. CARACTERIZAÇÃO DOS ALUNOS COM ÊNFASE PEDAGÓGICA

Os alunos tem uma ótima comunicação com a professora, nessa fase adoram conversar e contar suas experiências vividas no dia-a-dia.

A professora sempre inova suas aulas, para que não fiquem monótonas, aulas que são criativas e bem aproveitadas. A hora para tudo para brincar e para estudar.

4. PROJETO

4.1. Título: Trava- línguas

4.2. Turma: 4° ano do Ensino Fundamental

4.3. Duração: 05 aulas

4.4. Justificativa: Esse jogo irá estimular as crianças para a sua construção no vocabulário, a estratégia de aprendizagem como o jogo trava-línguas trabalha a concepção, além de enriquecer o repertorio , e a dicção da criança.

Esse projeto será aplicado em crianças do 4° ano do Ensino Fundamental.

4.5 OBJETIVO GERAL: Estimular o aluno a desenvolver sua inteligência verbal- linguística, pois o jogo exige um desempenho da criança, para pronunciar palavras rápidas e longas desenvolvendo assim a atenção.

4.6 OBJETIVO ESPECIFICO: Provocar uma aprendizagem significativa, estimular as inteligências linguísticas, para facilitar a expressão, fazer com que a criança construa instrumentos para a aprendizagem, dicção, oralidade e desenvolver o raciocínio.

4.7 REFERENCIAL TEÓRICOS: Segundo cunha os jogos requerem concentração, atenção e mobilização de habilidades, pois através deles as crianças se exercitam e conseguem realizar tarefas que se não tivesse motivação não realizariam.

Cunha (1999, p.175) “Os jogos, assim como os brinquedos, expressam valores e proporcionam oportunidades para a assimilação de ideias e a formação de princípios.”

4.8 METODOLOGIA:

▪ levantamento dos conhecimentos prévios dos alunos sobre o trava-línguas

▪ Realização de roda de conversa para prepararem os alunos para uma competição do jogo.

▪ Confecção de cartazes com cartolinas

▪Seleção de trava-línguas que os alunos irão trazer de casa.

▪ Realização de concurso de trava-línguas (falar sem tropeçar nas palavras)

4.9 RECURSOS UTILIZADOS: Para a realização do projeto será utilizados cartolinas coloridas, canetinhas coloridas, e diversos jogos de trava-línguas.

4.10. AVALIAÇÃO: Será feito durante todo o projeto, considerando:

▪ Observação da participação, interesse e entusiasmo

▪ Resolução de duvidas nos questionamentos

▪ Avaliação da criatividade na realização dos cartazes e pesquisa dos trava-línguas, para a exposição.

4.11. REFERÊNCIAS:

CUNHA. Nylse Helena Silva. Brincar, pensar e conhecer, jogos atividades. 3°ed. SP, 1999

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Através da pesquisa pude perceber como o jogo intervêm no aprendizado dentro da sala de aula. O jogo é motivador enriquecedor, possibilita o aprendizado de varias habilidades, os alunos da turma que estagiei , foram acolhedores e interagiram bastante, cada um falou um pouco, ao realizarmos a seleção de trava-línguas que eles pesquisaram e trouxeram para a aula.

As crianças se encantaram com o jogo, com os erros e acertos dos amigos foi super. divertido e proveitoso o desenvolvimento do projeto.

Foi dado cartolinas e canetinhas para os alunos desenvolverem o trava-línguas, dividi a turma em duplas, eles se divertiram e aprenderam ao mesmo tempo, eles iam falando um para o outro, alguns acertaram e outros se confundiam, e assim fizemos a socialização.

O concurso de trava-línguas que preparamos foi maravilhoso os alunos adoraram, foi uma competição saudável e divertida.

Com essa atividade pude perceber o quanto os jogos é importante no aprendizado da criança.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Livro Fundamentos Teóricos e Metodológicos dos anos Iniciais – Editora Ulbra

Piaget. J.A Psicologia e pedagogia 2° Ed. Rio de Janeiro: 1972

ANEXOS